A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
ARBORIZAÇÃO do bairro jardim quebec

Pré-visualização | Página 1 de 3

ARBORIZAÇÃO do bairro jardim quebec em patos de minas - MG
Planejamento urbano e regional
1
Estação de tratamento de esgoto (ete)
As ETE’s geralmente encontram-se as nas altitudes mais baixas e próximas de áreas urbanas. Em algumas situações tais empreendimentos podem causar aos habitantes circunvizinhos um desconforto visual, estético e principalmente, olfativo e de saúde; em função dos odores característicos que são gerados durante o processo de tratamento do esgoto e dispersados pelos ventos a longas distâncias. Na maioria dos casos, isso ocorre porque a vegetação existente limita-se apenas à grama, pequenos arbustos e algumas poucas árvores dispersas, não conseguindo promover a quebra ou dissipação dos ventos (CARNEIRO et al., 2009, p. 14). 
2
2
Cortinas vegetais
Cortinas vegetais são definidas como sistemas lineares, compostos quase sempre por árvores e arbustos, que podem ser instalados com um ou mais estratos (NRCS, 2009). As cortinas compostas por pelo menos três estratos são consideradas mais eficientes por proporcionar melhor efeito aerodinâmico, favorecendo a verticalização dos ventos. Mais eficiente torna-se a cortina, quando na sua composição forem estabelecidas três diferentes alturas, formando ao menos um estrato baixo (arbustos e arvoretas com altura entre 1,5 m a 4,0 m), um estrato médio (arvoretas e árvores de 4 a 8 m de altura) e um estrato alto (árvores a partir de 8 m de altura) (CARNEIRO et al., 2009).
3
3
Espécies usadas 
A espécies arbóreas destinadas a compor os estratos alto e médio de projetos de cortinamento vegetal de ETEs devem principalmente cumprir as funções de minimizar a incidência de ventos, atenuar odores indesejáveis, além de contribuir com aspectos estéticos e paisagísticos, reduzindo o impacto visual no local onde as ETEs se localizam, considerando-se que geralmente encontram-se em áreas urbanas ou periurbanas.
Nome da sua empresa
4
4
Espécies usadas 
5
5
CICLOFaIxAS
Ciclofaixas são: as faixas nas pistas de rolamento ou nas calçadas, delimitadas por sinalização horizontal ou diferenciação de piso, sem a utilização de obstáculos físicos.
Implantar a ciclofaixa à esquerda do fluxo ao lado dos estacionamentos, ficando a faixa da direita para ônibus e carros.
Largura útil da ciclofaixa, 1,5m. 
6
6
CICLOFAIXA
7
Mostrar arquivo pdf:
7
Praça principal
8
Reformar a quadra existente no local;
Colocar alguns equipamentos de ginastica;
Área de recriação para crianças;
Plantar árvores com cores vivas e árvores frutíferas;
Criar um estacionamento. 
8
Espécies para plantação em avenidas e praças.
Ipê-amarelo - Handroanthus serratifolius - Avenida
Ipê-branco - Handroanthus roseo-albus - Avenida
Sibipiruna - Caesalpinia pluviosa var. peltophoroides
Alecrim - Holocalyx balansae
Escumilha-africana - Lagerstroemia speciosa
Tipuana - Tipuana tipu
Escumilha-resedá – Lagerstroemia
Magnólia - Michelia champaca
Oiti - Licania tomentosa
9
9
Ipê-amarelo - Handroanthus serratifolius
10
Características botânicas: pode alcançar até 25 m de altura e tronco com 100 cm de diâmetro; copa arredondada ou informal, com folhagem densa e caduca; tronco normalmente reto, com casca clara, farinácea, que se desfaz facilmente ao tato; sistema radicular profundo.
Floração: inverno.
Frutificação: primavera.
Propagação: por semente.
Uso na arborização: devido a beleza da florada pode ser utilizada com destaque principalmente em praças e parques, porém também pode ser plantada em passeios largos e canteiros separadores de pistas
10
Ipê-branco - Handroanthus roseo-albus
11
Características botânicas: atinge 15 m de altura e tronco com 60 cm de diâmetro; copa reduzida, densa, cônica, com folhagem caduca; tronco reto, curto, com casca escura, fissurada; sistema radicular profundo. 
Floração: inverno. 
Frutificação: primavera. 
Propagação: por semente. 
