A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
72 pág.
APOSTILA DIREITO EMPRESARIAL 01

Pré-visualização | Página 11 de 21

públicos, 
intérpretes, etc).
Arquivamento
Inscrição de empresários 
individuais, EIRELI e sociedades 
empresárias
Autenticação
Registro de instrumentos de 
escrituração (livros empresariais 
e fichas escriturais)
Paulo Guimarães, Renato Borelli
Aula 00
Direito Empresarial p/ OAB 1ª Fase XXVII Exame - Com videoaulas
www.estrategiaconcursos.com.br
0
00000000000 - DEMO
 
 
 
Prof. Paulo Guimarães www.estrategiaconcursos.com.br 32 de 70 
 
Não vou entrar nos detalhes contábeis acerca da natureza desses documentos, 
mas você deve saber que o empresário deve manter um sistema de registro dos 
atos e fatos contábeis, e, anualmente, elaborar duas demonstrações: o balanço 
patrimonial e o de resultado econômico. 
Os livros comerciais são equiparados, para fins penais, a documento público, 
constituindo crime a falsificação da escrituração comercial, no todo ou em parte 
(art. 297 do Código Penal). 
A atividade de escrituração contábil cabe ao contabilista, profissional que deve 
ser legalmente habilitado para exercer a função, com inscrição ativa no órgão 
regulador da profissão. 
A legislação prevê uma grande quantidade de livros, mas apenas o Diário é 
considerado como obrigatório para todos os empresários. Além dele, há certos 
livros obrigatórios para empresários que exercem atividades específicas. 
 
Os livros empresariais possuem eficácia probatória. Em outras palavras, 
eles podem ser utilizados como prova em processos judiciais ou de qualquer 
outra natureza. O exame desses livros pode ser muito útil para resolver 
LIVROS 
COMERCIAIS
OBRIGATÓRIOS
Comuns a todos os 
empresários
Diário (ou fichas 
ou Balancetes 
Diários e 
Balanços)
Especiais a alguns 
empresários 
(exemplos)
Registro de 
duplicatas, para 
quem as emite
Entrada e saída 
de mercadorias 
de armazém-
geral
Registro de ações 
nominativas, para 
as S/A
FACULTATIVOS
Caixa
Estoque
Razão
Borrador
Conta-corrente
Paulo Guimarães, Renato Borelli
Aula 00
Direito Empresarial p/ OAB 1ª Fase XXVII Exame - Com videoaulas
www.estrategiaconcursos.com.br
0
00000000000 - DEMO
 
 
 
Prof. Paulo Guimarães www.estrategiaconcursos.com.br 33 de 70 
diversas questões relacionadas ao exercício da atividade empresarial. É possível 
verificar, por exemplo, a existência de relações contratuais, o adimplemento ou 
inadimplemento de obrigações, aspectos contábeis, entre outros. 
O próprio Código de Processo Civil reconhece em seus arts. 417 e 418 a força 
probatória dos livros empresariais. 
 
Art. 417. Os livros empresariais provam contra seu autor, sendo lícito ao empresário, 
todavia, demonstrar, por todos os meios permitidos em direito, que os lançamentos não 
correspondem à verdade dos fatos. 
Art. 418. Os livros empresariais que preencham os requisitos exigidos por lei provam a 
favor de seu autor no litígio entre empresários. 
 
Contra o empresário, o livro empresarial faz prova mesmo que não esteja 
corretamente escriturado. Por outro lado, para fazer prova a favor do 
empresário, o Novo Código de Processo Civil exige a escrituração correta. 
Essa escrituração correta deve obedecer aos requisitos do art. 1.183 do Código 
Civil, segundo o qual “a escrituração será feita em idioma e moeda corrente 
nacionais e em forma contábil, por ordem cronológica de dia, mês e ano, sem 
intervalos em branco, nem entrelinhas, borrões, rasuras, emendas ou 
transportes para as margens”. 
O último ponto que quero enfatizar é que a força probatória dos livros 
empresariais é relativa, sendo possível que sua veracidade seja questionada por 
outros meios de prova. 
 
A força probante dos livros empresariais é relativa, 
podendo ser afastada por força de documentos que 
contradigam seu conteúdo. 
 
Art. 970. A lei assegurará tratamento favorecido, diferenciado e simplificado ao 
empresário rural e ao pequeno empresário, quanto à inscrição e aos efeitos daí 
decorrentes. 
 
Como desdobramento da ideia geral da regra de favorecimento do pequeno 
empresário, o §2o do art. 1.179 do Código Civil o dispensou das exigências de 
escrituração. A redação do art. 970, entretanto, foi infeliz, pois utilizou a 
expressão “pequeno empresário”, enquanto a própria Constituição e a 
legislação posterior utilizam os termos Microempresa (ME) e Empresário de 
Pequeno Porte (EPP). 
A maior parte dos doutrinadores vinha entendendo que a regra do Código Civil 
era abrangente, atingindo tanto os microempresários quanto os empresários de 
pequeno porte. Em 2006, porém, o art. 68 da Lei Complementar n. 123 veio 
estabelecer o que seria o pequeno empresário para fins de aplicação da regra 
do art. 970 do Código Civil. 
Paulo Guimarães, Renato Borelli
Aula 00
Direito Empresarial p/ OAB 1ª Fase XXVII Exame - Com videoaulas
www.estrategiaconcursos.com.br
0
00000000000 - DEMO
 
 
 
Prof. Paulo Guimarães www.estrategiaconcursos.com.br 34 de 70 
 
Art. 68. Considera-se pequeno empresário, para efeito de aplicação do disposto nos arts. 
970 e 1.179 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), o empresário 
individual caracterizado como microempresa na forma desta Lei Complementar que aufira 
receita bruta anual até o limite previsto no § 1o do art. 18-A. 
! 
Paulo Guimarães, Renato Borelli
Aula 00
Direito Empresarial p/ OAB 1ª Fase XXVII Exame - Com videoaulas
www.estrategiaconcursos.com.br
0
00000000000 - DEMO
 
 
 
Prof. Paulo Guimarães www.estrategiaconcursos.com.br 35 de 70 
4.3. Sigilo empresarial 
O art. 1.190 do Código Civil decreta sigilo sobre os livros empresariais. 
 
Art. 1.190. Ressalvados os casos previstos em lei, nenhuma autoridade, juiz ou tribunal, 
sob qualquer pretexto, poderá fazer ou ordenar diligência para verificar se o empresário 
ou a sociedade empresária observam, ou não, em seus livros e fichas, as formalidades 
prescritas em lei. 
 
Como você pode ver, o dispositivo cria o sigilo mas também faz ressalva aos 
casos previstos em lei. Na realidade o próprio Código Civil traz uma dessas 
exceções, quando prevê, em seu art. 1.193, que as restrições ao exame da 
escrituração não se aplicam às autoridades fazendárias, quando estas estejam 
no exercício da fiscalização tributária. 
O Código Tributário Nacional também traz disposição no mesmo sentido, mas o 
STF já tratou de limitar a exceção ao sigilo empresarial, entendendo que o 
exame dos livros e documentos constantes da escrituração deve ater-se ao 
objeto da fiscalização. 
 
Súmula 439 do STF 
Estão sujeitos à fiscalização tributária ou previdenciária quaisquer livros comerciais, 
limitado o exame aos pontos objeto da investigação. 
 
Além dessa hipótese, o sigilo sobre os livros empresariais também pode ser 
“quebrado” por ordem judicial, que poderá determinar a exibição total ou 
parcial dos livros. Cada uma das hipóteses tem tratamentos legais diferentes, 
conforme podemos compreender do exame dos dispositivos do Novo Código de 
Processo Civil que se aplicam ao tema. 
 
Art. 420. O juiz pode ordenar, a requerimento da parte, a exibição integral dos livros 
empresariais e dos documentos do arquivo: 
I - na liquidação de sociedade; 
II - na sucessão por morte de sócio; 
III - quando e como determinar a lei. 
Art. 421. O juiz pode, de ofício, ordenar à parte a exibição parcial dos livros e dos 
documentos, extraindo-se deles a suma que interessar ao litígio, bem como reproduções 
autenticadas. 
 
A exibição integral, portanto, somente é possível nos casos especificamente 
previstos em lei, e somente a requerimento da parte. Importante mencionar 
também que há regra específica acerca da exibição integral de livros de 
sociedade anônima, que pode ser determinada pela autoridade judiciária 
Paulo Guimarães, Renato Borelli
Aula 00
Direito Empresarial p/ OAB 1ª Fase XXVII Exame - Com videoaulas
www.estrategiaconcursos.com.br
0
00000000000