A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
52 pág.
RESUMÃO PARASITO

Pré-visualização | Página 1 de 16

PARASITOLOGIA 
HUMANA 
 
 
 
 
 
 
Camilla Costa Ribeiro - MED 110 
 
 
 
Camilla de Themyscira, filha de Hipólita. MED 110 UFJF 
 
 
SUMÁRIO 
 
1. Helmintoses 
1.1. Ascaridíase……………………………………………..…………………………………...3 
1.2. Larva migrans visceral e ocular……………………...….…………………………………6 
1.3. Ancilostomose………………………………………........…………………………………9 
1.4. Enterobíase.……………………………………………....………………………………..12 
1.5. Tricuríase…………………………………………………………………………………...14 
1.6. Estrongiloidíase…………………………………………………………………………….15 
1.7. Oncocercose………………………………………………………………………...……..18 
1.8. Filariose linfática…………………………………………………………………………....20 
1.9. Hidatidose……………………………………………….…………………………………..22 
1.10. Teníase……………………………………………….…………………………………….24 
1.11. Esquistossomose…………………………………...…………………………………….28 
2. Protozooses 
2.1. Toxoplasmose………………………………….………………………………….………..30 
2.2. Amebíase...……………………………….…………………….………………..……….…34 
2.3. Tricomoníase……………………………………………….……………………...………..39 
2.4. Giardíase………………………………….……………………………….………..……….41 
2.5. Doença de Chagas………………………………….…………………………….………..44 
2.6. Leishmaniose………………………………….………………………………..….……….47 
(Por Pedro Medeiros) 
2.7. Balantidíase..……………………………….………………………………………...……..49 
(Por Pedro Medeiros) 
2.8. Malária……………………………….……………………………….……………………...50 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
2 
 
Camilla de Themyscira, filha de Hipólita. MED 110 UFJF 
 
1.1 Ascaridíase 
Professora Elaine 
 
- Parasitos de interesse médico, de acordo com a classificação morfológica: 1) 
helmintos; 2) protozoários; 3) ectoparasitos 
- Helmintos são os únicos vistos a olho nu na fase adulta 
- Ectoparasitos habitam superfície externa do corpo (pulga, carrapato, etc) 
 
HELMINTOS 
- Morfologia: podem ser cilíndricos; achatados; segmentados 
 
Nematelmintos (filo) 
- Cilíndricos 
- Tamanho variado 
- Geralmente apresentam dimorfismo sexual (diferença entre macho e fêmea) 
- Corpo não segmentado (diferentemente dos platelmintos) 
- Tubo digestório completo 
 
Ascaris lumbricoides 
- Mais frequente das helmintíases humanas 
- DTN = Doenças Tropicais Negligenciadas; São 13: 7 helmintoses, 3 protozooses, 3 
bactérias (na literatura recente, já consideram 17, incluindo também, por exemplo, a 
dengue) 
- DTA = Doenças Transmitidas por Alimentos (foodborne disease) 
- Ascaridíase afeta 41,7mi de pessoas no Brasil (dado de 2008) 
 
Vermes adultos: 
- Nome popular: lombriga 
- Hábitat: intestino delgado, principalmente jejuno e íleo 
- Morfologia: verme cilíndrico, com dimorfismo sexual - machos são menores (15 a 
35cm), tem extremidade distal dorso-frontalmente curvada (o rabinho é enrolado) e 
possuem espícula (órgão sexual); fêmeas tem de 35 a 40cm 
- Reprodução: fêmeas são fecundadas repetidamente 
- Anatomia: porção anterior possui boca com três lábios 
porção posterior do macho apresenta duas espículas e é curvada 
ventralmente 
 
Ovos: 
- Ovo fértil = fecundado; É redondo e envolto por uma membrana, chamada 
membrana mamilonada (formada por mucopolissacarídeos e secretada pela parede 
uterina) 
- Ovo infértil = não fecundado; É alongando e também envolto pela membrana 
mamilonada 
- Ovo decorticado = pode ser fértil ou infértil, mas SEM a membrana mamilonada (a 
imagem microscópica é bem característica, tem um espaço sem coloração entre a 
3 
 
