A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
O ECG NORMAL

Pré-visualização | Página 1 de 1

O potencial de ação normal possui 04 fases. A fase 4 é 
chamada de fase de repouso e ela é negativa (-90mv) 
devido a ação da bomba de sódio e potássio atpase. 
A célula gasta energia na membrana para jogar três 
sódios para for a e 2 potássios para dentro. 
 
FASE 0: Ocorre quando a célula despolariza ( fica positiva) 
devido a entrada de sódio na célula. 
FASE 01: Ocorre a saída de potássio da célula 
(repolarização- torna ficar negativa). 
FASE 02: Continua saindo potássio mas entra um pouco de 
cálcio ( tem um efeito platô). 
Na fase final continua saindo potássio. Os íons mais 
importantes para atividade elétrica do coração é Na+, 
Ca+, K+. 
 
ATIVAÇÃO ELÉTRICA DO CORAÇÃO. 
 
Está intimamente relacionada com a anatomia cardíaca. 
Nós temos o Nó Sinusal que está no átrio direito, próximo a 
veia cava superior e o Nó AV que está entre os átrios e os 
ventrículos. 
Entre os nós temos feixes internodais que levam a ativação 
elétrica produzida no nó sinusal para o nó AV e também 
para o átrio direito e esquerdo fazendo a condução do 
estímulo. 
A partir do átrio direito o estimulo vai descer pelo feixe de 
His. 
O feixe de His se divide em ramo esquerdo e direito, 
terminando em terminações nervosas livres que ficam na 
parede do coração, chamadas de Fibras de purkinje. 
O ramo esquerdo possui subdivisões ( é um ramo grande): 
póstero inferior; ântero- superior e ântero-medial (essa 
informação será importante quando for estudar sobre os 
bloqueios). 
A ativação elétrica começa com o nó sinusal que gera o 
estimulo, é conduzido pelos feixes intermodais, passa pelo 
nó AV; desce pelo feixe de HIS e segue para as fibras de 
purkinje. Essa ativação elétrica vai ser toda representada 
no eletro. 
ONDA P: Ativação atrial 
SEG. PR: Nó AV 
QRS: Ventrículos 
ONDA T: Repolarização dos 
Ventrículos 
 
 
 
 
 
 
 
PLANOS ELETROCARDIOGRÁFICOS. 
 
Plano Frontal: Corte vertical. É dividido em superior, inferior, 
direita e esquerda. Possui 6 derivações: 
D1: Compara o braço direito com o esquerdo 
D2: Compara o braço direito e perna esquerda 
D3: Compara o braço esquerdo com perna esquerda 
 
Derivações Unipolares aumentadas: Considera o centro 
do triângulo como um ponto zero. 
aVr: Do centro para a direita 
aVl: Do centro para a esquerda 
aVf: Do centro para o pé 
 
Plano Horizontal: Esse plano vai ver a parte anterior e 
posterior; direita e esquerda. As derivações vão de V1 a 
V6. 
 
As derivações V1, V2 e V3 estão vendo mais o lado direito. 
As derivações V4, V5 e V6 estão vendo o lado esquerdo 
que estão mais atrás. 
 
ONDA P 
O ritmo sinusal é determinado pelo nó sinusal. 
A ativação normal do átrio começa no nó sinusal, desce 
pelo átrio direito e vai para esquerda para o átrio 
esquerdo. 
Então no plano frontal a ativação dos átrios ocorreria da 
seguinte forma: Direita → Esquerda (D1+)/ Cima → Baixo 
(aVf+) 
 
Logo, no ECG o ritmo sinusal é definido por onda P antes 
do QRS e deverá ser POSITIVA EM D1 E EM AVF. 
 
O normal da onda P é ela ser formada por dois 
componentes: O componente do átrio direito e do 
componente do átrio esquerdo, fazendo uma 
interposição. A duração dela é cerca de 2,5 quadradinhos 
(<100ms). A amplitude normal é de 2,5 quadradinhos 
também (< 2,5mm). 
 
INTERVALO PR 
Está entre o início da onda P e o começo do QRS. 
 
A duração normal é de 3 a 5 quadradinhos (120 a 200ms). 
 
