A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Conceitos da Farmacologia

Pré-visualização | Página 1 de 1

Conceitos da Farmacologia
Farmacocinética
Estuda os caminhos
que os medicamentos
percorrem no organismo
e seus efeitos no
organismo
Estuda os mecanismos 
por meio dos quais os 
medicamentos atuam 
nos sistemas orgânicos
Substância ou matéria prima que tenha 
finalidade medicamentosa ou sanitária
Medicamento – produto farmacêutico 
tecnicamente obtido ou elaborado com 
finalidade profilática, curativa, paliativa 
ou para fins diagnóstico 
• Ex: Aspirina (analgésico, antipirético 
e anti-inflamatório)
Farmacodinâmica
Droga
conceito que tem sido usado como
sinônimo de medicamento ou droga.
Substância química conhecida, com
estrutura química definida, com
propriedade farmacológica. Substância
principal da formulação do medicamento
Ex: Aspirina (medicamento) e ácido
acetil salicílico (fármaco ou princípio
ativo)
Remédio – (re = novamente; medior =
curar) tudo aquilo que cura, que
alivia ou evita a enfermidade
(ex: agentes químicos, mas também
massagens, duchas, etc)
Placebo (placeo = agradar): tudo o que
é feito com intenção benéfica para aliviar
o sofrimento:
Fármaco/medicamento/droga/remédio (em
concentração pequena ou mesmo na sua
ausência.
Medicamento
Fármaco ou princípio ativo-
Remédio
Placebo
conceito que tem sido usado como
sinônimo de medicamento ou droga.
Substância química conhecida, com
estrutura química definida, com
propriedade farmacológica. Substância
principal da formulação do medicamento
Ex: Aspirina (medicamento) e ácido
acetil salicílico (fármaco ou princípio
ativo)
Remédio – (re = novamente; medior =
curar) tudo aquilo que cura, que
alivia ou evita a enfermidade
(ex: agentes químicos, mas também
massagens, duchas, etc)
Placebo (placeo = agradar): tudo o que
é feito com intenção benéfica para aliviar
o sofrimento:
Fármaco/medicamento/droga/remédio (em
concentração pequena ou mesmo na sua
ausência.
Desenvolvimento de um medicamento
O número de pacientes que participam desta
fase é maior (70 - 100) e o objetivo é
avaliar a eficácia da medicação, isto é, se
ela funciona para tratar determinada
doença, e também obter informações mais
detalhadas sobre a segurança (toxicidade).
Somente se os resultados forem bons é que
o medicamento será estudado em fase III.
Nesta fase, o novo tratamento é comparado
com o tratamento padrão existente. O
número de pacientes aumenta para 100 a
1.000. Algumas vezes, os estudos fase
III são realizados para verificar se a
combinação de dois medicamentos é melhor
do que a utilização de um medicamento
somente.
Estes estudos são realizados para se
confirmar que os resultados obtidos na
fase anterior (fase III) são aplicáveis em
uma grande parte da população doente.
Nesta fase, o medicamento já foi aprovado
para ser comercializado. A vantagem dos
estudos fase IV é que eles permitem
acompanhar os efeitos dos medicamentos a
longo prazo.
Conceitos da Farmacologia PT II
Fases pré-clínicas
Um ensaio clínico com um medicamento é
dividido em duas fases: fase pré-clínica e
fase clínica. Cada fase possui um objetivo,
mas o importante é que a segurança deve
estar sempre presente. Depois de realizadas
todas as etapas, a Anvisa (Agência
Nacional de Vigilância Sanitária), avalia
os resultados e se eles forem satisfatórios,
registra o medicamento que pode ser
prescrito
• Fase pré-clínica
Nesta fase, os cientistas testam as 
substâncias em laboratórios e em animais 
de experimentação. 
• Fase clínica
A fase clínica é a fase de testes em seres 
humanos. É composta por quatro fases (1, 
2, 3 e 4)
Nesta fase, testa –se o medicamento para
avaliar a sua segurança. A medicação é
testada em pequenos grupos (10 – 30
pessoas), geralmente, de voluntários sadios
(exceções em medicamentos para câncer ou
HIV-aids)
Fase 3
Fase 1
Fase 2
Fase 4