A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
relatório do vídeo bactérias

Pré-visualização | Página 1 de 1

CURSO: ENFERMAGEM 
DISCIPLINA: MICROBIOLOGIA APLICADA À ENFERMAGEM 
DOCENTE: BRUNO ESTEVES CONDE 
DISCENTE: ELISIANE RAIMUNDO DA SILVA 
DATA: 06/09/2020 
RELATÓRIO CRÍTICO 
“Na Escola: Bactérias. Discovery” - DISCOVERY CHANNEL 
 
Os vídeos “Na Escola: Bactérias. Discovery” foram produzidos pelo 
Discovery Channel. É um documentário com uma série de 4 vídeos de 15 
minutos cada. 
O documentário começa mostrando um possível ataque bioterrorista 
com antraz em cartas enviadas à Washington em 1997, tal ataque era o maior 
medo das autoridades após descobrirem que Saddam Hussein tinha 
quantidades suficientes da toxina para matar toda a população do mundo. 
Mesmo sem tais agentes nós vivemos cercados de bactérias que 
causam doenças potencialmente graves todos os dias, e o vídeo diz que 
conforme vamos criando novos medicamentos para prevenirmos tais doenças, 
as bactérias sofrem mutações para resistirem aos remédios, porém, essa é uma 
conclusão errônea, já que os antibióticos selecionam as bactérias mais 
resistentes, eliminando as menos resistentes e as que sobram causam das 
mais ariadas doenças 
Os micro-organismos vivem em nossa volta e por mais que tentemos os 
erradicar, não é possível erradica-las. Menos de 1% das bactérias realmente 
causam doenças, as outras possuem várias funções uteis em nosso cotidiano, 
estando presente desde em nosso trato intestinal ajudando na digestão dos 
alimentos até em produtos de limpeza. 
As bactérias sobrevivem em ambientes muito severos, desde os locais 
mais quentes até os mais ácidos. Outro erro presente no vídeo é que ele da a 
entender que divide as bactérias em dois subgrupos: eucariontes e 
procariontes, porém, as bactérias são seres procariontes e pode ser dividida 
em dois reinos: monera e bactéria. Diferentemente dos vírus, as bactérias não 
necessitam de uma célula hospedeira para viver. Para se reproduzir as 
bactérias simplesmente se dividem durante a divisão celular, o que em algumas 
espécies pode ocorrer a cada 20 minutos. 
Nem todas as bactérias são ruins, como citado acima, algumas bactérias 
ajudam na nossa digestão transformando os alimentos em açucares e 
vitaminas, também nos mantem saudáveis ocupando lugares que se elas não 
ocupassem outras bactérias, dessa vez, nocivas, iriam ocupar e nos causar 
doenças. Porém até mesmo as “boas bactérias” podem ser ruins para nós, ou 
seja, existem bactérias boas, más e bactérias que desempenham ambas as 
funções. 
Após vários anos de pesquisa, um cientista chegou a conclusão que se 
uma dose da toxina do botulismo (Clostridium botulinum), produzida no arsenal 
de Saddam Hussein, pode paralisar os músculos, uma dose menor, pode 
relaxa-los ajudando na prevenção de doenças como por exemplo torcicolo 
espasmódico. Há pesquisas que mostram que a toxina irá ajudar milhares de 
pessoas que sofrem com doenças relacionadas aos músculos, tais como o mal 
de Parkinson e a gagueira. E, indo um pouco além do que foi dito no vídeo a 
toxina, hoje em dia, também ajuda na prevenção de rugas e marcas de 
expressão, através do popular Botox. As bactérias também ajudam na 
preparação de alimentos. 
Porém existem bactérias que, podem ser horríveis, como por exemplo, a 
bactéria que causa a necrose, ou como é popularmente conhecida, a “bactéria 
comedora de carne”. Tal bactéria é um estreptococo do grupo A, que são as 
bactérias escondidas por trás de dores de garganta séptica, geralmente 
encontradas na pele e na garganta não causando problemas, porém, algumas 
podem matar com uma velocidade devastadora, como matou Jim Henson, o 
criador dos Muppets. 
Outra bactéria mortal é a E coli, que vive nos intestinos das vacas e que 
pode penetrar na carne das vacas se a carne não for devidamente cortada e 
limpa, contudo o organismo morre se a carne for bem cozida. Poucas bactérias 
tem a capacidade de causar doenças e dentre algumas doenças causadas por 
estas bactérias, podemos citar a tuberculose e a peste negra. 
Uma longa batalha através da procura de algo que pudesse combater às 
bactérias durou até o século XX quando foi descoberta a penicilina, descoberta 
acidentalmente por um cientista inglês. E a partir desta descoberta, as pessoas 
passaram a acreditar que tinham vencido as doenças infecciosas, já que pela 
primeira vez os médicos estavam tendo o real poder de curar. 
Uma das formas de uma bactéria se adaptar é quando um plasmídeo se 
conecta a outras bactérias e uma cópia do DNA é transferida, possibilitando o 
novo DNA de impor uma nova fonte de alimento ou energia. Este processo é 
compartilhado com outras bactérias, podendo ocorrer em menos de uma hora. 
As bactérias são muito individualizadas em relação ao que fazem e como vivem. 
Concluo que mesmo que uma pequena parte das bactérias nos faça mal, 
elas são essenciais para a nossa sobrevivência, pois ajudam na produção de 
nossos alimentos e medicamentos, em processos do nosso corpo e também 
estão presentes em produtos de limpeza. Elas possuem grande importância na 
nossa história, tanto na área médica, pois as doenças que mais mataram na 
história são causadas por bactérias, como por exemplo, a peste bubônica, 
cólera, TIFO e a tuberculose. Os vídeos também apontam que a partir da 
descoberta das bactérias os médicos puderam as estudar melhor, conhecer as 
origens de diversas doenças e desenvolver formas de combatê-las. 
Os antibióticos, apesar de serem um grande avanço na medicina, pode 
trazer desvantagens, como por exemplo quando um paciente toma muitos 
antibióticos, por motivos devidos e indevidos, as bactérias no seu corpo 
desenvolvem uma maior resistência se tornando mais difíceis de serem 
combatidas. Hoje em dia os porcos também estão ingerindo antibióticos, não 
apenas para o combate de doenças, mas também para o crescimento, além 
disso os antibióticos também são pulverizados em vegetais. 
Há pessoas que acreditam que a disseminação fará algo além de 
selecionar os organismos mis resistentes, tendo por trás disso razões 
econômicas, mas n um futuro próximo todos iremos pagar o preço de tal uso 
indiscriminado dos antibióticos, deixando de serem uteis para o combate de 
doenças. 
 Muito se sabe, se estuda e se estudou, mas ainda há muito a que se 
pesquisar e estudar sobre as bactérias e seu infindável mundo desconhecido 
ainda.