A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
51 pág.
Apostila-Fundamentos-da-Música-1

Pré-visualização | Página 9 de 14

que o aluno venha a ler e escrever 
com maior rapidez para assim acompanhar os planos escolares e suas atividades 
diárias, facilitando assim o trabalho de acompanhar as fases individuais dos alunos, 
que quase sempre não são respeitadas, pois estes alunos que não acompanham 
essa norma (ler e escrever) no tempo determinado pelo sistema educacional são 
taxados como lentos e necessitados de reforço em suas atividades. 
5.1 Educação musical 
A arte é um instrumento para a transformação de seres humanos em sua 
plenitude, desperta mais atenção em seu processo de sentir, por conseguinte, para 
o sentir dos outros. 
A música, como uma das linguagens da arte, como capacidade 
exclusivamente humana, tem sido compartimentada e compartilhada pelos diversos 
povos e sociedades através dos tempos. A música é um acontecimento sonoro que 
ao ser ouvido, diz como foi feito e oferece acepções diversas para a receptividade 
sensível. A música como expressão transforma emoções, percepções, sentimentos 
e ideias do ser humano num processo elaborado de organização dos sons, dando-
lhes forma. 
A música sempre esteve presente na vida das pessoas, seja em forma de 
letras simples desde a infância, ou cantaroladas e até pelos cantos dos pássaros. Os 
 
32 
 
sons podem ser ouvidos de várias formas e cada qual interpreta do seu modo e a 
sua maneira. 
 
 
Fonte: terradamusicablog.com.br 
A Educação Musical é um valor da construção humana, porque a música é 
uma linguagem artística organizada e estruturada culturalmente, que, justamente 
com o código de sua construção, é um fato histórico e social. 
A principal fonte musical para as crianças em idade escolar é a mesma para 
todas as classes sociais. O papel do educador musical, neste caso, torna-se de 
extrema importância, pois estará em suas mãos a condução de um processo de 
construção de ouvintes críticos e conscientes. 
Na escolarização, a criança intensifica sua ação avaliativa sobre o que está 
ao nível de fantasia, o que é real, o que é conveniente, o que é aconselhável, o que 
é válido, o que é saudável, ou não. O processo de escolarização sendo propício 
para explorar a imaginação da criança deve ser bem aproveitado, pois, a partir daí o 
desenvolvimento infantil se orienta para o discurso verbal e lógico e os centros de 
interesses passam a ser outros. 
É tarefa da escola estender o campo da experiência musical do aluno, 
oferecendo-lhe, também, meios que diferenciem os contextos sonoros e suas 
relações nos períodos históricos-sociais. 
A música afeta a mente, o corpo e as emoções, desta forma o período de 
educação musical pode ser crucial na vida da pessoa, configurando-se como agente 
de desenvolvimento sensorial e emocional, como estímulo mental e como forma de 
 
