A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
DTM, Oclusão e reabilitação oral

Pré-visualização | Página 1 de 6

LAORO - 2020
AULAS INTERNAS 
· Aula 1 - Conceitos
· Aula 2 - Pesquisa
· Aula 3 - Dor ao abrir a boca e limitações da abertura da boca
· Aula 4 - Caso clínico
· Aula 5 - Questões de concurso
· Aula 6 - Disfunção temporo mandibular
· Aula 7 - Toxina botulínica
 
AULAS ABERTAS
· Aula 1 - Mitos e verdades sobre a odontologia
· Aula 2 - As disfunções da ATM e a realidade em tempos de pandemia
· Aula 3 - Me formei e agora?
· Aula 4 - DTM e sensibilização central em indivíduos com doença falciforme
· Aula 5 - Oclusão para o dia a dia
· Aula 6 - Oclusão x DTM
Aula 1 – Conceitos 
Segunda-feira 14 de setembro, aula do professor Juan barrientos
Introdução
Sistema Estomatognático (SE): seus componentes anatômicos são: os ossos fixos da cabeça, a mandíbula, osso hioide, as clavículas e o esterno, os músculos da mastigação, deglutição, expressão facial e posteriores do pescoço, as articulações dento-alveolar (periodonto) e temporomandibular (ATM) e seus ligamentos, os sistemas vasculares e nervoso, os dentes, a língua, os lábios, as bochechas e as glândulas salivarias.
  
Função dos dentes posteriores: mastigação, ponto de apoio da mandíbula durante a deglutição, manutenção da dimensão vertical de oclusão, transmissão e dissipação das forças axiais, e proteção aos dentes anteriores e às ATMs. 
Função dos dentes anteriores: estética, fonética, apreensão e corte dos alimentos, e proteção aos dentes posteriores e às ATMs nos movimentos excêntricos da mandíbula.
Conceitos
Oclusão dentária:  A palavra “oclusão” vem do Latim (occlusus), “fechar algo”, seria o encontro dos dentes superiores e inferiores, quando a mandíbula se aproxima dos maxilares, pela ação dos músculos mastigadores.
Guia anterior: é a relação dinâmica do contorno lingual dos seis dentes antero-superiores sobre as bordas dos seis antero-inferiores quando se tocam na oclusão cêntrica e durante os movimentos protrusivos, laterais ou antero-laterais.
a. Guia Canino - o canino inferior deslisa na concavidade palatina do canino superior desocluindo os demais dentes, tanto do lado de trabalho quanto do lado de balanceio. Guia a mandíbula na movimentação excêntrica.
b. Guia incisiva - quando os dentes inferiores anteriores deslisam pela concavidade palatina dos superiores anteriores desocluindo os posteriores.
c. Oclusão balanceada bilateral - é tida como o esquema oclusal ideal para prótese total, e consiste na obtenção de pontos de contato bilaterais e simultâneos entre os antagonistas, tanto em relação cêntrica quanto nos movimentos extrusivos.
d. 
 
Função de grupo: caracteriza contatos dentários no lado de trabalho, envolvendo caninos, pré-molares (função de grupo parcial) e molares (função de grupo total) em ordem sequencial.
Relação Cêntrica (RC): Trata-se de uma posição estritamente condilar não apresentando nenhuma relação com contatos dentários. É definida como sendo a relação maxilomandibular onde os côndilos estão centralizados nas fossas mandibulares, apoiados sobre as vertentes posteriores das eminências articulares, com os respectivos discos articulares devidamente interpostos.
Máxima Intercuspidação Habitual (MIH): corresponde ao momento em que ocorre o maior número possível de contatos entre os dentes independentemente da posição condilar. Essa é uma posição de adaptação e pode ser facilmente alterada após procedimentos odontológicos de reconstrução oclusal (restaurações, próteses etc.). Normalmente um ou dois contatos dentários acontecem na posição de RC e caracterizam os contatos prematuros. 
Função reflexa: existe uma função reflexa do sistema neuromuscular que evita contatos prematuros, orientando a mandíbula para uma posição dentária na qual o côndilo não está em posição coincidente com RC.
Oclusão mutuamente protegida (OMP): dentes posteriores recebem forças direcionadas ao longo de seus eixos longitudinais enquanto os dentes anteriores entram em contato leve ou ficam sem contato, assim os contatos nos posteriores evitam forças de direção oblíqua nos anteriores. Em contrapartida, nos movimentos mandibulares os anteriores permitem a desoclusão imediata dos posteriores evitando assim a incidência de cargas laterais.
Interferências oclusais: são responsáveis tanto por efeitos adversos na biomecânica, quanto por aplicação de forças excessivas, que podem causar reabsorções radiculares.
Aula 2 – Pesquisa 
Quinta-feira 1 de Outubro, aula do professor Ivair Tavares
O prof. fez uma apresentação no Powerpoint rápida para conceitos básicos de pesquisa e formação de trabalhos acadêmicos e depois, deu dicas práticas. Essas dicas práticas estão registradas aqui.
Levantamento bibliográfico: algumas plataformas estão disponíveis para pesquisa como: 
Pubmed: site de indexação de artigos confiável, mas em inglês. Ele possui ferramentas de pesquisa para busca dos artigos como o uso de “AND” (“e” em português) ou “OR” (“ou” em português) para filtrar melhor o que se procura.
Google: uma dica interessante foi digitar a mesma coisa que se buscaria no site da plataforma, mas no Google já que a ferramenta do Google é mais potente e normalmente mostra mais artigos.
 
