A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Química Orgânica - Saponificação

Pré-visualização | Página 2 de 2

dissolvido o soluto, com o bastão de vidro.
Para a transferência da solução de NaOH ao óleo, era preciso respeitar o tempo para que houvesse a quebra das ligações, sendo um período de 30 minutos, dividiu-se em 6 frações iguais (aproximadamente 23 mL) e adicionando em 5 em 5 minutos. A adição do soluto foi feita aos poucos para que não houvesse precipitação e fosse possível controlar o aquecimento. A agitação constante permitiu uma homogeneização do produto. Em cada adição da base, o óleo ficava mais claro, em tom bege e mais viscosa.
O vinagre foi adicionado por apresentar ácido acético em sua composição que, junto à base presente no produto, reagiu neutralizando seu pH.
Após uma semana da realização do processo, o sabão ficou mais sólido e com um aspecto mais consistente. Apresentava um tom bem claro de bege.
V) Conclusão:
Conclui-se que o sabão obtido deixou claro a eficiência do processo de saponificação para reutilização do óleo de cozinha. Ele apresentou aspecto uniforme, consistente e de tom bege claro.
VI) Questionário:
1) Que componentes químicos estão presentes em óleos e gorduras? Principalmente os triglicerídeos, resultantes da condensação de uma molécula de glicerol com três moléculas de ácidos graxos. Suas propriedades dependem da estrutura e distribuição de ácidos graxos.
2) O que são os triacilgliceróis? São moléculas orgânicas apolares, formadas pela ligação de três moléculas de ácidos graxos com o glicerol a um triálcool de três carbonos, através de ligações do tipo éster. Suas cadeias carbônicas costumam ser diferentes por serem muito longas, tornando a molécula apolar.
3) Qual a equação geral da saponificação de um triéster de ácido graxo com NaOH?
4) Quando um éster sofre hidrólise em meio ácido, quais os compostos que se formam? Um álcool e um ácido carboxílico.
5) Por que a água dura é imprópria para a lavagem de roupas? Porque os íons presentes nela reagem com o sabão, produzindo compostos insolúveis que se precipitam e dificultam a lavagem. Não há formação de espuma ou está se torna bastante reduzida, havendo, desperdício de sabão.
6) Como se dá a ação de limpeza do sabão? Se dá pela composição do sabão, que é um grupo carboxilato polar hidrofílico e uma longa cadeia carbônica hidrofóbica. Na presença de água, as moléculas se organizam em micelas onde a parte apolar interage com as gorduras, formando emulsões. Nas emulsões o sabão dispersa a gordura sob a forma de pequenos aglomerados que são levados pela água.
7) Qual a diferença entre um sabão e um detergente? A diferença é a composição. O detergente tem a parte polar composta por derivados de ácidos sulfônicos que são obtidos pela oxidação de um ácido graxo com uma base alcalina. Já o sabão tem sais de sódio ou de potássio e é obtido na reação entre uma base e um ácido graxo. Além disso, o detergente mantém sua capacidade de limpeza em águas duras ou ácidas porque não perde a ação tensoativa, isso no sabão se perde ou se reduz.
8) O que é um detergente biodegradável? É um detergente facilmente decomposto pela ação de microorganismos, havendo a liberação de gás carbônico. São decompostos com maior facilidade quanto mais linear a cadeia carbônica for.
VII) Referências bibliográficas: 
1- RAMALHO, H.F; Suarez,P.A.Z A química dos óleos e gorduras e seus processos de extração e refino . Revista Virtual Química., 2013 V. 5, n.1, p.2-5. Jan- Fev 2013 Consultado em: 20 de maio de 2016
2- Sabões e detergentes. Disponível em <http://200.156.70.12/sme/cursos/EQU/EQ18/modulo1/aula0/08_vinagre/08_saboes_e_detergentes.htm>; Acessado em 20 de maio de 2016
3- ANDRADE, Rogério; JOANUCCI, Raphael ; MASTELA, Diego et al. Processo de produção de sabão a partir de óleos vegetais. UFMT - Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade. Set – 2012 Consultado em: 20 de maio de 2016
4- A água dura. Química Ambiental. UENF – Universidade Estadual do Norte Fluminense. Disponível em <http://www.uenf.br/uenf/centros/cct/qambiental/ag_dura.html>; Consultado em 20 de maio de 2016