A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Nutrição e Cirurgia

Pré-visualização | Página 1 de 1

Slides- Tóp. Esp. Doenças Hipermetabólicas 
 
Nutrição e Cirurgia 
Desnutrição Protéico Calórica Pós-operatória 
causas: 
 Ingestão Via Oral 
 Catabolismo Nitrogenado 
 Desnutrição Pré-operatória 
 Complicações Pós-operatórias 
 Morbi - Mortalidade Pós-operatória 
 
Com a depleção proteica ocorre a perda gradativa 
de: 
 Massa muscular: estriada; 
 Proteína visceral: albumina, transf. transporte 
prot.; 
 Resposta imune: linfócitos, leucócitos, 
 Complementos, anticorpos, prot. de fase aguda; 
 Cicatrização: resposta ao trauma; 
 Função orgânica 
 Morte: 70% do nitrogênio corpóreo 
 
A desnutrição aumenta a morbi-mortalidade pós-
operatória 
Procedimentos cirúrgicos podem proporcionar 
desnutrição global ou específica 
A prevenção, reconhecimento e tratamento da 
desnutrição podem prevenir complicações no pós-
operatório imediato ou tardio 
Por esses motivos é necessário realizar a triagem 
nutricional!! 
 
Existe benefício nutricional e clinico para pacientes 
desnutridos graves? 
Nos pacientes desnutridos moderados o benefício 
da TN pós-op. Diminui o risco de complicações 
infecciosas. 
TN pós-operatória está justificada em pacientes 
não desnutridos, sem ingestão VO por mais de 5 
dias 
Em pacientes não desnutridos a NPT pós-op não 
apresenta vantagens clinicas frente a reposição 
glico hidroeletrolítica convencional 
Recomenda-se iniciar TNE em até 3 dias em 
indivíduos desnutridos 
 
É possível predizer a deiscência abdominal pós-
operatória? 
40 pac c/ deiscência abdominal X 40 controle 
Fatores significantes: Hipoproteinemia, náuseas, 
vômitos, febre, infecção da cicatriz, distensão 
abdominal, material de sutura, 2 ou + drenos 
abdominais, experiência do cirurgião 
Fatores não significantes: cir. Emergência, 
icterícia, ostomia, NPT, ascite, morbidade 
pulmonar, doença coexistente, anemia, leucocitose, 
tipo de incisão 
 
Terapia Nutricional 
 Precoce - Evitar complicações imediatas 
relativas ao procedimento 
 Tardia - Prevenir e tratar complicações tardias 
referentes ao procedimento 
 
O momento do início da TN modifica a evolução? 
NE precoce relaciona-se com < resposta catabólica 
e > força da cicatriz 
Não há estudos que demonstrem a eficácia da NE 
precoce no paciente cirúrgico eletivo 
Em trauma há indicação da NE precoce 
 
Vantagens e Desvantagens? 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Desvantagem: 
 Risco inerente à técnica de NPT: 
 Complicações com cateter? 
 Complicações metabólicas 
 Custo-benefício? 
 
Complicações metabólicas da nutrição parenteral: 
  Glicemia (Glicosúria), 
 Bilirrubina 
 TGO/TGP/FA, 
 Acidose/Alcalose 
 Albumina, 
 Sobrecarga de Volume 
  Triglicerídeos 
  Fosfato 
  Potássio 
  Sódio 
  Cloro 
  Magnésio 
  Cálcio 
 Amônia 
Revisão 
 NE NPT 
Custo - + 
Segurança = = 
Complicações sépticas - + 
Translocação - sim 
 
Slides- Tóp. Esp. Doenças Hipermetabólicas 
 
 
NE precoce X NPT 
Conclusão: 
Pacientes cirúrgicos internados em UTI, o 
PANDORA * esteve associado à mortalidade e foi 
comparável ao APACHE II * para predição de 
mortalidade em 30, 90 e 180 dias após o início do 
tratamento. Estudos prospectivos são necessários 
para avaliar se o suporte nutricional, estratificado 
pelos escores da PANDORA, pode melhorar os 
desfechos em pacientes cirúrgicos da UTI. 
 
PANDORA = Avaliação de riscos relacionados a 
nutrição no paciente cirúrgico crítico – Score de 
avaliação – Score preditor de mortalidade. 
APACHE = Score de risco de mortalidade em UTI 
 
Convencionalmente: 
 Anastomoses intestinais - RHA e eliminação 
de gases 
Trabalhos controlados e randomizados, e 
metanálises 
 Retorno TN precoce após a cirurgia, 24 a 48 hs 
pós cirurgia 
 Lassen et al, 2005 - Estudo randomizado: 
Realimentação por via oral 24hrs pós-
operatório (via oral e jejunal) x tempo de alta 
hospitalar, complicações pós cirúrgicas 
 Laffitte et al, 2015 – Segurança na 
realimentação precoce gastrectomia. 
 
Projeto Acerto 
Baseado em evidências e condutas práticas, 
apoiada em protocolos multimodais 
Aceleram a Recuperação: 
 Informação no pré cirúrgico, 
 Nutrição peri – operatória 
 Prevenção de náuseas e vômitos, 
 Prevenção de íleo 
 Abreviação jejum pré-operatório 
 Retorno precoce a dieta 
 Sono adequado 
 
Terapia Nutricional Perioperatória 
 Realizar triagem, até 24 hs da internação; 
Avaliação nutricional e prescrição de dieta 
imunomoduladora 
 A ASG é padrão ouro para condição nutricional 
perioperatória. 
 Informar sobre a importância da adesão ao tto 
nutricional no pré-operatório 
 Intervenção nutricional imediata (oral 
/parenteral) com formulas hiperptn, de 5 a 7 
dias antes da cirurgia – de 500 a 1000ml - para 
os de RISCO NUTRICIONAL 
 Iniciar 14 dias antes da cirurgia dieta hiperptn 
– para os DESNUTRIDOS GRAVES 
 Dieta imunomoduladora para reduzir as 
complicações, e morbimortalidade 
 Parenteral somente em casos de 
impossibilidade da via digestiva 
 Iniciar TN após 24 hs de cirurgia e em 
estabilidade hemodinâmica 
 
Recomendações: 
Atualizar o conhecimento, alinhando os avanços e 
evidências mais atuais do tratamento nutricional, 
assegurando o bem-estar e a recuperação do 
paciente, minimizando a morbimortalidade 
hospitalar.