A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
Farmacologia

Pré-visualização | Página 1 de 6

Unidade 1 - Bases Farmacológicas e 
Fitoterápicas 
Medicamentos: é toda a substância ou associação 
de substâncias que possuem propriedades 
curativas ou preventivas de doenças ou de seus 
sintomas, que possa ser utilizada no ser humano 
visando determinar um diagnóstico médico ou a 
fim de restaurar, corrigir ou modificar funções 
fisiológicas, garantindo mais benefícios ou não 
conferindo nenhum prejuízo à saúde humana. 
 
A principal diferença entre medicamento e 
remédio é a seguinte: 
 
Remédio está associado a todo e qualquer tipo de 
cuidado que visa curar ou aliviar doenças, 
sintomas, desconforto e mal-estar, podendo ser 
desde hábitos alimentares saudáveis, chás até 
massagens. 
 
Medicamentos são substâncias ou preparações 
elaboradas em farmácias ou indústrias, que 
devem seguir determinações legais de segurança, 
eficácia e qualidade e devem ser prescritas 
exclusivamente por médicos ou farmacêuticos. 
 
Todo medicamento é um remédio, mas nem todo 
remédio é um medicamento. 
 
Classificação: 
Genérico: é mais barato por se tratar de uma 
fórmula já pronta, não sendo necessárias 
pesquisas e investigações. 
 
Similar: medicamento que difere apenas em suas 
características externas como: tamanho, forma, 
lote, validade, embalagem, rotulagem. 
 
Manipulado: feito artesanalmente, podendo ser 
mais individualizado. 
 
Fitoterápico: medicamento em que se utiliza 
apenas princípios ativos de origem vegetal. 
 
Homeopático: são medicamentos dinamizados 
preparados com base nos fundamentos da 
homeopatia. 
 
Formas farmacêuticas e suas classificações 
Forma farmacêutica é o estado final que os 
medicamentos apresentam depois de serem 
submetidos às operações farmacêuticas 
necessárias. A forma farmacêutica deve ser 
escolhida de modo a facilitar a sua administração, 
garantir a precisão da dose, proteger a substância 
durante o percurso pelo trato gastrointestinal, 
garantir a presença no local de ação e obter o 
maior efeito terapêutico desejado. 
 
Via de administração 
É a via de acesso do medicamento ao organismo 
 
Importância da embalagem, do rótulo e da bula 
dos medicamentos 
A indústria responsável pelo medicamento tem 
obrigação legal de prestar todas as informações 
necessárias para o uso adequado e os possíveis 
problemas e cuidados relacionados ao produto, de 
acordo com as regras estabelecidas por resoluções 
publicadas pela Anvisa. 
 
Substância ativa: que é a parte 
farmacologicamente ativa de uma determinada 
forma farmacêutica. 
Quando há mais do que uma substância ativa, ela 
é dividida em: base, substância ativa de maior 
atividade farmacológica; e adjuvante (s), que é a 
outra substância ativa que vai complementar ou 
reforçar a ação de base. 
Já o veículo é a parte da forma farmacêutica que 
lhe confere a forma e o volume, e que confere ao 
preparado uma maior estabilidade física. Não tem 
ação farmacológica. Pode ser o excipiente que se 
destina a dar forma, e a aumentar o volume da 
forma farmacêutica até lhe dar um valor 
manuseável. O veículo intermédio é o que vai 
conferir à forma farmacêutica uma maior 
estabilidade física. 
 
O corretivo é uma substância que muda as 
características organolépticas e visuais da forma 
farmacêutica. Os edulcorantes são considerados 
corretivos, pois conferem um sabor agradável à 
preparação, e os corantes, por conferirem cor. 
 
Biodisponibilidade x Biotransformação 
Farmacocinética: descreve as etapas que a droga 
sofre desde a administração até a excreção, que 
são: absorção, distribuição, biotransformação e 
excreção. 
Farmacodinâmica: é o campo da farmacologia que 
estuda os efeitos fisiológicos dos fármacos no 
meio biológico, seus mecanismos de ação e a 
relação entre concentração do fármaco e efeito 
 
 
 
A farmacocinética inicia com a via de 
administração do fármaco. A forma de 
administração dos medicamentos depende da 
rapidez com que se deseja a ação da droga, da 
natureza e quantidade da droga. 
O princípio ativo só exerce seu efeito 
farmacológico a nível tecidual depois de ter sido 
transportado para o sangue. 
A absorção é a primeira fase da farmacocinética e 
assegura sua entrada no sangue, que o conduzirá 
aos diferentes tecidos e órgãos. A velocidade e a 
eficiência dessa absorção vão depender das 
características químicas e da via de administração 
do fármaco. 
 
