A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
204 pág.
TEORIAS DA APRENDIZAGEM - IESDE

Pré-visualização | Página 3 de 50

O que diz a legislação ............................................................................................................................ 178
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação – Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996 .............................. 179
Ser professor ........................................................................................................................................... 180
As condições de aprendizagem .............................................................................................................. 180
Tendências e práticas pedagógicas: a mesma coisa? .............................................................................. 181
As teorias comportamentalistas da aprendizagem ...............................................................189
Compreendendo as idéias behavioristas ................................................................................................. 190
O relacionamento professor–aluno numa perspectiva behaviorista ....................................................... 193
Referências ...........................................................................................................................197
Apresentação
É com muito prazer que inicio este módulo! A partir de agora, entraremos em contato com as teorias e os teóricos da aprendizagem e do desenvolvimento humano.
Apesar do extenso conteúdo, vocês perceberão já ter conhecimento sobre aprendizagem, pois, 
de uma forma ou de outra, somos colocados em contato com essas teorias desde que ingressamos na 
escola. Portanto, seja como aluno ou como professor, as discussões em torno da aprendizagem estão 
sempre presentes em nossas vidas.
O material que vocês têm em mãos agora foi elaborado buscando facilitar a compreensão do 
que é exposto nas videoaulas, bem como contribuir com mais algumas informações que enriqueçam 
seus estudos.
Serão apresentados teorias e autores. Alguns, já bastante conhecidos como Jean Piaget, e outros 
nem tanto, como David Ausubel. Autores que nos fazem refletir sobre outras possibilidades, que não 
apenas os métodos convencionais de ensino, na relação do ensinar e aprender.
Em outros momentos, falaremos um pouco sobre História da Educação. Por mais que pareça 
que este módulo não tenha relação com os conteúdos de História, veremos que ao longo do século XX 
tivemos muitas transformações nas práticas pedagógicas relacionadas com os movimentos políticos 
e sociais em prol da Educação.
Falaremos também da relação primordial e que começamos a construir nesse momento: a relação 
entre professores e alunos. Relação essa que serve de base para que possamos construir também uma 
boa relação de ensino-aprendizagem.
As referências utilizadas pretendem ser, mais que um suporte, um estímulo para os futuros 
estudos que serão agora iniciados por vocês. Então, que sejamos, mais uma vez, guiados pelo mundo 
da Educação e da aprendizagem! Bons estudos para todos. Um grande abraço.
Valéria da Hora Bessa
 Doutoranda em Psicolo-
gia Social pela Universidade 
do Estado do Rio de Janeiro 
(UERJ). Mestre em Psicologia 
Social pela UERJ. Professora 
de cursos de Graduação e 
Pós-graduação da Universi-
dade Estácio de Sá – RJ.
A aprendizagem 
e o processo de aprender
Valéria da Hora Bessa*
De um modo geral aceita-se que nenhuma atividade 
pode ser levada a cabo com sucesso por um indivíduo 
que esteja preocupado, uma vez que, quando 
distraída, a mente nada absorve com profundidade, 
mas rejeita tudo quanto, por assim dizer, a assoberba. 
Sêneca 
N esta aula, pretende-se apresentar alguns pontos interessantes sobre a questão da aprendizagem e o processo de aprender, procurando introduzir os conceitos e teorias que serão discutidos ao longo deste 
curso. São muitas as questões em torno da aprendizagem e muitas são também as 
dificuldades encontradas pelos profissionais dessa área.
A cada dia vemos surgir novas hipóteses e novos conceitos que procuram 
explicar por que aprendemos de determinada maneira ou mesmo de que maneira 
funciona o cérebro de quem aprende mais e de quem aprende menos. Mas, quais 
devem ser as preocupações de um professor em relação à aprendizagem de seus 
alunos? O que um professor deve saber para poder conduzir sua disciplina de 
maneira a facilitar a compreensão de todos?
Para chegar a essas discussões, precisamos primeiro passear pelo universo das 
teorias. Quais são elas? E de que maneira auxiliam os profissionais da Educação? 
Mais ainda: o que vem a ser aprendizagem? Como ela ocorre?
É bom lembrarmos que para cada teórico ou conjunto de teorias, a 
aprendizagem é definida de uma maneira diferente e a explicação sobre como 
ela ocorre também se diferencia. Portanto, não devemos nos expressar de forma 
a validar uma e negar a outra, ou seja, não devemos dizer que uma está certa e 
outra errada. O que ocorre é que todas têm validade, pois lançam um olhar sobre 
maneiras específicas de aprender.
Por exemplo, vocês já aprenderam alguma coisa memorizando? Já foram 
capazes de aprender a partir da experimentação do objeto (experiência)? Notam 
alguma habilidade maior em alguma matéria ou atividade? Costumam aprender 
mais facilmente quando ensinados a partir de conhecimentos que vocês já 
possuem? Pois então, todos vocês já foram apresentados a algumas das principais 
teorias da aprendizagem e todas elas trouxeram contribuições para a vida de 
aprendiz de vocês.
Além disso, as respostas sobre a aprendizagem geralmente são procuradas 
na infância. Isto ocorre justamente porque podemos considerar que o cérebro 
Teorias da Aprendizagem
10
infantil ainda está em desenvolvimento e que, é a partir do nascimento que a 
criança vai sendo apresentada ao mundo, fazendo uso de seus sentidos para 
explorá-lo, internalizando nomes, cores, sensações, sentimentos, percepções, 
gostos, cheiros, fazendo associações entre as informações que recebe. A 
arrumação ou disposição dessas informações recebidas pela criança é chamada 
de aprendizagem, mas o que intriga a todos nós e aos especialistas é justamente 
de que maneira essa “arrumação” vai sendo feita e o que leva a criança a associar 
uma informação a outra.
Como ocorre a aprendizagem?
Há muito tempo o homem vem tentando explicar como aprendemos, mas é a 
partir do século XX, com os estudos mais profundos em Psicologia, que começam 
a surgir teorias explicativas do funcionamento do processo de aprender. A partir 
dos estudos realizados ao longo do século XX, percebeu-se que era através da 
aprendizagem que o homem adquiria hábitos e comportamentos. Além disso, 
a aprendizagem passou a ser definida como o processo de aquisição de novos 
conteúdos a partir de um sistema de trocas (homem-meio) constante.
Segundo Ferreira (1986), a aprendizagem é definida como:
Aprendizado; ato ou efeito de aprender; tomar conhecimento de; reter na memória 
mediante o estudo, a observação ou a experiência; tornar-se apto ou capaz de alguma 
coisa em conseqüência de estudo [...]
Nesse ponto, introduzimos alguns novos elementos ao processo de aprender. 
São eles a memória, a atenção, o interesse e a inteligência. É claro que cada um 
desses termos já merece por si só um capítulo, pois também são conceitos que 
precisam ser definidos, mas, por ora, iremos discuti-los procurando mostrar de 
que maneira estes elementos estão envolvidos com o processo de aprender.
Memória
A memória geralmente é tratada como a capacidade de armazenamento de 
informações no cérebro, ou ainda como a capacidade de resgatar aquilo que foi 
armazenado. Segundo Tulving e Thomson (apud EYSENCK; KEANE, 1984, 
p. 118), “apenas aquilo que foi armazenado pode ser recuperado, e [...] a maneira 
em que pode ser recuperado depende de como foi armazenado”. É por isso que a 
memória é um processo importante para a aprendizagem, o que não significa dizer 
que