A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
36 pág.
013 - Prevencao de Lesao por Pressao em Pacientes Adultos

Pré-visualização | Página 1 de 9

D
ir
e
tr
iz
e
s 
C
lí
n
ic
a
s 
P
ro
to
co
lo
s 
C
lí
n
ic
o
s 
013 
Prevenção de lesão por 
pressão em pacientes adultos 
Elaboração: 12/09/2019 
 
 
Responsáveis / Unidade 
Cynthia Carolina Duarte Andrade– Enfermeira | CPC/DIRAS 
Ana Cristina – Enfermeira 
João Antonio Deconto - Gestão de Serviços de Saúde | Acadêmico CPC –DIRASS 
Laura Letícia Perdigão Guerra | Acadêmica CPC - DIRASS 
 
 
Colaboradores 
Glaúcia Gonçalves | Enfermeira | Farmácia – MOV 
Sônia Marcia Silva – Enfermeira - HEM 
 
 
Validadores 
 
 
 
Revisores de edição 
Guilherme Freire Garcia – Médico – CPC - DIRASS 
Aline Borges Penna- Enfermeira – Hospital das Clínicas - UFMG 
Carlos Henrique Silva Tonazio – Enfermeiro – HPM MG 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Disponível em www.fhemig.mg.gov.br 
e intranet. 
 
 
 
 Pág. 2 
 
INTRODUÇÃO / RACIONAL 
Lesão por pressão (LP) é um dano localizado na pele e/ou tecidos moles subjacentes, 
geralmente sobre uma proeminência óssea ou relacionada ao uso de dispositivo médico ou 
a outro artefato. A lesão pode se apresentar em pele íntegra ou como úlcera aberta e pode 
ser dolorosa. A lesão ocorre como resultado da pressão intensa e/ou prolongada em 
combinação com o cisalhamento. A tolerância do tecido mole à pressão e ao cisalhamento 
pode também ser afetada pelo microclima, nutrição, perfusão, comorbidades e pela sua 
condição.1 
 
No cenário científico, LP não é uma temática recente. Sabe-se que ela afeta um elevado 
número de pacientes internados, está associada com o aumento do tempo de internação e 
da carga de trabalho para enfermagem, maior morbi-mortalidade dos pacientes e aumento 
de custos para os sistemas de saúde.2 De acordo com a Wound Ostomy and Continence 
Nurse Society (WOCN) a maioria das LP são evitáveis por meio da implementação de 
medidas preventivas. Os altos índices de LP, principalmente em populações de risco 
representa grande desafio aos profissionais da saúde na implementação de ações 
preventivas e de utilização dos avanços tecnológicos para o tratamento.3 Contudo, a 
incorporação das melhores recomendações na prática assistencial depende de uma forte 
liderança e do trabalho em equipe além da interação com aspectos educacionais e 
gerenciais.4 
 
A LP, como um indicador de qualidade do cuidado e um evento adverso, representa um 
desafio para a qualificação da assistência.5 Sua prevenção é uma das metas prioritárias do 
Programa Nacional de Segurança do Paciente que foi instituído pelo Ministério da Saúde, 
em abril de 2013, através da portaria nº 529.6 Dos 134.501 incidentes notificados ao Sistema 
Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS) no período de janeiro de 2014 a julho de 2017, as 
LP foram o terceiro tipo de evento mais notificado pelos Núcleos de Segurança do Paciente 
(NSP), contabilizando 23.722 (17,6%) notificações. Dentre os 3.771 never events estimados, 
2.739 (72,6%) foram decorrentes de LP estágio 3 e 831 (22,0%), resultantes de lesão por 
pressão estágio 4. Dos 766 óbitos notificados, 34 pacientes foram a óbito devido à lesão por 
pressão.7 No cenário internacional a prevalência varia de 5,0 a 23,0% e a incidência de 2,7 a 
7%.8,9,10,11,12 
 
Diante da magnitude do problema relacionado à LP, a implementação de práticas 
assistenciais preventivas baseadas nas evidências científicas visa minimizar a ocorrência e 
os danos decorrentes desse evento nos serviços de saúde. A utilização de protocolos e 
diretrizes pode valorizar a prevenção; incentivar o trabalho em equipe e incorporar 
segurança e qualidade à assistência prestada ao paciente. 
PALAVRAS CHAVE 
Lesão por pressão. Prevenção. 
 
 
 
 
 
 Pág. 3 
 
OBJETIVOS 
Objetivo Geral 
 
Fornecer recomendações baseadas em evidências para a prevenção de LP a serem 
implementadas por profissionais de saúde nas unidades assistenciais da Fundação 
Hospitalar de Minas Gerais. 
 
