A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Oclusão Dentária- ATM, posições e relações mandibulares, contatos oclusais, chaves e classes

Pré-visualização | Página 1 de 2

O C L U S Ã O D E N T Á R I A
Odontologia UFPR- prova 1
Os dentes anteriores,
chamados de incisivos tem
formato de pá e possuem
borda incisal . Os maxilares se
sobrepõem aos mandibulares.
Os caninos são os dentes mais
compridos e serve para rasgar
o alimento, possuem uma
única cúspide e raiz.
Os pré-molares tem duas
cúspides, o que aumenta
muito a superfície de oclusão.
PM maxilares e mandibulares
ocluem de tal forma, que o
alimento pode ser
aprisionado e triturado em
pedaços menores.
Os molares possuem quatro
ou cinco cúspides
proporcionando uma ampla
superfície de oclusão . Eles
atuam na ultima parte da
mastigação, em que o
alimento está preparado para
ser deglutido .
OS EXATOS RELACIONAMENTOS
DOS DENTES ENTRE ARCOS E
DENTROS DOS RESPECTIVOS
ARCOS INFLUENCIAM BASTANTE
NA SAÚDE E NA FUNÇÃO DO
SISTEMA MASTIGATÓRIO
D E N T I Ç Ã O E
E S T R U T U R A D E
S U P O R T E
32 dentes permanentes
distribuídos nos arcos maxilar e
mandibular
 O arco maxilar é ligeiramente
maior , fazendo com que os dentes
superior se sobreponham aos
dentes inferiores, isso acontece
porque: os dentes superiores são
mais largos , criando um largura de
arco maior. Os elementos
anteriores maxilares possuem uma
angulação vestibular maior,
criando um transpasse horizontal .
A N A T O M I A
F U N C I O N A L :
 O sistema mastigatório é composto
basicamente de ossos, músculos,
ligamentos e dentes. 
 O sistema neurológico controla os
movimentos (cérebro, tronco cerebral e
SN Periférico).
 É de total importância que o cirurgião
dentista conheça a anatomia e
biomecânica do sistema mastigatório
para poder tratar seus pacientes. o
aparelho mastigatório desempenha um
papel importante na fala, mastigação,
respiração e deglutição.
P O S I Ç Õ E S E R E L A Ç Õ E S M A N D I B U L A R E S
R E L A Ç Ã O C Ê N T R I C A ( R C )
 É a relação maxilo-mandibular,
estritamente articular, ou
seja independe dos dentes, imutável e
de referência, onde os conditos então
centralizados nas fossas mandibulares,
apoiados sobre as vertentes posteriores
das eminências articulares, com os
discos articulares devidamente
interpostos (ex: prótese total).
M Á X I M A
I N T E R C U S P I D A Ç Ã O
H A B I T U A L ( M I H )
É a relação maxilo-mandibular,
mutável e dependente dos dentes, onde
ocorre o maior número de contatos
entre os dentes superiores e inferiores
simultaneamente, independente da sua
posição condilar.
O C L U S Ã O E M R E L A Ç Ã O
C Ê N T R I C A ( O R C )
É a relação maxilo-mandibular em que
há a coincidência entre a Relação
Cêntrica e a Máxima Intercuspidação
Habitual.
D I M E N S Ã O V E R T I C A L D E
O C L U S Ã O ( D V O )
É a relação maxilo-mandibular
dependente de dentes, quando em MIH
dão a altura do terço inferior da face. 
DVO=DVR-EFL 
-A Dimensão Vertical de Oclusão é
igual à Dimensão Vertical de Repouso
menos o Espaço Funcional Livre
D I M E N S Ã O V E R T I C A L D E
R E P O U S O ( D V R )
 É a relação maxilo-mandibular
independente dos dentes, onde os
dentes se encontram levemente
desencostados e musculatura relaxada
com os lábios fechados.
E S P A Ç O F U N C I O N A L
L I V R E ( E F L )
 Espaço existente entre os dentes
superiores e inferiores quanto a
musculatura esta em repouso com lábio
encontrados.
Dentro da fossa mandibular do osso
temporal está o côndilo da mandíbula.
Separando esses dois ossos, temos o
disco articular constituído de tecido
fibroso denso. 
A ATM é classificada como uma
articulação composta, mesmo tendo
dois ossos, e não três.
A M A N D Í B U L A
 Osso em forma de U, sustenta os
dentes inferiores e constitui o
esqueleto facial inferior .
 
