A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Potenciais de ação nos músculos esqueléticos e cardíacos

Pré-visualização | Página 1 de 1

1 
 
 
 
 
 
 
 Músculo esquelético Miocárdio contrátil Miocárdio autoexcitável 
Potencial de 
membrana 
Estável a -70 mV Estável a -90 mV 
Potencial marca-passo 
instável 
Normalmente começa em -
60 mV 
Eventos que levam 
ao limiar do 
potencial 
Entrada resultante de 
sódio através dos canais 
dependentes de ACh 
A despolarização entra via 
junções comunicantes 
Entrada resultante de sódio 
através dos canais If 
Reforçada pela entrada de 
cálcio 
Fase de ascensão 
do potencial de 
ação 
Entrada de sódio Entrada de sódio Entrada de cálcio 
Fase de 
repolarização 
Rápida 
Causada pelo efluxo de 
potássio 
Prolongamento do platô, 
causado pela entrada de 
cálcio 
Fase rápida, causada pelo 
efluxo de potássio 
Rápida 
Causada pelo efluxo de 
potássio 
Hiperpolarização 
Devido ao efluxo 
excessivo de potássio 
durante a alta 
permeabilidade ao 
potássio 
Quando os canais de 
potássio se fecham, o 
vazamento de potássio e 
sódio restaura o 
potencial para o estado 
de repouso 
Nenhuma 
O potencial em repouso é de 
-90 mV, o potencial de 
equilíbrio do potássio 
Normalmente nenhuma 
Quando a repolarização 
atinge -60 mV, os canais If se 
abrem novamente 
A ACh pode hiperpolarizar a 
célula 
Duração do 
potencial de ação 
Curta: 1 a 2 ms Prolongada: +200 ms 
Variável 
Geralmente + 150 ms 
Período refratário Geralmente curto 
Longo, uma vez que a 
restauração dos portões dos 
canais de sódio persiste até o 
fim do potencial de ação 
Não é significante na função 
normal 
Potenciais cardíacos 
BIANCA LOUVAIN 
 
 
2 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fonte: Silverthorn, 7ª edição.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.