A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Antidiabéticos orais (farmacologia da diabetes)

Pré-visualização | Página 1 de 1

1 
 
 
 
 
 
 
CLASSES DE 
FÁRMACOS 
MECANISMO 
DE AÇÃO 
EFEITOS NA 
INSULINA 
PLASMÁTICA 
RISCO DE 
HIPOGLICEMIA 
OBSERVAÇÕES 
Sulfonilureias 
Glimepirida 
Glipizida 
Gliburida 
Estimulam a 
secreção de 
insulina 
Aumenta Sim 
• Histórico de eficácia 
bem estabelecido 
• Pode ocorrer 
aumento de massa 
corporal 
• A hipoglicemia é 
mais comum com 
esta classe de 
fármacos orais 
Glinidas 
Nateglinida 
Repaglinida 
Estimulam a 
secreção de 
insulina 
Aumenta 
Sim 
(raramente) 
• Tomado com 
alimentação 
• Curta ação com 
menos hipoglicemia 
• Efeito pós-prandial 
Biguanidas 
Metformina 
Diminui a 
produção 
endógena 
hepática 
de glicose 
Diminui Não 
• Fármaco preferido 
contra o DM2 
• Eficácia bem 
estabelecida 
• Pode ocorrer perda 
de massa corporal 
• Monitorar a função 
renal 
Tiazolidinadionas 
(glitazonas) 
Pioglitazona 
Rosiglitazona 
Ligam-se ao 
receptor γ 
ativado por 
proliferador 
peroxissoma no 
músculo, 
gordura e 
fígado, 
diminuindo a 
resistência à 
insulina 
Diminui 
muito 
Não 
• Eficaz em pacientes 
altamente 
resistentes à 
insulina 
• Dosagem única por 
dia para 
pioglitazona 
• Avaliar a função 
hepática antes de 
iniciar 
• Evitar em doença 
hepática ou 
insuficiência 
cardíaca 
Inibidores da α-
glicosidase 
Acarbose 
Miglitol 
Diminui a 
absorção 
de glicose 
Pouca ou 
nenhuma 
alteração 
Não 
• Ingerida com as 
refeições 
• Efeitos adversos 
gastrintestinais 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Antidiabéticos orais 
BIANCA LOUVAIN 
 
 
2 
Inibidores da DPP-
4 
Alogliptina 
Linagliptina 
Sitagliptina 
Saxagliptina 
Aumenta a 
liberação de 
insulina 
dependente de 
glicose, diminui 
a secreção 
de glucagônio 
 
 
 
Aumenta 
 
 
 
Não 
• Dosagem diária 
única 
• Pode ser ingerida 
com ou sem 
alimentos 
• É bem tolerada 
• Risco de pancreatite 
Inibidores SGLT2 
Canaglifozina 
Dapaglifozina 
Aumentam a 
excreção 
urinária 
de glicose 
Pouca ou 
nenhuma 
alteração 
Não 
• Dosificação uma vez 
ao dia, pela manhã 
• Risco de hipotensão 
e hiperpotassemia 
• Evitar em 
insuficiência renal 
grave 
Incretinomiméticos 
Exenatida 
Liraglutida 
Aumentam a 
liberação de 
insulina 
dependente de 
glicose, 
diminuem a 
secreção de 
glucagônio, 
retardam o 
esvaziamento 
gástrico e 
aumentam a 
saciedade 
Aumenta Não 
• Formulação 
injetável 
• A exenatida deve 
ser injetada duas 
vezes por dia, 
dentro de 60 min 
antes do desjejum e 
do jantar 
• Formulação de 
liberação estendida 
é administrada uma 
vez por semana 
• A liraglutida é 
administrada uma 
vez ao dia sem 
relação com as 
refeições 
• Pode ocorrer perda 
de massa corporal 
• Risco de pancreatite