A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Farmacologia 2 - Alzheimer

Pré-visualização | Página 1 de 3

Página 1 
@pedrojorgeantunes 
Farmacologia 2: Alzheimer 
Sumário 
Alzheimer .......................................................................................................... 2 
Características da Doença ...................................................................................... 2 
Diagnóstico............................................................................................................ 2 
Sintomas ............................................................................................................... 2 
Defeitos Genéticos ................................................................................................. 3 
Alterações Patológicas ........................................................................................... 3 
Categorias de Lesões .............................................................................................. 3 
Placas Amiloides ................................................................................................................... 3 
Emaranhados Neurofibrilares ............................................................................................... 3 
Formação das Placas Senis ..................................................................................... 3 
Antialzheimer .................................................................................................... 4 
Isoformas da Colinesterase (Chase) ........................................................................ 4 
Inibidores da Acetilcolinesterase ............................................................................ 4 
Tacrina .................................................................................................................................. 4 
Donepezil .............................................................................................................................. 5 
Rivastigmina ......................................................................................................................... 5 
Galantamina ......................................................................................................................... 6 
Antagonista NMDA ................................................................................................ 6 
Memantina ........................................................................................................................... 6 
Novos Fármacos .................................................................................................... 6 
Terapia Anti-amilóide ............................................................................................................ 6 
Fator de Crescimento Neuronal (NGF) .................................................................................. 6 
Inibidores da Hiperfosforilação da Proteína TAU ................................................................... 7 
Anticorpos Monoclonais ....................................................................................................... 7 
Inibidores Intracelulares ....................................................................................................... 7 
Agonistas Seletivos M1 ......................................................................................................... 7 
Agonistas Nicotínicos ............................................................................................................ 7 
Antioxidantes ........................................................................................................ 7 
 
Página 2 
@pedrojorgeantunes 
Alzheimer 
O Alzheimer, assim como o Parkinson, é uma doença neurodegenerativa denominada uma proteinopatia, ou 
seja, provocada por proteínas. A evolução de ambas as doenças envolve debilitar o paciente, até o ponto que o mesmo 
não consiga realizar tarefas simples, o que leva à internação e à morte, geralmente por problemas respiratórios, como 
a pneumonia. 
Alois Alzheimer não foi o primeiro a descrever o quadro clínico da doença. Os gregos já aviam documentado 
casos de Alzheimer e Redlich, em 1898, descreveu as placas características da doença no cérebro. No entanto, Alois 
foi o primeiro a observar e descrever as fibrilas, o que deu seu nome à doença, em 1906. 
Características da Doença 
O Alzheimer provoca a perda generalizada do parênquima cerebral, resultando no estreitamento do girus 
cortical e no alargamento dos sulcos, o que dificulta a comunicação entre os neurônios. Basicamente, um cérebro com 
Alzheimer se torna menor e com diversos buracos. 
A doença é caracterizada por um início insidioso de demência (redução progressiva da memória e da função 
cognitiva global, ou seja, deterioração das habilidades intelectuais previamente adquiridas). 
O Alzheimer é o responsável por aproximadamente 65% dos casos de demência em adultos. Os outros casos de 
demência podem ser provocados por: 
• Parkinson 
• Alfa-sinucleína 
• Diabetes e Hipertensão 
Diagnóstico 
O melhor instrumento de avaliação do estado mental, com todas as suas conhecidas limitações, ainda é o Mini-
Exame do Estado Mental (MEEM), que atribui um score de 0 a 30 ao paciente, com base em testes de memória 
consciência feitos no consultório. 
Também podem ser feitas avaliações 
neuropsicológicas mais completas e frequentes, 
porém são de difícil aplicação prática no 
consultório. 
Com a evolução natural da doença, sem 
medicamentos específicos, espera-se a perda de 2 
a 3 pontos por ano no teste. 
 
 
Sintomas 
A memória é a parte mais precocemente afetada pelo Alzheimer, o que acaba caracterizando os casos mais 
recentes. 
Na linguagem, observa-se problemas no discurso, que se torna não fluente e vazio. Em estágios mais avançados, 
há outros déficits da linguagem, como: dificuldade na leitura, compreensão, repetição e escrita. 
No geral, pacientes com Alzheimer experimentam afastamento, perda de complexidade e falta de controle. Os 
pacientes perdem a capacidade de julgamento, se sentindo muito bem as vezes, sem percepção da doença atual. 
Figura 1: Pontuações do MEEM. 
Página 3 
@pedrojorgeantunes 
Pacientes com Alzheimer podem apresentar ainda: agitação, euforia, perda da higiene, perda da iniciativa, 
costume de andar sem destino e emudecimento afetivo. 
Mais tardiamente, acontecem problemas e sinais neurológicas conhecidos como extrapiramidais (tremores e 
rigidez) e mioclonais (movimentos involuntários). 
No estágio final da doença, o paciente fica imobilizado, sem controle das funções do organismo, sem se 
comunicar e não consegue deglutir, o que torna necessário vias alternativas de nutrição. Mesmo assim, pacientes no 
estágio final da doença, quase sempre, apresentam desnutrição. 
A morte, normalmente ocorre por complicações respiratórias, principalmente a pneumonia, ainda mais em 
ambiente hospitalar. 
Defeitos Genéticos 
O Alzheimer, assim como o Parkinson, tem um forte fator genético, embora não seja o único causador da 
doença. Fatores como estresse oxidativo e nitosativo, ou a excitotoxidade por aumento de Ca2+, favorecem o 
aparecimento dessas doenças degenerativas durante a vida. 
O Parkinson é provocado por problemas nos neurônico dopaminérgicos, localizados na região nigroestriatal. 
Enquanto isso, o Alzheimer é caracterizado por problemas nos neurônios colinérgicos, na região do hipocampo e 
córtex cerebral. 
Os fatores genéticos associados à doença de Alzheimer são: 
1) Trissomia do cromossomo 21 
2) Mutação do gene para presenilina-1, no cromossomo 14 
3) Alelo anormal ε4, para proteína associada a lipídeo, ApoE, no cromossomo 19. Isso facilita a formação de 
depósitos de β-amiloide, uma das proteínas causadoras do Alzheimer. 
 Alterações Patológicas 
Depósitos de peptídeo β-amiloide no córtex cerebral, que eventualmente formam plaques extracelulares e 
lesões vascular-cerebral, e emaranhados neurofibrilares, formados pela proteína tau; 
Progressiva perda de neurônios, especialmente colinérgicos, junto