33 
 
sensibilização. Estes aspectos entrelaçados entre si, fundem a mente, o corpo e as 
emoções do aluno numa experiência musical importante ao desenvolvimento dos 
processos cognitivos. 
A música, enquanto atividade social, cria um espaço onde se dão as relações 
interpessoais. O espaço social criado para o aluno na escola é, desde o início, um 
mundo próprio, diferente do círculo familiar, no qual existem grupos maiores que 
impõem certos padrões de conduta, onde o aluno deverá desenvolver-se integrando-
se. Uma das formas que proporcionam esta integração é o grupo musical. 
A educação musical, enquanto processo de desenvolvimento da linguagem 
musical da pessoa, depende das suas experiências e da maneira que as utiliza. Elas 
podem permitir a auto expressão e o desenvolvimento da personalidade, oferecendo 
oportunidade à criação de atitudes sadias sobre si mesmo e sobre os outros e, 
ainda, provocar identificações de acordo com seu próprio nível emocional. 
Se a educação musical tomar como princípio a ênfase nos processos 
cognitivos, vai movimentar o fazer musical do aluno. Como consequência da ação 
cognitiva, a objetivação do conhecimento permitirá a qualquer pessoa o acesso a 
pensamentos expostos sobre determinado fenômeno musical. O desenvolvimento da 
consciência e da inteligência depende do desenvolvimento perceptivo que pode e 
deve ser trabalhado na área do conhecimento musical fundamentado nas 
experiências auditivas. 
A criança não nasce com seu desenvolvimento predeterminado, ao contrário, 
a exposição à cultura e à língua específica determina a sua forma de perceber o 
mundo e a si mesmo. Nesse contexto como a música parte da cultura sócio histórica 
do homem, pode contribuir para o desenvolvimento da criança. 
A música se faz presente na história da humanidade. Ao nascer a criança 
entra em contato com o universo sonoro que a cerca. Sua relação com a música 
pode ocorrer, por exemplo, por intermédio do acalanto da mãe ou aparelhos 
sonoros, sons da natureza e outros sons produzidos em seu cotidiano. Sendo assim 
a música dialoga com a constituição interna do ser humano. A criança estabelece 
suas primeiras relações com o mundo sociocultural por meio dos sentidos e dos 
laços afetivos. 
A musicalização favorece a oralidade, uma vez que a música é 
primordialmente oralidade. A música reorganiza todos os processos mentais da 
 
34 
 
criança. A palavra passa a ser assumida como um fator excepcional que dá forma à 
atividade mental, aperfeiçoa o reflexo da realidade e cria novas formas de memória, 
de imaginação, de pensamento e de ação. 
A musicalização desenvolve o senso musical da criança, sua sensibilidade e 
expressão, ou seja, insere a criança no mundo da música. O trabalho com a 
musicalização desperta e aprimora o gosto musical, favorece o desenvolvimento da 
5 sensibilidade, o ritmo, o prazer de ouvir a música, a imaginação, memória, 
atenção, autodisciplina, socialização e afetividade. Também contribui para a 
consciência corporal e a movimentação, permitindo dessa forma que a criança 
conheça a si mesma melhor 
Compreende-se a música como linguagem e forma de conhecimento, por 
meio de brincadeiras e pela intervenção de professores ou do convívio social, a 
linguagem musical tem estruturas e características próprias: 
 
• Produção – centrada na experimentação e na imitação, tendo como 
produtos musicais a interpretação, a improvisação e a composição; 
• Apreciação – recepção tanto dos sons e silêncios quanto das estruturas e 
organizações musicais, buscando desenvolver por meio do prazer da 
escuta, a capacidade de observação, análise e conhecimento; 
• Reflexão – sobre questões referentes à organização, criação, produtos e 
produtores musicais. 
 
Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais de Arte, para que a 
aprendizagem de música faça sentido na formação cultural e cidadã dos alunos, 
desde as séries iniciais, é necessário que todos tenham oportunidades para 
participar ativamente como ouvintes, intérpretes, compositores e improvisadores de 
sequências rítmicas, dentro e fora da sala de aula. 
A música treina o cérebro para formas relevantes de raciocínio. Dada a 
importância que a música assume para o homem, ouvir e fazer música passou a ser 
para as pessoas uma possibilidade capaz de proporcionar a alegria da realização 
pessoal, o enriquecimento de seu mundo interior, uma nova forma de comunicação. 
A educação musical tem como um de seus objetivos estimular o aluno e fazer 
com que melhore sua atenção e sua concentração. Por meio da educação musical 
 
35 
 
podem ser observados o desenvolvimento da sensibilidade, afetividade, a 
personalidade, desenvolvimento pessoal, capacidade motora e mental, imaginação, 
etc. 
A música ajuda também como fonte de observação do professor para que ele 
crie meios avaliativos mais justos, com maior igualdade e respeito às condições de 
cada um. A interação dos alunos com a música mostra como vivem, como pensam e 
como reagem diante das situações vividas diariamente, muitas são as riquezas de 
informações, e cabe ao professor saber o que fazer com elas, e como usá-las da 
melhor forma possível.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.