Não tem ligação óssea com o crânio e é
sustentada abaixo da maxila por
ligamentos , músculos e outros tecidos
moles, promovendo mobilidade 
necessária para o seu funcionamento
 
A cabeça da maxila é a parte que se
articula com o crânio , de uma vista
anterior ele tem projeções lateral e
medial, denominada pólos.
 
O pólo medial geralmente é mais
proeminente que o lateral.
 A superfície articular posterior é
maior do que a superfície anterior.
 
A superfície articular do côndilo é
bem convexa ântero-posteriormente, e
pouco convexa mediolateralmente.
O côndilo mandibular se
relaciona com a porção
timpanoescamosa do osso
temporal.
A porção timpanoescamosa é
composta pela fossa mandibular
(FM) , côncava, onde o côndilo se
situa. Já foi chamada de fossa
glenóide ou articular.
Posteriormente está a fissura
timpanoescamosa (FTE) , que se
divide em fissura petroescamosa ,
anteriormente e fissura
petrotimpânica , posteriormente.
Anteriormente a fossa, temos a
eminência articular (EA) . A
inclinação dessa fossa determina
a trajetória do côndilo quando a
mandíbula está posicionada
anteriormente.
Alguns conceitos importantes:
→ Intra-arco: relação dentro dos respectivos arco
→ Interarco: relação dos dentes entre os arcos
Funcionalmente o disco funciona
como um osso, não calcificado,
permitindo os movimentos da
articulação .
A T M
A articulação
temporomandibular é uma
articulação sinovial do tipo
diartrose , e, portanto, permite
amplos movimentos da
mandíbula em torno de um osso
fixo, o temporal. 
 Bilateral , interligada pela
mandíbula e interdependente,
com movimentos próprios de
cada lado , porém simultâneos,
podendo ser considerada com
uma única articulação.
O disco articular é desprovido de
inervação e vasos sanguíneos ,
mas a periferia posterior é
ligeiramente inervada . Essa área
chama-se de tecido retrodiscal, ou
ligamento posterior. A lâmina
retrodiscal superior contém
muitas fibras elásticas , que ligam
o disco articular à placa
timpânica.
A lâmina retrodiscal
inferior contém muitas
fibras colágenas e liga a
borda inferior do disco a
superfície articular do
côndilo. As inserções
superior e inferior estão
presas ao ligamento
capsular. Ambas as
inserções são compostas de
fibras colágenas.
A área central do disco é a
mais fina e é chamada de
zona intermediária (ZI) ;
Ele vai se tornando mais
espesso para as áreas
anterior (borda anterior-
BA) e posterior (borda
posterior-BP).
 Se houver alterações, a
estrutura do disco pode ser
irreversivelmente alterada ,
produzindo mudanças
biomecânicas na função.
TR: tecidos retrodiscais, PLS e PLI:
m.m. pterigóideo lateral superior e
inferior.
A fossa articular não é designada
para suportar forças excessivas ,
por isso o seu teto posterior é
bastante fino . Já a eminência
articular consiste de um osso
espesso e denso , podendo tolerar
melhor tais forças.
Habitualmente os movimentos
mandibulares são intrabordejantes
Movimentos mandibulares =
Desoclusão
- Movimentos Bordejantes
Mandibulares (é toda a extensão do
movimento que a mandíbula
consegue fazer)
Sagital → protrusão, retrusão,
abertura e fechamento
Horizontal → lateralidades,
protrusão e retrusão
Frontal/ Axial → lateralidades,
abertura e fechamento
• Os dentes posteriores que
encostam durante o movimento de
protusão são chamados
de Interferências Oclusais.
A N A T O M I A D E N T Á R I A E
C O N T A T O S O C L U S A I S
Anatomia Oclusal
- Face oclusal propriamente dita/
anatômica: compreende a região
circunscritas pelas arestas V e L ou P, e
cristas marginais distal e mesial.
- Face oclusal funcional: compreende a
superfície oclusal propriamente dita e
mais áreas adjacentes que participa da
mastigação.
Cúspide
Aresta: linha de união entre duas
faces/ estruturas dentárias contínuas
Aresta Longitudinal: sentido mésio-
distal, separa as vertentes lisas das
triturantes.
Aresta Transversal: Separa duas
vertentes em uma mesma cúspide.
Vertentes: estruturas piramidais.
Vertentes triturantes: face interna do
dente: M e D
Vertente lisa: face externa do dente: L
e V
M O V I M E N T O S M A N D I B U L A R E S /
C O N T A T O S O C L U S A I S
Sulco: depressão estreita e linear.
Principal: Separa cúspides/ passagem
das cúspides
Acessório ou secundário: presente nas
faces das cúspides/ escape dos
alimentos