A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Composição do Rebanho Leiteiro | Criação e Produção Animal

Pré-visualização | Página 1 de 1

Para um rebanho de sucesso, isto é, uma cultura com 
grande potencial produtivo quantitativo e qualitativo, é 
essencial que o proprietário estabeleça um planejamento 
de metas, faça sua execução, monitore seus resultados e 
planeje novamente fazendo ajustes, de forma a se 
adequar àquela produção 
O Gráfico de Intervalos entre Partos é um ótimo método 
para determinar o bem-estar de um rebanho. O Intervalo 
ideal entre partos nos animais de produção leiteiros varia 
entre 12 à 14 meses e o IEP inferior a esse tempo é um 
indicador de desgaste da fêmea e baixo bem-estar. 
O Intervalo do gráfico se inicia em um parto, exibindo o 
momento de lactação dos filhotes fêmeas, pois é neste 
momento que os filhotes machos são separados da mãe 
para serem vendidos à fazendas de corte ou servirem 
como reprodutores. Aos 4 meses, durante a lactação, o 
macho cobre a fêmea novamente, dando origem a uma 
nova gestação, que será observada pelo aumento da 
ingestão de matéria seca, seguido pelo aumento da 
condição corporal, que se mantinha baixa pelo Balanço 
Energético Negativo (BE-). 
Nos penúltimos meses é realizado o protocolo de 
secagem, um período de administração de hormônios 
que resultam no descanso fisiológico da lactação da 
fêmea até a chegada do próximo parto 
O Rebanho é composto por duas fases animais com 
exigências destintas: 
 
Dura de 2 à 3 meses, 
sendo o período do 
nascimento ao 
desmame, e composta 
por bezerras recém 
nascidas e em 
aleitamento. 
Nesta fase, visa-se 
aumentar o índice de 
sobrevivência, 
reduzindo o de 
mortalidade, que o 
animal tenha o maior 
peso possível ao 
desmame e que se 
adapte bem à dieta 
sólida 
Desafios: Doenças 
Infecto-Contagiosas, 
Parasitoses, má 
administração do 
colostro e do alimento 
líquido e sólido, 
subnutrição, etc. 
 
É o período do desmame 
ao primeiro parto. 
Composto por Bezerras 
recém desleitadas, antes 
e durante a puberdade, 
novilhas durante a 
maturidade sexual e 
adultas durante a 1ª 
Gestação 
Nesta fase, o objetivo é 
garantir que a fêmea 
consiga parir 
precocemente. 
 
 Divide-se a população de acordo com sua idade e fases de maturação sexual, atribuindo um índice de 
mortalidade aceitável para cada uma dessas categorias: 
Vacas em Lactação 
Vacas Secas 
Bezerras de 0-2 meses 
Bezerras de 2-6 meses 
Bezerras de 6-12 meses 
Bezerras de 12-18 meses 
Bezerras de 18-24 meses 
 
 
 
 
logo: 
𝑁𝑁º 𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 𝑆𝑆𝑆𝑆𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 = 
% 𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 𝑆𝑆𝑆𝑆𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 × 𝑁𝑁º 𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 𝐿𝐿𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑉𝑉𝑉𝑉
% 𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 𝐿𝐿𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑉𝑉𝑉𝑉
 
E) Número de Partos por mês (NP): 
𝑁𝑁𝑁𝑁 = 
𝑁𝑁º 𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 𝑇𝑇𝑇𝑇𝐿𝐿𝑉𝑉𝑇𝑇
𝐼𝐼𝐼𝐼𝑁𝑁
 
