A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
Resumo da Aula 3 Citricultura (Variedades Comerciais e Agroclimatologia)

Pré-visualização | Página 1 de 2

AULA 3 
Variedades Comerciais de Laranja e Suas Propriedades 
https://www.youtube.com/watch?v=UJ4HoLnzDww Parte 1 
https://www.youtube.com/watch?v=8b21AZzGYT4 Parte 2 
O planejamento de variedades Copa é uma etapa fundamental para o sistema 
de cultivo do Citros. O produtor variedades que tenham características que tenham 
bem ao seu mercado seja de fruta fresca o processamento de suco. Vai escolher 
variedades que permite o escalonamento da colheita ao longo do ano e que tenham 
características de boa adaptação as condições de clima, além do comportamento 
frente algumas pragas e doenças. Embora existam centenas de variedades de citros 
disponíveis, poucas estão em cultivo comercial atualmente no Brasil. 
Segundo o levantamento do Fundecitrus, em 2018 89% da área cultivada com 
citros no cinturão citrícola correspondia a laranjas doces, em seguida temos o grupo 
de Lima ácidas e Limões o 8% e por fim as tangerinas ocupando 3% da área 
cultivada. Dentro do grupo das Laranjas doces, apenas 7 cultivares apresentam 99% 
da área cultivada, entre as tangerinas as variedades Ponkan (43%) e Murcott (46%) 
dividem os cultivos. E entre as Limas ácidas, a variedade Tahiti chega a 90% da área, 
mas o limão verdadeiro tipo Siciliano cresceu a quase 10%. 
Do ponto de vista fundamental do processamento dos citros, as 
variedades de maior interesse serão sempre as variedades que atendam a 
demanda do mercado atual, tanto nacional quanto internacional. Pensando por 
exemplo no NFC que é o suco pronto para beber, o suco pasteurizado, 
características como sabor intenso, frescor e cor mais intensa são aqueles mais 
procurados. Também os sólidos solúveis, o brix, é um atributo muito importante, 
não só no NFC para atender as especificações, mas também para o suco 
concentrado a fim de que consigamos alcançar os rendimentos adequados no 
processamento industrial garantindo o rendimento e a competitividade do suco 
brasileiro. 
 
 
https://www.youtube.com/watch?v=UJ4HoLnzDww
https://www.youtube.com/watch?v=8b21AZzGYT4
 
 
Ocupando 35% da área cultivada a variedade de laranja Pera é a principal 
do Brasil, os seus frutos são de maturação de meia estação e tipicamente alongados, 
apresentam qualidade excepcional, tanto para fruta fresca quanto para indústria, ela 
é muito produtiva e apresenta muitas floradas, ou seja, permite várias colheitas ao 
longo do ano. Como ela não é resistente ao vírus da tristeza, é preciso escolher 
clones adaptados ao clima da região, outro aspecto muito importante é a 
incompatibilidade de enxertia sobre o Citrumelo Swingle e híbridos de trifoliata em 
geral. A laranja Valência ocupa hoje o segundo lugar de área cultivada no cinturão 
citrícola, com cerca de 27% de área cultivada, a maturação dos frutos é tardia e tem 
alta produtividade, e é resistente a tristeza dos citros, e alta concentração de sólidos 
solúveis. Com 11 5 da área cultivada a laranja Natal é ligeiramente mais tardia que a 
valência, seus frutos são de excelente qualidade para processamento, e ela é muito 
produtiva, embora em condições de campo venha apresentando mais 
susceptibilidade a podridão floral. A principal variedade de produção precoce no 
Brasil é a Hamlin (11%), ela é muito produtiva, porém a qualidade do seu suco é 
inferior e é mais susceptível ao cancro cítrico. Como existe demanda por variedades 
precoces de maior qualidade, o cultivo da Valência Americana vem crescendo e 
chegou a 4% da área cultivada, ela é muito produtiva e seus frutos tem melhor 
qualidade, embora tenha muitas sementes. A Laranja Folha murcha é super tardia, 
sua colheita é de dezembro a março, e ela representa hoje 4%, é uma variedade 
produtiva, com os frutos parecidos com a Valência, porém com porte menor 
possibilitando o adensamento de plantio e é mais resistente ao cancro cítrico. A 
Laranja Rubi (2%) apresenta coloração mais forte devido a coloração da polpa, mas 
seu uso deve ser cuidadoso pois a maioria das vezes apresenta baixa produtividade. 
E há cerca de 6% da área cultivada que é usava para a plantação de variedades 
tipicamente de mesa, o primeiro grupo são as Laranjas Bahia e Baianinha, ambas de 
umbigo, que não apresentam semente e são originárias do Brasil. O segundo grupo 
são as Laranjas Tipo Lima que tem baixíssima acidez, com destaque para a Laranja 
Lima Tardia e a Sorocaba, e finalmente vem crescendo a produção da Charmute de 
Brotas, variedade de alta qualidade, sem semente e maturação tardia. 
A diversificação da qualidade de Copas é tão importante quanto as de porta 
enxertos para manter a sustentabilidade da citricultura, novas variedades tardias ou 
precoces, com elevado grau de suco ou não, vêm sendo estudadas e em breve 
estarão disponíveis para cultivos comerciais. 
A Planta Cítrica e a Agroclimatologia para Citros 
A planta cítrica na verdade é a planta comercial de laranja, é angiosperma, 
com semente protegida pelo fruto, as raízes tem capacidade extrema de crescimento 
e absorção de água, como o porta enxerto do limão cravo. Em relação ao caule, os 
citros são plantas de crescimento relativamente lento e são plantas de caule 
extremamente resistente. Nas laranjeiras o ângulo do caule secundário é mais 
aberto, e nas Tangerinas geralmente é mais fechado. 
A Laranjeira tem características de folhas, então muitas espécies 
conseguimos diferencias apenas olhando as folhas, as folhas são simples com 
apenas um folíolo, e algumas espécies podem apresentar resquícios de folíolos 
também. 
 
