Buscar

Filo Echinodermata: Generalidades

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 6 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 6 páginas

Prévia do material em texto

Filo Echinodermata
Filogenia:
Generalidades:
· Deuterostómios marinhos, bentónicos, seis ou sete mil espécies na atualidade.
· Vida livre, excepto Crinóides, que são sésseis em substrato rochoso, embora entre estes, os Comatulidae se desloquem utilizando os braços. 
· Surgiram no Câmbrico, existindo cerca de 13 000 espécies fósseis.
· Possuem celoma verdadeiro, de origem enterocélica, o que junto com o facto de serem deuterostómios os aproxima dos cordados.
· Simetria bilateral na fase larvar e radiada nos adultos.
· Larvas nadadoras, semelhantes a embriões de cordados. Depois, o lado esquerdo desenvolve-se mais e absorve o lado direito, surgindo a simetria pentaradiada (5 ou múltiplos).
· Marinhos 
· Simetria pentarradiada em adulto
· Endosqueleto mesodérmico formado por placas calcárias e espinhos, coberto por uma camada epidérmica. Constitui um suporte rígido que contém os tecidos do organismo.
· Os espinhos funções de proteção, podendo estar cobertos por substâncias tóxicas segregadas pelo organismo. Espinhos podem estar modificados em pedicelários, que constituem uma adaptação à vida livre.
· Pedicelários: espinhos modificados
· Pedicelários: funções de preensão
· Endosqueletos muito rígidos – fusão de placas (ouriços-do-mar)
· Endosqueletos:
- Semi-rígidos – placas ou ossículos articulados (estrela-do-mar) 
- Moles – ossículos dispersos na derme (holotúrias ou pepinos-do-mar)
· Tecido conjuntivo mutável:
- Matriz extracelular mais rígida aumento da concentação de Ca
- Matriz extracelular menos rígida diminuição de concentração de Ca
· Capacidade de regeneração muito elevada, o que é particularmente evidente nos Asteroidea.
· Sistema hidrovascular originado a partir do celoma, essencial na locomoção. É constituído por canais hidráulicos, os pés ambulacrários, que se projectam da superfície do corpo.
· Ventosas na extremidade dos canais permitem a fixação ao substrato (excepto nos Ophiuroidea).
· Sistema ambulacrário abre para o exterior através de uma abertura, o madreporito ou hidroporito.
· A locomoção é assegurada pelos pés ambulacrários, nos quais diferenças de pressão permitem efetuar movimentos, assim como pelos espinhos e pelos braços.
· Aparelho ambulacrário: 
· É responsável por diversas funções dos equinodermes, como respiração, excreção, locomoção, fixação e captura de alimentos. É formado por um conjunto de canais, ampolas e pés, por onde circula a água do mar. 
· Constituído por uma placa madrepórica - toda perfurada para permitir entrada de água 
· Através das contrações e distensões dos músculos e da ampola, regularizam a concentração de água. 
· Sistema nervoso simples, consistindo numa rede de neurónios interligados, sem cérebro, embora possam existir gânglios nervosos.
· Anéis nervosos em volta da boca, dos quais se projetam nervos radiais. Estes estendem-se pelo interior dos braços, quando existam, coordenando os movimentos destes. Anéis nervosos em voltado ânus, de que se projetam nervos radiais ao longo da superfície superior de cada raio.
· Sistema digestivo:
· Sistema digestivo, que pode estender-se para os braços, é geralmente completo, com excepção dos Ophiuroidea, em que o ânus está ausente.
· Boca localizada ventralmente, rodeada por uma membrana muscular com um esfíncter, comunica com um esófago curto que conduz a um estômago de grandes dimensões. Os Echinoidea possuem peças bucais duras (lanterna de Aristóteles).
· Estômago dividido em estômago cardíaco, maior, e estômago pilórico, menor e achatado.