F) Número de Bezerras por mês: 
𝑁𝑁º 𝐵𝐵𝑆𝑆𝐵𝐵𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑉𝑉𝑉𝑉 𝑝𝑝𝑇𝑇𝐿𝐿 𝑚𝑚ê𝑉𝑉 = 𝑁𝑁𝑁𝑁 × 0,5 (𝑓𝑓ê𝑚𝑚𝑆𝑆𝑉𝑉) 
G) Índice de Sobrevivencia: 
% 𝑆𝑆𝑇𝑇𝑆𝑆𝐿𝐿𝑆𝑆𝑆𝑆𝐿𝐿𝑆𝑆ê𝑛𝑛𝑉𝑉𝐿𝐿𝑉𝑉 =
100 − % 𝑀𝑀𝑇𝑇𝐿𝐿𝐿𝐿𝑉𝑉𝑇𝑇𝐿𝐿𝑀𝑀𝑉𝑉𝑀𝑀𝑆𝑆
100
 
 
 
 
 
 
 
 
Para calcular a quantidade de vacas reprodutoras, precisamos multiplicar a quantidade de Nascimentos/Vacas 
Sobreviventes pela quantidade de meses de uma categoria, multiplicando o resultado pelo índice de 
sobrevivência dessa mesma categoria. O resultado exprimira a média de Vacas Sobreviventes dessa categoria. 
Para saber a quantidade de Vacas Sobreviventes por mês da próxima categoria, dividimos o numero de Vacas 
Sobreviventes da Categoria passada pelo intervalo de meses dela: 
 
Exemplo: Em um rebanho cujo número de bezerras por mês seja 6 
𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩 𝒅𝒅𝑩𝑩 𝟎𝟎 − 𝟐𝟐 𝒎𝒎𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩 �𝟒𝟒% 𝒅𝒅𝑩𝑩 𝒎𝒎𝒎𝒎𝑩𝑩𝒎𝒎𝑩𝑩𝒎𝒎𝒎𝒎𝒅𝒅𝑩𝑩𝒅𝒅𝑩𝑩� → 𝟔𝟔 𝑵𝑵𝑩𝑩𝑩𝑩𝑵𝑵𝒎𝒎𝒎𝒎. × 𝟐𝟐 𝒎𝒎𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩 = 𝟏𝟏𝟎𝟎 𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩 𝒏𝒏𝑩𝑩 𝑵𝑵𝑩𝑩𝒎𝒎𝑩𝑩𝒄𝒄𝒎𝒎𝑩𝑩𝒎𝒎𝑩𝑩 
↳ 𝟏𝟏𝟎𝟎 𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩 × 𝟎𝟎,𝟗𝟗𝟔𝟔 = 𝟗𝟗,𝟔𝟔 𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩 𝑺𝑺𝒎𝒎𝑺𝑺𝑩𝑩𝑩𝑩𝑺𝑺𝒎𝒎𝑺𝑺𝑩𝑩𝒏𝒏𝒎𝒎𝑩𝑩𝑩𝑩 → 𝟗𝟗,𝟔𝟔 𝟐𝟐 𝒎𝒎𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩 � → 4,8 Bezerras Sobreviventes por mês 
𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩 𝒅𝒅𝑩𝑩 𝟐𝟐 − 𝟔𝟔 𝒎𝒎𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩 �𝟐𝟐% 𝒅𝒅𝑩𝑩 𝒎𝒎𝒎𝒎𝑩𝑩𝒎𝒎𝑩𝑩𝒎𝒎𝒎𝒎𝒅𝒅𝑩𝑩𝒅𝒅𝑩𝑩� → 𝟒𝟒,𝟖𝟖 𝑩𝑩𝑺𝑺 × 𝟒𝟒 𝒎𝒎𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩 = 𝟏𝟏𝟗𝟗,𝟐𝟐 𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩𝑩 𝒏𝒏𝑩𝑩 𝑵𝑵𝑩𝑩𝒎𝒎𝑩𝑩𝒄𝒄𝒎𝒎𝑩𝑩𝒎𝒎𝑩𝑩 … 
 
 
 
