A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Apostila micro e parasito - Virus

Pré-visualização | Página 1 de 4

INSTITUTO DE ENSINO JOSÉ RODRIGUES DA SILVA pag 1 
 
 
Turma: 
Data: 
Nome: 
Professora Leilane Morais Lopes 
 
Vírus 
Nessa aula iremos falar dos vírus! Mas como iniciar com os vírus? 
Simples, pois eles não são celulas! Eles sequer são organismo vivos!!! 
Chocados? Eu também fiquei, quando soube! Por isso o conceito de 
patógeno é tão importante, pois os vírus não se enquadram no conceito de 
microorganismos! Mas são potentes patógenos! E causam muitas doenças!! 
Então vamos a esses serezinhos! 
Os vírus possuem uma ampla distribuição no mundo, sendo considerados 
a maior quantidade de carbono presente no Oceano Pacífico, e vocês aí achando que 
eram as algas, bactérias ou baleias que mandavam, que nada, quem manda nos 
mares são os vírus! 
Eles podem infectar todos os seres vivos desse planta, ninguém escapa 
deles, nem mesmo bactérias, fungos, plantas ou animais! Os caras são sinixxtros!! E 
eles podem causar diversos problemas a esses organimos que eles infectam! 
Mas o que vem a ser um vírus, já que eles não são sequer seres vivos! 
São acelulares, no caso “A” de negação, então eles são “não” celulas. 
Dentro dessa categoria se enquadram os vírus e os virions. Seu tamanho é minusculo 
do minusculo, possuindo nanometros, que são precisos 10 milhões de nanometros 
para se ter um centímetro. Fig 1. 
Pois bem, vírus são considerados aglomerados proteícos, que fora da 
célula hospedeira se comportam como cristais! 
 
 
 
 
 
 
 INSTITUTO DE ENSINO JOSÉ RODRIGUES DA SILVA pag 2 
 
 
Fig 1 – Representação esquemática do formato dos vírus que possuem material genético de DNA e de RNA, e seus 
nomes. 
Vamos aos componentes dos vírus. Fig 2. Eles são compostos de: 
 Material genético que pode ser DNA, RNA (ácido ribonucleico) ou mesmo os 
dois juntos; 
 Capsideo que é um envoltório proteíco de formato geométrico, que protege o 
material genético; 
 Podem possuir uma enzima auxiliar (transcriptase reversa), para facilitar a 
replicação dentro da célula; 
 E um envelope, que é um envoltório a base da membrana lípidica, que ele 
rouba da membrana plasmática da celula hospedeira; 
Fig 2 – Imagems representativa de um vírus e seus componentes. 
Estão vendo como os vírus são seres terríveis!! Mas eles possuem sua 
beleza! 
Agora que já sabemos o que é um vírus, vamos a virologia. 
 INSTITUTO DE ENSINO JOSÉ RODRIGUES DA SILVA pag 3 
 
 
A virologia é a ciência que estuda os vírus, e olha, é uma ciência bem 
ativa!! Então vamos entender como surgiu a virologia, como se iniciou os estudos 
desses seres. 
Os vírus inicialmente eram chamados de “agentes filtrantes!, isso lá em 
1876! Pois eles passam pelos filtros utilizados para filtrar bactérias! Nessa época ele 
foi muito estudado na doença do Mosaico do Tabaco, que aflinge as plantas 
produtoras. Mas somente em 1931, com a criação do microscópio eletrônico é que foi 
possível observar as particulas vírais! Olha só quanto tempo se passou, desde que 
descobriram que algo infectava plantas e pessoas, mas não se sabia o que era, até o 
momento que conseguimos ver eles!! 55 anos!! É tempo demais!! 
Então, agora que podemos ver como eles são, descobrimos, que eles 
possuem diferentes formatos é tamanhos! Os princípais formatos são Icosaedrico, 
helicoidal e o bacteriofago. Fig 3. 
Fig 3 – Formato dos vírus, com e sem o envelope. 
Os vírus, por serem bem diversos, eles não possuem uma classificação 
zoológica, sendo colocados todos juntos em uma única ordem, a Virales; seguida de 
família viridae; subfamília virinae; gênero vírus e a espécie final! 
Mas não é só isso! Os vírus são classificados de acordo com o seu 
material genético e assim separados em grupos! Fig 4. 
 INSTITUTO DE ENSINO JOSÉ RODRIGUES DA SILVA pag 4 
 
