A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Direito aplicado a gestão AVA 1 - UVA

Pré-visualização | Página 1 de 1

Caso 1:
Uma empresa contrata um motoboy para retirar e protocolar documentos de seus clientes. Ele comparece ao escritório de segunda a sexta-feira, onde recebe do gerente administrativo-financeiro instruções sobre as atividades que deve realizar. Suas entradas e saídas, inclusive para o almoço, são marcadas em folha de ponto. Todo mês, ele recebe também um contracheque, indicando a quantia que foi depositada em sua conta-salário.
 
Caso 2 :
Uma organização contrata os serviços de uma empresa de motoboys para retirar e protocolar documentos de seus clientes. Sempre que precisa desses serviços, o gerente administrativo-financeiro entra em contato com a empresa, que envia um motoboy de sua equipe que esteja disponível naquele momento. O motoboy recebe o documento a ser entregue, ou o pedido de retirada de documento, realiza a tarefa, reporta-se ao gerente administrativo-financeiro da organização e depois retorna à empresa de motoboys para a qual trabalha. 
Podemos afirmar que existe relação de emprego em ambos os casos apresentados? Justifique seu posicionamento apontando os pressupostos utilizados para embasar sua opinião, bem como apresentando outros exemplos.
 
Resposta: É correto afirma que no primeiro caso existe uma relação de emprego. Mas no segundo, uma relação de trabalho. 
É eminente que há relação de emprego em alguns casos de terceirização. Mas neste em específico, o que desconfigura é a falta de pessoalidade descrita no trecho “Sempre que precisa desses serviços, o gerente administrativo-financeiro entra em contato com a empresa, que envia um motoboy de sua equipe que esteja disponível naquele momento”
Um exemplo claro de relação de emprego em serviço terceirizado: 
“Uma organização contrata o funcionário através de uma consultoria.”
O vínculo empregatício deste colaborador será com a consultoria, mas ainda assim será subordinado à empresa em que presta serviço. Haverá pessoalidade, pois o serviço deverá ser executado pessoalmente pelo funcionário contrato, não podendo haver a possibilidade de substituição. E por fim, será um trabalho contínuo e não eventual.
Exemplo de relação de trabalho terceirizado: 
“Uma empresa esporadicamente contrato os serviços de manutenção de uma prestadora.”
Não há a obrigação de pessoalidade, tão pouco eventualidade.