A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Odontometria

Pré-visualização | Página 1 de 2

Odontometria 
 
O sucesso do tratamento endodôntico depende de 
fatores como por exemplo: 
 Diagnóstico 
 Acesso 
 Odontometria 
 Preparo químico-cirúrgico 
 MIC 
 Obturação 
 Restauração 
 Proservação 
 
A odontometria é de fundamental importância para um 
tratamento endodôntico de sucesso. 
O que é? É uma etapa operatória do tratamento 
endodôntico, onde pretende-se determinar o 
comprimento real de trabalho (CRT) 
Porque realizar a odontometria? A realização da 
odontometria garante que realizemos o tratamento 
endodôntico apenas dentro do endodonto, que 
corresponde aos canais dentinário e cementário 
Quando realizar? O melhor momento para realizar a 
odontometria é após o preparo cervical 
Como fazer? A partir de métodos sinestésicos, 
radiográficos e eletrônicos. 
 
Falhas durante a fase de odontometria podem ocasionar 
o insucesso do tratamento. Uma odontometria realizada 
para além do forame pode causar dor ao paciente, 
hemorragia ou até mesmo uma osteonecrose (quimio ou 
radio) 
Razões anatômicas O vértice radiográfico nem 
sempre coincide com o forame, por isso podemos dizer 
que uma medida radiográfica como o CAD 
(comprimento aparente do dente) não é totalmente 
segura 
 
Determinar o comprimento real de trabalho 
Deve levar em consideração a constrição no limite CDC 
(entre o canal dentinário e cementário), não devendo-se 
instrumentar além dele, pois ultrapassar esse espaço com 
o material obturador, pode ocasionar algum tipo de 
inflamação. Precisamos portanto, ter sempre um ponto 
de referência, pois cada milímetro na endodontia é 
fundamental. 
 
 
Para realização da odontometria, o dente precisa estar 
devidamente isolado e acessado, devendo somente após 
esses passos, realizar a odontometria. 
Ponto de referência O ponto de referência eleito 
deve ser utilizado em todas as etapas do tratamento, 
portanto, deve ser devidamente anotado. 
 
Tratamento endodôntico e seu sucesso 
 
Odontometria 
 
Preparo para odontometria 
 
Visto que as dimensões do dente 
podem mudar de região para região, 
por isso é importante se utilizar 
sempre a mesma referência. 
 
Não esquecer da escolha do instrumental, pois existem 
diferentes tipos e tamanhos de limas para diferentes tipos 
de dentes, canais e suas respectivas dimensões. 
 
Exame de imagem É imprescindível na endodontia, 
pois ajuda da determinação do tamanho do dente e do 
campo a ser instrumentado, apesar de não oferecer 
dados concretos no que diz respeito à dimensões. 
 
 
Para que a odontometria seja realizada com sucesso, 
existem métodos que podem ser seguidos para se obter 
o valor do CRT, sendo estes classificados da seguinte 
forma: 
 Sinestésico 
 Radiográfico 
o Ingle 
o Bregman 
 Eletrônico 
 
Este método é baseado em duas sensações: 
Sensação Tátil da constrição apical, devendo-se 
penetrar a lima até a constrição, notando uma maior 
resistência para a lima. 
Sensação dolorosa sentida pelo paciente após a lima 
passar pela constrição e atingir o forame 
Podemos então dizer que o tamanho do CRT vai ser 
determinado neste caso por: 
𝐴𝐼! − 1𝑚𝑚 
Onde Ai corresponde ao forame apical e 1mm ao limite 
CDC, determinando-se assim o valor do comprimento 
real de trabalho.. 
 
Limitações do método por ser uma técnica que 
depende da sensibilidade tátil primeiramente, está 
sensível a erros do operador. 
Além disso, em casos de pacientes anestesiados, a 
segunda sensação pode estar imperceptível. 
Havendo ainda a diferença anatômica entre os dentes de 
cada paciente, que deve ser levada em consideração. 
 
 
Existem considerações importantes no que diz respeito 
à estes métodos, como por exemplo: 
Proteção do filme e do posicionador O filme 
radiográfico e o posicionador devem ser devidamente 
protegidos com plástico filme (PVC), protegendo-os 
contra contaminação por saliva e fluídos bucais 
Métodos odontométricos 
 
Método sinestésico 
 
Métodos radiográficos 
 
21 mm 
25 mm 
31 mm 
Proteção do paciente Não devemos esquecer de 
colocar o colete de chumbo no paciente para protegê-
lo da radiação. 
Proteção do dente a ser instrumentado Para 
reprodução de técnicas radiográficas como a bissetriz, o 
paciente deverá estar com o dente isolado de forma 
absoluta para não haver contaminação do campo 
operatório. 
Técnicas que podem ser utilizadas Para 
realização do método radiográfico, podemos lançar mão 
de diferentes técnicas radiográficas, como por exemplo: 
 Técnica do paralelismo: Deve ser a de eleição, 
devendo-se utilizar ele em uma tomada inicial e 
uma tomada radiográfica final. 
 Técnica da bissetriz: Deve-se ter cuidado e 
observar as aletas do grampo do isolamento 
 Técnica de Clark: Excelente para visualização 
de canais sobrepostos, pois a partir desta 
técnica dois corpos sobrepostos podem ser 
visualizados em uma mesma tomada. 
 Técnica de Le Master: Que deve se usada 
principalmente para molares superiores, por 
conta da sobreposição do processo zigomático 
 