 
Fig 4 – Classificação dos vírus de acordo com o seu material genético, essa classificação é conhecida 
como Classificação de Baltimore e foi desenvolvida em 1971. 
Como podem ver, temos muitos tipos diferentes de vírus, e todos eles 
podem causar algumas doenças em nós! Mas primeiro, antes de chegarmos as 
doenças (vocês estão doidos para saber as desgraças né!) precisamos entender, 
como nós pegamos e nos infectamos com os vírus! 
Os vírus são evolutivamente espertinhos, para ele infectar uma celula, ele 
depende que a célula o reconheça, no caso ele engana a célula ao se ligar a um 
receptor que essa célula tem na sua membrana plasmática. Como a célula não sabe o 
que ligou, mas que houve uma ligação, ela coloca o vírus para dentro, no citoplasma, 
e ali ele se faz em casa, e por vezes, até mesmo mata a celula hospedeira! Fig 5. 
 INSTITUTO DE ENSINO JOSÉ RODRIGUES DA SILVA pag 5 
 
 
 
Fig 5 – esquema mostrando as diferentes estratégias que os vírus utilizam para entar na 
célula. Em (a) temos a ligação a um receptor, onde ocorre a incorporação do capsideo ou envelope viral a 
membrana da celula e entra penas o material genético no citoplasma da celula infectada. Em (b) temos a 
ligação recptor-vírus criando uma vesícula que vai colocar o vírus para dentro da celula, em determinado 
momento a vesícula se rompe e apenas o material genetico é liberado no citoplasma. Em (c) temos a 
ligação recpetor-vírus e a criação de uma vesícula, no entanto a vesicula não se abre, e apenas o 
material genético do vírus vai para o citoplasma, sem que ocorra o rompimento da vesícula. Em (d) temos 
a ligação repector-vírus onde a vesicula se compre e libera o vírus completo no citoplasma, e apenas 
quando o vírus encontra a membrana do núcleo da celula é que ele libera seu material genético 
diretamente dentro do núcleo. 
Mas para você ficar doente com um vírus, não basta só o vírus entrar na 
célula, o vírus tem que ser capaz de se multiplicar nessa célula! Logo nossas células 
devem ser competentes para a replicação viral! Por isso algumas pessoas ficam mais 
doentes que outras, ao contrair uma virose, pois existem pessoas com celulas mais 
competentes para a replicação viral, do que outras! E você ai se achando um 
incompetente e inutil, que nada! Você é super competente, nem que seja para replicar 
vírus!! Mas ai, já é algo bom!! O que você acha? Vou até deixar um espaço ai, para 
você me dizer sua opnião! 
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
____________________________________________________________________ 
Existe todo um caminho que será percorrido pelo vírus, do momento que 
ele se liga na membrana celular até o momento que ele saí da célula, já na quantidade 
de milhares! No entanto esses são conhecimento mais aprofundados e serão deixados 
para outro módulo. 
Agora que já vimos como tudo acontece, vamos conhecer as doenças 
causadas por vírus. Elas são separadas em tipos, como vocês verão a seguir. 
Arboviroses 
São doenças virais transmitidas por vetor inseto hematofágo (que se alimenta de 
sangue) principalmente dos gêneros Culex e Aedes. São as principais arboviroses 
transmitidas no Brasil e elas são todas do gênero viral, Flavivirus. São elas: 
Febre Amarela – transmitida pelo Aedes albipucus ou Aedes aegypt. Fig 6. 
Zika vírus; Dengue; Chikungunya – Transmitia pelo Aedes aegypt; 
Os sinais (o que é visível no paciente) e os sintomas (o que o paciente relata sentir), 
entre as arboviroses é bem similar, pois todas são febres hemorrágicas, 
caracterizadas pela febre alta, dores pelo corpo, dor de cabeça, dor retro-orbitar (atrás 
dos olhos) e podem acarretar choque hipovolêmico (baixa de pressão arterial 
acentuada) ou hemorragias, sendo comum hemorragias de mucosa, como gengiva, 
boca, olhos, nariz, ou todo o sistema digestório. Quando ocorre hemorrágia, podem 
aparecer manchas vermelhas pelo corpo. Mas a dengue homorrágica é caracterizada 
pela baixa acentuada de plaquetas sanguíneas. São doenças auto limitas,