A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Nutrição e saúde bucal

Pré-visualização | Página 1 de 2

Boca 
Anatomicamente: a boca possui delimitações laterais que são as bochechas, anterior com 
os lábios, superior com o palato e inferior com as partes moles. 
 
Função: colaborar com a mastigação, deglutição, na articulação da palavra e no controle 
do paladar. 
 
 
 
Secreção salivar: A secreção ocorre com a estimulação de certas zonas da região pré-
motora do córtex cerebral (centro da mastigação) e do hipotálamo (controle neural: 
simpático e parassimpático). 
 
Função da saliva: tornar a boca úmida, auxiliar na articulação da palavra e na limpeza 
bucal, atuar como um fator regulador do equilíbrio hídrico, auxiliar na lubrificação dos 
alimentos, servir de solvente para moléculas que estimulam os botões gustativos. 
 
Mastigação: os dentes cumprem a função de romper as partículas dos alimentos antes que 
sofram mudanças químicas através do sistema digestório. O processo facilita a deglutição, 
diminuindo as partículas e lubrificando-as. 
 
Alterações na cavidade oral 
CÁRIE DENTARIA: 
É uma doença destrutiva pós erupção localizada nos tecidos calcificados dos dentes. A 
placa é composta de uma massa incolor e espessa de microrganismos, proteínas salivares 
e polissacarídeos que aderem aos dentes e gengivas. Ela abriga bactérias formadoras de 
ácido, o processo cardiogênico começa com a produção desses ácidos. 
A placa se combina com cálcio e endurece, formando tártaro ou cálculo, irritando também 
a gengiva e podendo desenvolver doença periodontal. 
 
Fatores relacionados a cariogenicidade 
 Alimentos cariogênicos: alta ingestão de carboidrato e tempo de permanência na 
boca. As bactérias metabolizam os HC fermentáveis, produzem ácidos e diminuem 
o Ph. 
 Alimentos cariostáticos: proteínas. Não são metabolizados pelo organismo da placa. 
 Líquidos: mecanismo de limpeza 
 Fibra: importante para limpeza 
 Consistência: a dieta liquida é menos cariogênica, pois tem menor tempo de 
retenção e de aderência. 
 Sequência e combinação dos alimentos: influenciam na cariogenicidade. 
 Higienização: ela inadequada é um dos grandes fatores de surgimento. 
 Aderência à superfície dos dentes 
 Substrato: adequado para o metabolismo bacteriano e dente suscetível 
 
 Prevenção e conduta dietoterápica: 
 Glicídios: normo a hipoglicidica, sem concentração de dissacarídeos, principalmente 
sacarose. 
 Protídeos: hiper, para restauração das células epiteliais e por ter função cariostática 
 Lipídios: normo tendendo a hiper, por ter função cariostática e colaboram com a 
lubrificação da cavidade. 
 Vitaminas: destaque vit A (reepitelização), vit D (absorção de cálcio e fósforo), 
complexo B (metabolismo de macronutrientes), folacina (suprimento sanguíneo) e vit 
C (sítese de colágeno) 
 Liquidos: hiper-hidrica, para facilitar hidratação e limpeza 
 Fibras: hiper, com destaque para celulose (elemento de limpeza e de irrigação) 
 
GENGIVITE: 
Processo inflamatório agudo ou subagudo ou crônico ou recidivante, necrotizante e 
hemorrágico. 
 
Tratamento 
Baseia-se na eliminação de fatores sistêmicos subjacentes, antibióticos de aplicação 
sistêmica, antissépticos orais oxigenantes, analgésicos, antitérmicos, repouso e conduta 
dietoterápica. 
 
 Protídeos: hiper a fim de colaborar na diminuição do processo inflamatório, promover 
cicatrização e atender as necessidades face ao aumento do catabolismo. 
 Glicídios: normo sem concentração de glicídios simples para evitar a fermentação e 
por sua cariogenicidade. 
 Lipídios: devem ser normais sem concentração para evitar a sensação de saciedade 
precoce. 
 Minerais: destaque para o ferro (evitando anemia), zinco (a deficiência compromete 
a permeabilidade da barreira gengival), diminuição do sódio devido a dor. 
 Vitaminas: destaque vit A (reepitelização), complexo B (metabolismo de 
macronutrientes) (b6 garante a utilização da proteína dietética), vitamina C (aumento 
da permeabilidade da barreira gengival, processo inflamatório e cicatrização) e ao 
folato (comprometimento da barreira gengival e anemia). 
 Líquidos: hiper-hídrica para evitar desidratação comum nessa patologia. 
 Temperatura: normal sem extremos, para evitar dor 
 