Etapas da farmacologia: 
1ª – Biodisponibilidade: Alguns fatores podem 
interferir na biodisponibilidade, como: 
metabolismo hepático de primeira passagem, 
solubilidade do fármaco; instabilidade química; 
natureza da formulação do medicamento e fatores 
individuais. 
 
2ª – Distribuição: quando o fármaco deixa o leito 
vascular e entra no interstício (líquido 
extracelular) e, então, nas células dos tecidos. Essa 
entrada depende do débito cardíaco, do fluxo de 
sangue, da permeabilidade capilar, do volume do 
tecido, do grau de ligação do fármaco às proteínas 
plasmáticas e tissulares e da lipofilicidade relativa 
do fármaco. 
 
3ª – Biotransformação: A biotransformação 
hepática de drogas envolve dois tipos de reações 
bioquímicas, as reações de fase I e de fase II. 
 
Fase I: Reações de fase I – São reações de 
oxidação, redução ou hidrólise, e, 
formando produtos mais reativos 
quimicamente, entretanto, essas reações 
químicas podem resultar na inativação de 
um fármaco. É nesta fase que alguns 
medicamentos podem se tornar tóxicos ou 
carcinogênicos. 
 
Fase II: As reações de fase II envolvem a 
conjugação que, normalmente, resulta em 
compostos inativos e facilmente 
excretáveis. 
 
4ª – Eliminação: que é responsável pela remoção 
de um fármaco do organismo humano. Depuração 
ou clearance (ou renal clearance) é a remoção 
completa de um soluto ou substância de um 
volume específico de sangue na unidade de tempo 
pelo rim. 
 
Introdução à Fitoterapia 
Pode ser chamado de medicamento fitoterápico, 
medicamento farmacêutico obtido por processos 
tecnologicamente adequados, empregando-se 
exclusivamente matérias primas vegetais, com 
finalidade profilática, curativa, paliativa ou para 
fins de diagnóstico. Para elaborar um fitoterápico 
de qualidade é fundamental dar atenção à 
matéria-prima que será utilizada. 
 
Os “princípios ativos vegetais” são os princípios 
ativos de um medicamento fitoterápico, cuja ação 
farmacológica é conhecida e responsável, de 
forma total ou parcial, pelos efeitos terapêuticos 
do medicamento fitoterápico. 
 
 
Extração de substâncias: 
Para obter o princípio ativo de uma planta é 
necessário o processo extrativo, que visa a 
retirada desses compostos dentro de determinada 
planta, por meio de um solvente, obtendo-se 
formas terapêuticas mais convenientes ao 
manuseio e à manipulação. 
A extração correta do princípio ativo da planta, a 
forma farmacêutica e a via de acesso são 
fundamentais para definir a eficácia dos 
medicamentos fitoterápicos. 
 
Unidade 2 - Ação dos fármacos sobre 
os nutrientes e o estado nutricional 
 
Interação droga x nutriente 
Quando se administra um fármaco por via oral, sua 
absorção pelo tubo gastrintestinal e, 
consequentemente, sua concentração sanguínea 
são dependentes de vários fatores conforme 
tabela 1: 
 
 
 As interações físico-químicas são reações 
entre um ou mais fármaco e um nutriente e/ou 
composto alimentar. 
 As interações fisiológicas são induzidas por 
medicamentos que vão interferir no apetite, 
na digestão, no esvaziamento gástrico, na 
biotransformação e na excreção. 
 As interações patológicas ocorrem quando os 
fármacos diminuem a absorção e/ ou inibem o 
processo metabólico de nutrientes. 
 
A administração de medicamentos em conjunto 
com alimentos (no horário de refeições) pode ter 
efeito positivo ou negativo em relação à absorção 
da droga e dos nutrientes sobre o trato 
gastrintestinal. Esta oferta simultânea ocorre por 
três razões fundamentais: 
1. possibilidade de aumento da sua absorção da 
droga; 
2. redução no efeito irritante de alguns fármacos 
sobre a mucosa gastrintestinal; e 
3. auxilio no cumprimento da terapia,