 
 
Deve-se realizar um exame clínico adequado do dente 
a ser instrumentado 
 
 
 
 
Realização da avaliação radiográfica 
 
 
 
Por meio da tomada radiográfica deve-se medir o CAD 
do dente, ou seja, seu comprimento aparente 
 
 
 
 
Cálculo do CAD que deve ser feito através da medição 
do dente com uma régua milimetrada 
Ex.: Tirei a radiografia e fiz a medição, meu CAD é 
23mm 
 
 
 
Cálculo do CRI (Comprimento Real do Instrumento) 
𝐶𝑅𝐼 = 𝐶𝐴𝐷 − 3𝑚𝑚 
Ex.: Um dente que possui CAD de 23mm possuirá qual 
valor de CRI? 
𝐶𝑅𝐼 = 𝐶𝐴𝐷 − 3𝑚𝑚 
𝐶𝑅𝐼 = 23 − 3𝑚𝑚 
𝐶𝑅𝐼 = 20𝑚𝑚 
Mas porque 3mm? Estes 3mm é um valor padrão 
determinado para que ao realizar a instrumentação do 
canal, não se ultrapasse o limite devido, visto que a 
medida de 23mm é uma medida aparente. 
 
 
 
Nesta etapa deve-se inserir a lima no CRI calculado e 
realizar uma nova tomada radiográfica 
Método radiográfico de Ingle 
 
1 
2 
3 
4 
5 
6 
 
 
 
 
Deve-se realizar o Cálculo do X- O X é determinado 
pela distância entre o vértice radicular radiográfico e a 
ponta do instrumental inserido no canal (CRI) 
Vamos supor que este valor tenha dado 4mm 
 
 
 
 
Deve-se então calcular o CRT, que corresponde ao 
comprimento real de trabalho, o que de fato queremos 
descobrir. 
𝐶𝑅𝑇 = 𝐶𝑅𝐼 + 𝑋 − 1 
Ex.: se o dente tem um CRI de 20mm, seu valor de X 
é correspondente a 4mm, qual o valor do CRT? 
𝐶𝑅𝑇 = 𝐶𝑅𝐼 + 𝑋 − 1 
𝐶𝑅𝑇 = 20 + 4 − 1 
𝐶𝑅𝑇 = 23𝑚𝑚 
Observação- Se o X for maior que 2mm, deve ser 
realizada uma nova tomada radiográfica para confirmar 
o valor do CRT. (Lembrando que o CRT corresponde 
1mm aquém do vértice radicular) 
 
 
A técnica de Bregman utiliza proporções entre as 
medidas aparentes e medidas reais do dente, com base 
no teorema de Tales. 
 
 
 
 
Deve-se realizar um exame clínico adequado do dente 
a ser instrumentado 
 
 
 
 
Realização da avaliação radiográfica, lembrando que 
neste caso não temos o valor do CRD ainda, visto que 
radiograficamente só podemos obter o CAD 
 
7 
8 
1 
2 
Método radiográfico de Bregman 
 
 
 
Por meio da tomada radiográfica deve-se medir o CAD 
do dente, ou seja, seu comprimento aparente 
Ex.: Tirei a radiografia e fiz a medição, meu CAD é 
23mm 
 
 
 
 
Cálculo do CRI (Comprimento Real do Instrumento) 
𝐶𝑅𝐼 = 𝐶𝐴𝐷 − 3𝑚𝑚 
Ex.: Um dente que possui CAD de 23mm possuirá qual 
valor de CRI? 
𝐶𝑅𝐼 = 𝐶𝐴𝐷 − 3𝑚𝑚 
𝐶𝑅𝐼 = 23 − 3𝑚𝑚 
𝐶𝑅𝐼 = 20𝑚𝑚 
 
 
 
 
Cálculo do CAI (Comprimento Aparente do 
Instrumento) medindo-se o tamanho do instrumento 
por meio de radiografia 
 
 
 
 
Após reunidas todas as medidas, deve-se aplicar o 
teorema de Tales, relacionando as proporções da 
seguinte forma: 
𝐶𝑅𝐷
𝐶𝐴𝐷
=
𝐶𝑅𝐼
𝐶𝐴𝐼
 
 
 
 
Aplica-se regra de três simples na formula obtendo-se 
o seguinte: 
𝐶𝑅𝐷 =
𝐶𝐴𝐷.