PERIODONTITE 
É o acumulo de microrganismos e substrato na superfície dos dentes, dando origem a 
cálculos. Os alimentos, bactérias e os cálculos ficam entre as gengivas e os dentes, 
originando as bolsas dentárias e gerando piorreia que, sem intervenção fazem com que os 
dentes fiquem frouxos. Podendo gerar um abcesso com edema e dor agudo, gerando até 
complicações no TGI em função da deglutição das secreções. 
 
Conduta dietoterápica: 
 Protídeos: hiper para minimizar o catabolismo presente e favorecer a cicatrização 
 Glicídios: normo, tendendo a hipo sem concentração, para evitar a fermentação 
 Lipídios: completam o VET, evitando frituras e concentração de saturados 
 Vitaminas: hiper, com destaque para A, B, C e folato, visando a reepitelização, ao 
metabolismo de macronutrientes, a ação anti-inflamatória cicatrizante e ao equilíbrio 
da barreira gengival. 
 Minerais: hiper, objetivando a cicatrização e prevenção da anemia, com exceção de 
sódio que deve ser hipo devido a dor. Deficiência de zinco aumenta a permeabilidade 
da barreira gengival e a suscetibilidade a doença periodontal. 
 Líquidos: hiper hídrica, em função das alterações hidroeletrolíticas 
 Fibra: com destaque para celulose: normo/hipo, modificada por cocção e subdivisão, 
para minimizar as alterações do TGI e evitar dor e desconforto na mastigação. 
 Caldos concentrados em purina: isentos por serem excitantes de mucosa 
 Fracionamento: aumentado 
 Volume: diminuído e concentrado para evitar a sensação de saciedade precoce. 
 Temperatura: normal sem extremos 
 Consistência: liquida completa a pastosa ou de acordo com a tolerância do paciente 
 
PULPITE 
É uma resposta inflamatória da polpa dentária a uma substância irritante e nociva. Como 
causas principais: cáries, preparo de cavidades, uso de substâncias obturantes, atrito ou 
erosão da superfície dentária, bem como pode ser induzida por via sistêmica (carência de 
vitaminas A e C, hiper e hipotireoidismo e dieta pobre em proteínas). 
Dieta tem as mesmas características que a usada na periodontite. 
 
ALTERAÇÕES DA LÍNGUA: 
Língua geográfica: há o surgimento de áreas vermelhas e sensíveis com anel branco. 
Comum em infecções bacterianas ou fúngicas, estresse, psoríase, alergia. Devem ser 
evitados condimentos picantes, sódio em excesso, frutas ácidas, bebidas alcoólicas e 
infusos concentrados. 
Língua saburrosa: é constituída por uma camada esbranquiçada. Dieta sem concentração 
de dissacarídeos. 
Língua pilosa negra: há o aparecimento de mancha escura no dorso da língua, constituída 
de pelos negros. Dieta evitando concentração de glicídios, principalmente os simples em 
função da fermentação. 
 
OUTRAS ALTERAÇÕES NA CAVIDADE ORAL: 
Úlcera aftosa: pode ser causada por falta de vitamina b12, ácido fólico e ferro, vírus, 
agente químico ou físico ou microbiano, ter origem em diversas formas de estresse e 
também estar associada a doenças inflamatórias do intestino. A dieta deve ser 
hiperprotídica, para minimizar o catabolismo e colaborar na cicatrização, e 
hipervitaminica, para minimizar as interações entre os nutrientes e os fármacos usados. 
Devem ser evitados as frutas oleaginosas e cítricas, chocolate e concentrados em sacarose 
a fim de minimizar a excitação da mucosa. 
Blastomicose Sul-americana: causada pela ingestão de vegetais crus não lavados 
adequadamente. Dieta hiperprotídica, os fármacos usados são nefrotóxicos e 
cardiotóxicos, diminuem os níveis de K, ferro e ácido fólico, aumentam o metabolismo 
de proteínas, prejudicam a transferência de aminoácidos durante a síntese celular e 
reduzem a absorção de cálcio. 
 
 É um tubo musculomembranoso e elástico, que se inicia no esfíncter cricofaringiano e 
termina