· Digestão extracelular. Nos Asteroidea dá-se a projecção do estômago para o exterior. Enzimas produzidas pelo estômago e cecos pilóricos realizam a digestão, sendo os nutrientes absorvidos e distribuídos pelo sistema circulatório. Resíduos não digeríveis passam para o recto, onde as fezes são eliminadas.
· Regime alimentar:
· Presas vivas ou animais mortos, especialmente moluscos, crustáceos, poliquetas, outros equinodermes e eventualmente peixes, mas também esponjas, cnidários (e.g anémonas, corais).
· Impacto dos Asteroidea nas populações de bivalves.
· Respiração: Pápulas, Bolsas branquiais, Brânquias, Órgãos arborescentes
· Reprodução:
· Sexos normalmente separados. 
· Gónadas são o principal objetivo em aquacultura de equinodermes.
· Fecundação externa (gâmetas libertados na água).
· Desenvolvimento indireto, com fases larvares planctónicas que depois afundam e originam adultos bentónicos.
· Desenvolvimento indirecto (e.g. Echinoidea)
· Asteroidea podem reproduzir assexuadamente por clivagem do disco central. 
Classes:
· Asteroidea 
· Ophiuroidea 
· Echinoidea 
· Holothuroidea 
· Crinoidea 
· Concentricycloidea (recente)
· Forma do corpo e presença ou ausência e posição da boca e ânus são as caraterísticas mais diagnosticantes.
Asteroidea:
· Inclui as estrelas do mar. 
· Marinhos, vida livre, bentónicos. 
· Cinco ou mais braços ou raios partindo de um disco central, boca voltada para o substrato e ânus na superfície aboral.
· Aproximadamente 1500 espécies.
· Forma do corpo:
· Disco central 
· 5 braços (maioria) bem distintos ou não
· Aberturas:
· Respiração por Pápulas
Ophiuroidea:
· Inclui os ofiúros 
· Marinhos, vida livre, bentónicos. 
· Cinco braços muito longos que saem do disco central, boca voltada para o substrato, ânus ausente. 
· Aproximadamente 2000 espécies.
· Forma do corpo:
· Disco central distinto 
· 5 braços distintos
· Aberturas: Boca, ânus ausente
· Respiração: Bolsas branquiais (5 pares)
Echinoidea:
· Inclui os ouriços do mar e as bolachas do mar. 
· Corpo circular ou oval, coberto de espinhos articulados, podendo ser esférico ou achatado no sentido oral-aboral. 
· Aproximadamente 950 espécies.
· Forma do corpo: Esférico ou achatado sem braços
· Aberturas: 
· Lanterna de Aristóteles (30 peças calcáreas)
Holothuroidea:
· Inclui as holotúrias ou os pepinos do mar. 
· Corpo alongado no sentido oral-aboral, assentando o animal no substrato com a parte lateral do corpo. 
· Círculo de tentáculos em redor da boca. 
· Esqueleto reduzido a alguns ossículos microscópicos. 
· Aproximadamente 900 espécies
· Ossículos
· Forma do corpo: corpo cilíndrico, sem braços
· Aberturas: boca e ânus
· Respiração: órgãos arborescentes
· Túbulos de Cuvier: Associados à base das árvores respiratórias, podem ser ejectados pelo ânus. São estruturas defensivas, usadas pela holotúria quando se sente ameaçada. Regeneram posteriormente.
Crinoidea:
· Inclui os lírios-do-mar. 
· Corpo em forma de cálice, com a boca voltada para cima. 
· Vida livre ou sedentária (presos a um substrato). 
· Ocorrem a grandes profundidades e também em recifes de coral. 
· Aproximadamente 625 espécies.
· Forma do corpo: cálice com ou sem pedúnculo 
· Aberturas: boca e ânus, lado a lado
· Órgãos respiratórios: ausentes
Concentricycloidea:
· Ex: Xiloplax tumerae
· Corpo discóidal, com menos de um centímetro de diâmetro. 
· Anéis de espinhos marginais, cobertos por ossículos semelhantes a placas. 
· Sem braços ou raios. 
· Apenas 2 espécies conhecidas. 
· Ocorrem a grandes profundidades.
· Forma do corpo: Discóidal, achatado, sem braços, anel marginal de espinhos
· Aberturas: Ausentes (alimentação por absorção; Uma das espécies tem uma espécie de estômago mas sem ânus, a outra não tem trato digestivo)
· Órgãos respiratórios: Ausentes

Outros materiais