Camilla de Themyscira, filha de Hipólita. MED 110 UFJF 
 
borda e o ovo em si) 
**Somente ovos férteis poderá ser embrionado (no ambiente) 
- Ovos tem 3 membranas (externa=mamilonada; média constituída de quitina e 
proteína; interna lipídica e ¼ proteica) e isso os torna muito resistentes 
- Desenvolvimento embrionário: duração de 15 dias; condições: ambiente com 
temperatura de 25ºC a 30ªC, com 70% de umidade e com 75% de oxigenação 
- Ciclo biológico: geohelmintose; seu ciclo de vida inclui, obrigatoriamente, uma fase 
no solo 
- Fêmea elimina cerca de 200.000 ovos/dia 
 
Ciclo biológico: 
Ovos eliminados pelas fezes -> embriogênese no solo (L1, L2) -> forma infectante = ovo 
com L3 -> ingestão de ovos com L3 por meio de água e alimentos contaminados ou má 
higiene pessoal -> estômago -> no intestino delgado, ovo eclode e larva sai -> circulação -> 
fígado -> coração -> pulmão (L4) -> alvéolos (L5) -> lúmen (ciclo de Loss); larvas chegam 
no pulmão e amadurecem em 15 dias; pulmão -> traqueia -> laringe -> deglutição 
(estômago->intestino) -> vermes adultos vão para o intestino delgado, onde se reproduzem 
-> fêmea faz postura de ovos -> ovos eliminados pelas fezes do hospedeiro 
*Esse ciclo tem a duração de dois meses 
 
- Dentro do ovo se forma L1; após uma semana, torna-se L2; a forma infectante é a 
L3. 
- Período pré-patente: da infecção à identificação; 2 meses 
- Período de incubação: da infecção aos primeiros sintomas 
- Para identificação, é preciso que tenha ocorrido todo o ciclo embrionário 
- Não ocorre autoinfecção 
- Ovos embrionados podem ser transmitidos por água e alimentos 
- Veículos mecânicos: insetos, aves 
- Outra forma de infecção: contaminação do depósito subungueal 
- São monoxenos, ou seja, possuem apenas um hospedeiro 
- Ovos tem grande capacidade de aderência a superfícies; não são retirados 
facilmente 
 
Sintomatologia 
- Depende da carga parasitária e do hospedeiro 
- Poucos vermes: poucas alterações clínicas e sintomas inespecíficos 
- Sintomas surgem a partir de +- 30 vermes 
a) Larvas 
- Alterações hepáticas: pontos hemorrágicos e pontos de necrose que se tornam 
fibrosados após algum tempo 
- Alterações pulmonares: quadro pneumático (febre, tosse, muco sanguinolento, 
dispneia, eosinofilia; esse conjunto de sinais denomina-se síndrome de Loeffler) 
devido a migração das larvas pelos alvéolos 
 
b) Vermes adultos 
- Ação tóxica: manifestações alérgicas (edema, urticária, etc) 
4 
 
Camilla de Themyscira, filha de Hipólita. MED 110 UFJF 
 
- Ação espoliadora: subnutrição; parasito consome macronutrientes e vitaminas A e C 
- Ação mecânica: irritação na parede e podem enovelar-se na luz intestinal, causando 
obstrução 
*Obstrução intestinal é a mais comum das complicações agudas (¾) 
*Localizações ectópicas: quando o parasito está alojado em outros locais que não o 
intestino delgado, como vesícula biliar, apêndice, etc. Parasito pode ser eliminado pelo 
nariz, boca, olhos, ouvido. A esse verme dá-se o nome “ascaris errático”. 
 
Manifestações clínicas 
- Fase pulmonar: tosse, muco, febre 
- Fase intestinal: obstrução, náuseas, fraqueza 
- Fase ectópica: varia de acordo com o local 
Comum a todas as fases: manchas brancas na pele (devido a avitaminose A e C) 
- Resposta imune humoral (TH2); aumento de eosinófilos 
 
Diagnóstico 
a) Clínico 
- A partir dos sintomas 
 
b) Laboratorial 
I. O exame ideal/padrão é o EPF:HPJ, ou seja, um exame parasitológico das fezes 
utilizando o método de Hoffman, Pons e Janer (método da sedimentação 
espontânea das fezes; deixar fezes em repouso em recipiente transparente e 
esperar a sedimentação dos ovos de A. lumbricoides, que podem ser vistos 
microscopicamente) 
II. Exame macroscópico, com os vermes adultos 
 
*Também é possível realizar o diagnóstico por meio de exame de imagem (radiografia, 
endoscopia, ultrassom), contudo, esse não é o método mais adequado/ideal devido as suas 
limitações 
 
Tratamento 
- Albendazol: 400mg - dose única 
- Mebendazol: