A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
25 pág.
PIM 8 GESTAO PUBLICA

Pré-visualização | Página 2 de 5

objetivos que atendam ao interesse público. Trata-se de um processo permanente, dinâmico e sistematizado de gestão, composto de um conjunto de ações coordenadas e integradas, pelo qual se estabelece antecipadamente o que se pretende realizar e quais metas se busca alcançar, com o escopo de se obter um resultado satisfatório e desejado (ABRAHAM, 2018). 
Procura-se, pelo planejamento, responder as seguintes questões básicas: onde queremos chegar e como atingiremos nossos propósitos?
Noutras palavras, não planejar adequadamente enseja gastar mal o dinheiro público, em prioridades imediatistas e muitas vezes subjetivas ou de conveniência circunstancial (eleitoreira ou em troca de apoio político), e também com projetos que sequer serão concluídos.
O Banco preza pela Transparência na Gestão, buscando em tudo que se faz, sendo o cumprimento da legislação. Munido de instrumentos orçamentários e procedimentos corretos, a fim de que se apresente de forma distinta as despesas e receitas. 
O Banco do Brasil dispõe de soluções que potencializam a transparência das ações da administração pública, abrindo um canal de informação para o cidadão, oferecendo instrumentos que favorecem o acompanhamento da gestão,
contribuindo para impulsionar a credibilidade do governo estadual e confirmando a
percepção de que a gestão pública é eficiente, moderna e democrática.
Há externalidades que fortalecem ou fracassam um empreendimento, como o local em que será o ponto próximo do seu público alvo, qualidade e excelência do atendimento é um tópico indispensável, o mantimento da medição de resultados, etc
Assim se torna importante que seja realizada a Análise SWOT, metodologia desenvolvida por Kenneth Andrews e Roland Christensen, professores da Harvard Business School, que estuda a competitividade de uma organização segundo quatro variáveis: Strengths (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças). 
A ferramenta agrega ainda à análise SWOT, a identificação de vantagens e desvantagens competitivas em relação aos concorrentes, uma das forças competitivas de PORTER, avaliando seu grau de impacto, bem como sua relação com produtos e segmentos de mercado. 
O conjunto de metodologias é condensado em um Módulo denominado Análise Ambiental, base para a avaliação de metas e elaboração de estratégias que assegurem o atingimento dos objetivos traçados para cada agência. A internalização de alguns conceitos é importante para entendimento completo da metodologia: 
- Ameaças: são situações do ambiente externo com potencial de impedir o sucesso da organização. 
- Oportunidades: são fatos ou situações do ambiente externo que a organização pode vir a explorar com sucesso. 
- Pontos Fortes: diferenciação existente na empresa, favorece a empresa quando diante de ameaças e oportunidades do ambiente.
- Pontos Fracos: situação inadequada da empresa, limita a empresa quando diante de ameaças e oportunidades do ambiente. A análise ambiental permite a avaliação do ambiente no qual a dependência está inserida, estando dividido em quatro etapas: 
- Módulo Mercado: Análise das potencialidades que a praça/área de atuação oferece à agência. São identificadas as vocações preponderantes, bem como os segmentos de mercado considerados como público-alvo da agência. Para cada vocação identificada pela dependência deverá ser atribuído um percentual de participação, ou seja, contribuição dentro do seu mercado. 
Módulo Ameaças e Oportunidades: Consiste na identificação de variáveis externas (riscos e incertezas) que podem criar condições favoráveis ou desfavoráveis ao seu sucesso. Considerando a visão de gestão de metas negociais, deverão ser consideradas como variáveis externas que possa impactar o atingimento das metas estabelecidas em determinado produto. Nesta etapa deverá ser mensurado o grau de impacto da variável na dependência, bem como o período em que a influência da variável deverá ser considerada para análise: mensal, semestral ou anual. 
Módulo Competidores: Identificação dos fatores do ambiente de negócio da concorrência que afetam ou podem afetar o desempenho da agência. O propósito maior desta etapa é avaliar o quanto às características identificadas em nossos competidores podem afetar o desempenho da empresa na venda de produtos e serviços para determinadas vocações e segmentos. A exemplo do módulo anterior, também será identificados o grau de impacto e o período de influência. 
Módulo Produtos: Selecionar cesta de produtos a ser trabalhada pela agência no planejamento, onde estarão contemplados aqueles constantes do Orçamento Descentralizado; 
Módulo Pontos Fortes e Pontos Fracos: Identificação de características da agência que lhe proporcionam ou provocam uma vantagem ou desvantagem operacional no seu ambiente empresarial (SILVA, 2017, p.101).
Os resultados positivos, que iremos ressaltar referente Banco do Brasil, quanto sua atuação com o público em geral, se faz necessário uma governança e gestão que orientem o comportamento do Banco em relação à sustentabilidade, as soluções negociais/financeiras tendem promover a transição para uma economia verde, sustentável e inclusiva, a causa do Banco visa a inovação para a inclusão e
transformação digital da sociedade brasileira, práticas administrativas com essas atitudes pautadas na eficiência e eficácia, o Banco tem suas ações reconhecidas com prêmios sobre responsabilidade socioambiental. 
Liderança de mercado e em sustentabilidade, crescimento da carteira de crédito, marca sólida, relacionamento com governos, tecnologia de ponta, altos padrões de Governança e administração são os pontos fortes do BB.
Os pontos fortes do Banco, se definem por ser executor das principais práticas mercantis da economia, e por sua execução de instrumentos de controle e liquidez do sistema econômico, a política monetária afeta os valores das taxas de juros, cambiais, demanda e emprego das famílias. Vale ressaltar o avanço da tecnologia e o uso das ferramentas mobile, resultando em maior sucesso nas operações. 
Sobre os pontos fracos, podemos afirmar que os demais bancos nacionais, cada vez mais buscam inovar com redução e até mesmo 0% de taxas, isso chama atenção dos clientes, sem contar o fator de tratamento, que deve ser o melhor possível.
As oportunidades se devem pelos bancos possuírem carteiras diversas, sendo possível alcançar e administrar a poupança das variadas classes de famílias e suas culturas.
Através de uma carteira de Banco Comercial por exemplo, podem comercializar fundos, que oferecem possibilidade a pequenos investidores alcancem cotas de produtos de investimento que não alcançariam de forma individualizada. Podem captar depósitos à vista e realizar a intermediação, alavancagem e gerar
base. As ameaças podem ser expressas pelas cooperativas de crédito, grandes corretoras de investimentos, que se especializam e preparam bem para o mercado competitivo.
A administração pública com o Banco do Brasil, realiza Pagamento Eletrônico de Empenhos, de acordo com a Lei 4.320/64 e com a Lei de Responsabilidade Fiscal, sendo um facilitador na automatização de todos os pagamentos a fornecedores e prestadores de serviços, até mesmo os vinculados aos recursos de convênios. 
Os municípios otimizam a administração de seus recursos, prestando contas de todos os pagamentos encaminhados ao Banco diariamente, resultando em controles contábeis e financeiros, tornando-se ágeis, seguros e transparentes. 
As vantagens que o Sistema Pagamento Eletrônico de Empenhos oferece são: pagamento eletrônico de empenhos a fornecedores por crédito em conta corrente, DOC e/ou TED e em espécie, em qualquer agência BB no País; pagamento eletrônico de empenhos a servidores; conciliação eletrônica das contas
do cliente, mediante o arquivo retorno dos registros encaminhados; armazenamento nas máquinas do Banco do Brasil, por cinco anos, das informações relativas aos empenhos processados.
A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)/Lei Complementar nº 101 visa impor o controle dos gastos da União, estados, Distrito