Uso na arborização: por ser uma das espécies de ipê de menor porte e dada a florada extremamente ornamental, pode ser plantada em passeios, canteiros separadores de pistas, além de praças e parques.
11
Sibipiruna - Caesalpinia pluviosa var. peltophoroides
12
Características botânicas: árvore de até 20 m de altura e diâmetro do tronco em torno de 50 cm; copa densa, umbeliforme, semi-caduca; troncos com forte tendência de multiplicação, com casca que se desprende em tiras de tamanhos variados; sistema radicular pouco superficial. 
Floração: inverno e primavera. Frutificação: inverno. 
Propagação: por sementes. 
Uso na arborização: utilizada na arborização de ruas e estacionamentos por possuir uma floração exuberante e fornecer boa sombra. Pode ser usada também de forma isolada em parques e grandes jardins. Galhos de maior diâmetro pouco tolerantes à poda.
12
Alecrim - Holocalyx balansae
13
Características botânicas: a altura varia de 10 a 25 m; copa densa, arredondada, com até 10 m de diâmetro, de folhagem perene; tronco reto, curto, com sulcos profundos bem típicos o que lhe dá um perfil irregular na seção transversal, casca cinza-escura, quase lisa; sistema radicular profundo. 
Floração: primavera e verão. Frutificação: verão. 
Propagação: por semente. 
Uso na arborização: excelente para produção de sombra em estacionamentos, apesar do crescimento bastante lento. Também pode ser empregada em parques e praças.
13
Escumilha-africana - Lagerstroemia speciosa
14
Características botânicas: pode atingir até 15 m de altura; copa arredondada, densa, formada por galhos longos e ascendentes, com folhagem semicaduca; tronco reto, casca esbranquiçada, macia, que se desprende em lâminas alongadas de tamanhos irregulares; sistema radicular que causa poucos danos a pisos pavimentados. 
Floração: primavera e verão. 
Frutificação: inverno e primavera. 
Propagação: por semente. 
Uso na arborização: pode ser plantada em passeios largos, parques e praças.
14
Tipuana - Tipuana tipu
15
Características botânicas: árvore com até 30 m de altura e 80 cm de diâmetro do tronco; copa ampla, arredondada, pouco densa, pendente, folhagem semi-caduca; tronco reto, com casca rugosa, escura; sistema radicular pouco superficial. 
Floração: primavera. 
Frutificação: outono. 
Propagação: por sementes.
 Usos na arborização: em passeios, parques e praças. Os plantios em passeio devem observar o porte avantajado que a árvore atinge. A muda exige condução por longo período de tempo devido a brotação abundante desde a base do caule.
15
Escumilha-resedá – Lagerstroemia
16
Características botânicas: atinge até 6 m de altura; possui copa arredondada, caducifólia, folhas elípticas, com bordas onduladas, tronco liso, de tons claros, marmorizado. Suas inflorescências são vistosas e as flores pequenas apresentam pétalas recortadas e delicadas, podendo ter cores branca, rosa-claro, rosa-forte e vermelha. 
Floração: verão. 
Propagação: estaquia. 
Uso na arborização: muito recomendada para cultivo sob redes aéreas de serviços, em virtude da rusticidade e porte.
16
Magnólia - Michelia champaca
17
Características botânicas: pode atingir 15 m de altura e diâmetro do tronco de 50 cm; copa oval, com folhagem densa, semi-caduca, formada por ramos novos pubescentes e mais velhos glabros, cinza-claros, rugosos, com várias cicatrizes de folhas; tronco reto, cilíndrico, curto, com casca clara bastante lenticelada; sistema radicular profundo. 
Floração: verão. 
Frutificação: outono. 
Propagação: por semente. 
Uso na arborização: largamente utilizada em passeios onde não deve ficar sob rede de distribuição de energia elétrica, já que a poda deforma sua copa. Também pode ser plantada em praças e parques.
17
Oiti - Licania tomentosa
18
Características botânicas: altura de até 20 m, com tronco de 30 a 50 cm de diâmetro; copa arredondada, densa, de folhagem semi-caduca; tronco reto, normalmente curto, ramificado a baixa altura. Floração: inverno. 
Frutificação: verão. 
Propagação: por sementes.
 Usos na arborização: a árvore fornece

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.