A) Número de Vacas: 
𝑁𝑁º 𝑀𝑀𝑆𝑆 𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 =
𝑉𝑉𝑇𝑇𝑇𝑇. 𝑇𝑇𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑆𝑆 𝑀𝑀𝑆𝑆𝑉𝑉𝑆𝑆𝑑𝑑𝑉𝑉𝑀𝑀𝑇𝑇/𝑀𝑀𝐿𝐿𝑉𝑉
𝑉𝑉𝑇𝑇𝑇𝑇. 𝑇𝑇𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑆𝑆/𝑀𝑀𝐿𝐿𝑉𝑉/𝑆𝑆𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉
 
B) Porcentagem de Vacas em Lactação: 
% 𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 𝐿𝐿𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑉𝑉𝑉𝑉 =
𝑁𝑁𝑆𝑆𝐿𝐿í𝑇𝑇𝑀𝑀𝑇𝑇 𝑀𝑀𝑆𝑆 𝐿𝐿𝑉𝑉𝑉𝑉𝐿𝐿𝑉𝑉çã𝑇𝑇
𝐼𝐼𝐼𝐼𝑁𝑁
× 100 
C) Porcentagem de Vacas Secas: 
% 𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 𝑆𝑆𝑆𝑆𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 = 100 − % 𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 𝐿𝐿𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑉𝑉𝑉𝑉 
D) Número de Vacas Secas: 
𝑁𝑁º 𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 𝑆𝑆𝑆𝑆𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 = % 𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 𝑆𝑆𝑆𝑆𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 
𝑁𝑁º 𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 𝐿𝐿𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑉𝑉𝑉𝑉 = % 𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉𝑉 𝐿𝐿𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑆𝑆𝐿𝐿𝐿𝐿𝑉𝑉𝑉𝑉 
 
 
 
 
 
 
 
Consiste na série da cálculos para definir as metas para cada rebanho: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Após o nascimentos, os primeiros cuidados com o bezerro 
devem ser a inspeção física do animal, garantir que esteja 
em ambiente protegido e limpo, o corte e a desinfecção 
do umbigo, com tintura de iodo, e a identificação do 
animal com brinco e marcação da sua data de 
nascimento. 
Colostro: É o primeiro leite produzido pela mãe, uma 
mistura de secreções lácteas com soro sanguíneo, 
possuindo uma rica oferta de imunoglobulinas. 
O Colostro deve ser avaliado de forma interdisciplinar: 
fatores ligados à matriz (qualidade e quantidade de 
colostro), ligados à bezerra (capacidade de mamar e 
absorver os nutrientes pelo intestino) e ligados ao criador 
(manejo do colostro aos filhotes) 
Por ser uma fonte de proteínas imunológicas aos bezerros, 
estes filhotes também nascem com alta absorção de 
imunoglobulinas pelo tecido entérico, absorção essa que 
é reduzida fisiologicamente após horas de aleitamento 
Os filhotes também contam com a fisiologia de 
gotejamento esofágico, que possibilita a chegada do leite 
diretamente ao intestino, pulando o rúmen e o retículo, e 
visando mais agilidade de chegada do alimento úmido no 
ápice da absorção. 
O Aleitamento pode ser feito de duas formas diferentes: A 
natural e a artificial 
O Aleitamento Natural é realizado pela sucção direta do 
filhote com as tetas da mãe, necessitando do estimulo do 
bezerro para a ejeção de leite. É recomendado para 
animais com baixa produção leiteira e baixa persistência 
de lactação (secagem imediata). Um maleficio dessa 
prática é a falta de controle da produção e do consumo de 
leite e a falta de higiene, pois não conta com nenhum 
O Aleitamento Artificial é a oferta de leite de forma 
indireta, utilizando baldes, maldes com bico ou 
mamadeiras. É um modelo que não priva o animal de 
alimento e de mais fácil controle da quantidade e 
qualidade do leite oferecido. É uma ordenha mais 
higiênica e recomendada para animais com maior 
persistência de lactação, não necessitando do estímulo do 
bezerro para continuar produzindo leite.