Objetivos Específicos 
 
1. Fornecer conhecimentos científicos embasados nas evidências atuais; 
2. Desenvolver habilidades e atitudes dos profissionais de saúde relacionados à 
prevenção da LP; 
3. Proteger os pacientes susceptíveis, conforme a Escala de Braden; 
4. Sistematizar a assistência aos pacientes adultos admitidos e internados, com risco de 
desenvolvimento de LP; 
5. Identificar os pacientes internados com risco de desenvolver LP; 
6. Identificar precocemente as LP em estágios iniciais; 
7. Monitorar e reduzir a ocorrência de LP. 
POPULAÇÃO ALVO 
Pacientes adultos internados nas unidades hospitalares da Fundação Hospitalar de Minas 
Gerais (FHEMIG). 
UTILIZADORES POTENCIAIS 
Equipe Multiprofissional. 
METODOLOGIA 
Realizado buscas nas principais bases de dados LILACS, PUBMED. Foram consultados os 
sumários do DYNAMED e o Consenso da National Pressure Ulcer Advisory Panel (NPUAP) 
European Pressure Ulcer Advisory Panel (EPUAP) Pan Pacific Pressure Injury Alliance 
(PPPIA) publicado em 2014 como base para a construção deste protocolo. 
Conforme o consenso da NPUAP, EPUAP e PPPIA, as recomendações que fundamentam 
esse protocolo foram classificadas conforme GRADE e atribuídas uma “força de evidência”, 
a saber: 
- Força de evidência A: recomendação apoiada em ensaios controlados que abordam 
humanos com LP ou em risco de adquiri-las. (Estudos nível 1) 
- Força de evidência B: recomendação apoiada em série clínica implementada em 
humanos com LP ou em risco de adquiri-las. (Estudos nível 2,3,4 e 5) 
https://npuap.org/
 
 
 Pág. 4 
 
- Força de evidência C: recomendação apoiada por evidências indiretas (estudos 
realizados em animais ou em humanos saudáveis ou com feridas de outras etiologias e / ou 
opinião de especialistas. 
RECOMENDAÇÕES E PRINCIPAIS EVIDÊNCIAS 
- Todos os pacientes em risco de LP devem ser reposicionados, exceto se existir alguma 
contra-indicação, como por exemplo condição clínica grave. (Força de Evidência = A); 
- Para definir a frequência de reposicionamento, considere a superfície de suporte de 
redistribuição de pressão em uso (Força da Evidência = A); 
- Educar os profissionais de saúde sobre como realizar uma avaliação da pele de maneira 
que identifiquem a resposta de branqueamento, calor localizado, edema e endurecimento. 
(Força de Evidência = B); 
- Fornecer / encorajar pacientes com risco de LP a tomar vitamina e suplementos quando a 
ingestão alimentar for pobre ou deficiente. (Força da Evidência = B) Conforme orientações 
do nutricionista. 
- Fornecer / encorajar um indivíduo com uma LP a consumir uma dieta balanceada que 
inclua boa fontes de vitaminas e minerais. (Força da Evidência = B) Conforme orientações 
do nutricionista. 
- Estabelecer um limite máximo de tempo para o paciente permanecer sentado na cadeira 
sem alívio de pressão (Força da Evidência = B); 
- O uso de espuma de poliuretano em proeminências ósseas para prevenir LP em áreas 
anatômicas sujeitas a fricção e cisalhamento pode ser considerado, conforme as 
peculiaridades do paciente. (Força de Evidência = B). 
- Utilizar as taxas relativas a lesões por pressão adquiridas em instituições de saúde (em 
vez de taxas de prevalência) para avaliar programas de prevenção das lesões por pressão. 
(Força da Evidência = C); 
- Apresentar os resultados dos estudos de prevalência e incidência com base no nível de 
risco das lesões por pressão. (Força da Evidência = C); 
SIGLAS 
FHEMIG: Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais 
LP: Lesão por Pressão 
NPUAP: National Pressure Ulcer Advisory Panel 
EPUAP: European Pressure Ulcer Advisory Panel 
PPPIA: Pan Pacific Pressure Injury Alliance 
LPTP: Lesão por Pressão Tissular Profunda 
SNVS: Sistema Nacional de Vigilância Sanitária 
DILP: Diretrizes Internacionais sobre a Lesão por Pressão 
DAI: Dermatite Associada à Incontinência 
 
 
 Pág. 5 
 
WOCN: Wound Ostomy and Continence Nurse Society 
MATERIAL / PESSOAL NECESSÁRIO 
MATERIAL NECESSÁRIO 
1. Agente de limpeza com pH equilibrado;; 
2. Hidratante