Site para palavras-chave/termos semelhantes: decs.bvsalud.org
 
Sci-Hub: site que “democratiza” o conhecimento e divulga gratuitamente o pdf dos artigos que são pagos. Para a alegria do estudante da LAORO.
 
Aula 3 - Dor ao abrir a boca e limitação da abertura da boca
Quarta-feira 7 de outubro, aula do giuliano bragatto
Link para o vídeo complementar: https://www.youtube.com/watch?v=ZHkmnudHXg4
Trismo: constrição mandibular devido à contratura involuntária dos músculos mastigatórios a etiologia está associada a diversos fatores tais como disfunção temporomandibular, complicações exodônticas, lesão cancerosas, entre outras. Recomenda-se terapia pelo calor, lavagens com solução salina morna, analgésicos, relaxantes musculares e após 48h de sinais e sintomas inalterados antibiótico, fisioterapia, ultrassom e laser. 
· Abertura normal - 35 a 60 mm
· Trismo grave - 15mm
· Moderado - 15 a 30mm 
· Leve - mais que 30mm
Causas do trismo
Intra articulares: desarranjo interno ou luxação na ATM, fratura intracapsular, sinovite traumática, artrite inflamatória séptica, osteoartrite, anquilose e formação de osteócitos.
Extra articulares: traumas ou fraturas, edema pós cirúrgico, hematoma, infecções agudas, parotidite aguda, tétano e radiação.
Tratamento do trismo: pode ser feito o alívio dos sintomas com analgésico, AINE, antibióticos, miorrelaxantes, placa miorrelaxante (~2mm para alívio da dor), reabilitação oral, compressa com água morna, exercícios fisioterápicos e laserterapia.
Se houver necessidade de atendimento odontológico com anestesia usar a técnica de bloqueio do nervo mandibular descrita por Vazirani-Akinosi geralmente fornece alívio da disfunção motora, permitindo que o paciente abra a boca para a administração da injeção apropriada para o controle da dor clínica.
BLOQUEIO MANDIBULAR DE BOCA FECHADA DE VAZIRANI-AKINOSI
indicação: situações em que a abertura mandibular limitada impede o uso de outras técnicas de injeção mandibular. Essas situações incluem a presença de um espasmo dos músculos da mastigação (trismo) de um lado da mandíbula após numerosas tentativas de BNAI, tal como pode ocorrer no caso de um molar mandibular “quente”. Abertura mandibular limitada, Múltiplos procedimentos em dentes mandibulares e Incapacidade de se visualizar marcos para o BNAI (p. ex., devido a uma língua grande).
Contraindicação: Infecção ou inflamação aguda na área de injeção (raras), Pacientes que possam morder o lábio ou a língua, como crianças pequenas e adultos portadores de deficiência física ou mental, Incapacidade de visualizar ou de ter acesso ao aspecto lingual do ramo mandibular
Nervos anestesiados: Alveolar inferior, Incisivo, Mentual, Lingual e Milo-hióideo.
Vantagens
1. Relativamente atraumático
2. Pacientes não precisam ser capazes de abrir a boca
3. Menos complicações