 
 
Se olharmos as folha da tangerina (citrus reticulata) podemos perceber que 
a folha dela é simples e comprida e sem resquício de folíolo. 
 
 
 O pomeleiro apresenta folhas mais elípticas e coriáceas, apresenta pecíolo 
mais fino. 
 
 
O limão Siciliano, vulgo limão verdadeiro (C. limon) tem a folha um pouco 
diferente, então sabemos identificar qual seria limão cravo, poncirus trifoliata ou 
não. 
 
 
 
 
Mexerica Rio, embora a mexerica seja Citrus deliciosa, a Mexerica rio é uma 
cultivar diferente 
 
 
 
 
 
O tangor é um hibrido, tem a coloração da folha diferenciada 
 
 
 
A lima da pérsia (Citrus limettioides) tem a lateral das folhas voltadas para 
cima quando maduras. 
 
 
 
 
Agora se falando da evolução das plantas, as folhas modificadas 
também evoluem, tronando-se flores. Uma forma normal de citros tem 5 
pétalas, e cerca de 20 filetes e anteras. E no interior temos uma 
inflorescência, e podemos observar o estigma no centro da flor que encontra-
se solidificado, e quando essa flor está aberta, podemos dizer que está 
receptiva. Normalmente as flores dos citros são de coloração branca, nos 
citros limonia as pétalas podem ter tons rosados. 
 
Os citros são plantas alógamas, e quem faz a maioria de sua 
polinização são as abelhas, então são de grande importância para a 
polinização das flores e frutos. 
Vídeo: Florada em profusão das laranjeiras, mas sem elas não 
teríamos frutos. 
Já foi estudado e comprovou-se que em torno de 51% é a abelha Apis 
melífera quem az a polinização dos citros, ela é capaz de carregar o pólen e 
passar de flor em flor e alimentar-se. Cerca de 23,6% são de espécies são da 
Abelha Uruçu amarela (Melipona scutellaris), típicas de climas mais quentes. 
E cerca de 18% são da espécie abelha cachorro (Trigona spinipes), também 
de locais quentes. E é importante mencionar que esses três tipos de abelhas 
são nativas do Brasil. 
Então essa viabilidade ao ocorrer a antese, que acontecerá as 9h da 
manhã, e a viabilidade do estigma e pólen ocorre por 24h, então se for um 
clima seco e úmido por exemplo, essa dissipação do pólen ocorre rá de forma 
mais rápida. Normalmente as flores 
O citrus na verdade é uma fruta composta por vários frutos, ou seja, 
uma infrutescência. Com o passar do milhões de anos esses gomos da fruta 
começaram a se desenvolver e deram origem a uma fruta, algumas delas são 
mais visíveis essa “separação” com