Além do intervalo PR há também o segmento PR. Ele é 
determinado pelo Intervalo PR sem a onda P. Ele 
determina o nó AV. 
O nó AV da uma pausa fisiológica pois na hora em que há 
a onda P o átrio contrai e nesse tempo o ventrículo precisa 
se encher para poder contrair. Por isso necessita dessa 
pequena pausa. 
QRS 
Determinado por três vetores que serão vistos de forma 
diferente a depender da derivação. São três fases de 
ativação: Septo, parede livre e basal. 
Ativação Septal: Vista da esquerda para direita. V1 que 
vai estar à direita, vai ver o vetor como positivo (onda R). 
Já as derivações a esquerda (V5 e V6) vão ver como 
negativo (onda q). 
O próximo vetor de ativação vai ser de paredes livres, indo 
para a esquerda. Nessa caso V1 vai ver como uma onda 
negativa (onda S) e V5 e V6 como onda positiva (onda R). 
O terceiro vetor de ativação é o que vai para as porções 
basais (lá para cima). V1 as vezes não vê, fica uma onda 
isoelétrica. V5 e V6 vão ver como uma onda negativa 
(onda S). 
 
 
Progressão no plano Frontal: 
 
A duração normal do QRS vai de 2 a 3 quadradinhos (80 a 
120ms). 
 
O orientação normal do QRS vai de -30º até 90º. 
Se estiver acima de -30º há um desvio para esquerda. Se 
forma além de +90º tem um desvio para direita. È possível 
ser visto pelas derivações do plano frontal. 
 
Determinando o eixo do QRS (Exemplos) 
A. 
1: Olhar para D1. Se D1 está positivo significa que o eixo 
está para esquerda. 
2: Olha aVf. Se avF estiver positivo o eixo está para baixo. 
 
Então esse eixo está entre D1 e aVf, ou seja está normal, 
compreendido entre 0 e 90º. 
 
B. 
1: D1 negativo, o eixo esta para direita. 
2: aVf positivo, o eixo está para baixo. 
A resultante é um eixo para direita e para baixo, indicando 
que está além de +90º. O desvio é para direita. 
 
C. 
1: D1: Positivo, a esquerda 
2: aVf: Negativo, para cima 
Resultante: O eixo está no quadrante superior esquerdo. É 
necessário observar se ele está além de -30º. Para isso tem 
que observar D2 (que está em +60º). 
3: Se D2 estiver positivo, o eixo do coração deverá estar 
para baixo de -30º, ou seja o eixo é normal. 
 
D. 
1: D1 positivo, eixo para esquerda 
2: aVf negativo, eixo para cima 
Resultante o eixo vai estar no quadrante superior 
esquerdo. Para saber se está normal, observa D2. 
3: D2 negativo o eixo deverá estar além de -30º, eixo 
desviado para esquerda. 
 
No plano horizontal: Olhar para V1. V1 ta negativo, o eixo 
vai para trás (eixo normal) (relembrar posições dos planos). 
 
A. 
1: V1 positivo, o eixo está para frente, ou seja está errado. 
O eixo normal vai para trás. Se ele está para frente é 
porque as câmaras cresceram ou tem um bloqueio. 
 
ONDA T E INTERVALO QT. 
 
A onda geralmente é positiva. Só há duas derivações em 
que é normal ela ser negativa: as derivações que estão do 
lado direito do coração (aVr e V1). 
É importante observar a onda T pois sua inversão pode ser 
sinal de infarto. 
 
INTERVALO QT: do inicio do QRS até o final da onda T. Tem 
duração normal de 360 a 440ms. 
Para saber se o QT está aumentado observa-se o 
segmento. Pega-se o QRS, observa a distância entre cada 
onda R e traça uma linha bem no meio. Se a onda T 
acabar antes da metade, ela está normal. Se ela acabar 
depois da metade do caminho entre duas ondas R, é 
provável que esse QT esteja alongado. 
 
 
 
RESUMO DO ELETRO NORMAL: 
 
 
O eletro normal tem: 
 
40ms de duração cada quadradinho 
0,1mv a voltagem para cima 
 
A onda U geralmente não aparece. Está mais presente em 
situações de bradicardia ou em situações de hipocalemia. 
 
VALORES NORMAIS: 
 
FC: 60-100 bpm 
Onda P: d< 0,10 s/ a< 2,5mm 
Intervalo PR: 0,12- 0,20s 
Complexo QRS: 0,08- 0,12s 
âQRS (plano frontal): -30º a +90º 
Intervalo QT: 360 – 440ms