A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
AULA - Direito Civil 1 - Introdução

Pré-visualização | Página 2 de 7

· Individual – diz respeito às características físicas da pessoa (idade, sexo, cor, altura, etc.) 
· Familiar – indica a sua situação na família, em relação ao matrimonio e ao parentesco. 
· Político – concerne a posição do indivíduo na sociedade política.
Direitos da personalidade (art. 11 ao 21 CC)
· São direitos essências a proteção da dignidade humana, proteção dada às relações com particulares.
· Característica: extrapatrimoniais; intransitiveis; oponíveis; impenhoráveis; irrenunciáveis; intransmissíveis; inatos ou decorrentes; perpétuos e insuscetíveis de apropriação, salvo se lei autorizar ou segundo a doutrina, for temporário, especifico e relativo (en. 4 e 139 JDC).
· Danos iatrogênicos – decorre do tratamento médico, resultado ou efeitos do tratamento, não se confunde com o erro médico, respondendo somente se não for informado sobre os efeitos.
· A imagem pode ser utilizada em casos jornalísticos, não comerciais, publicitárias.
· Não existe direito de personalidade do morto, entretanto, pode-se falar em tutela jurídica dos direitos da personalidade do morto (art. 12 § uni, e 20 §uni CC).
· Não se equipara a legitimidade extraordinário ou herança de direito, quem pleiteia tem legitimidade ordinária.
Corpo vivo (art. 13 CC)
· A regra obriga os médicos, nos casos mais graves, a não atuarem sem previa autorização do paciente, que tem a prerrogativa de se recusar a se submeter a um tratamento perigoso.
· Requisitos para dispor do corpo para fins de transplante: 
· Órgãos dúplices ou regeneráveis, cuja perda não implique risco de vida ou deformidade ao doador. 
· Gratuidade do ato (tecnicamente é uma dação e não doação).
· Beneficiário e doador devem integrar o mesmo grupo familiar, caso contrário, somente com autorização judicial (exceto medula óssea).
Corpo morto (art. 14 CC)
· O direito ao cadáver é expressão do direito à integridade física, ou seja, integra os direitos da personalidade.
· Doação somente com autorização (art. 4º lei de transplantes, en. 227 JDC).
· Em se tratando de pessoa indigente, não poderá haver retirada de órgãos para fins de transplantes. Entretanto, ela pode ter seu corpo encaminhado para estudos.
· Violação do cadáver é possível somente em duas hipóteses: 
· Produção de provas em processo penal; 
· Transplantes.
· Requisitos para disposição do cadáver é possível (Lei 9.434/97): 
· Gratuidade; 
· Possibilidade de disposição integral do corpo; 
· Impossibilidade de escolha do beneficiário (pois existe fila de receptadores de órgãos, por critério de urgência); 
Nome (art. 16 a 19 CC)
· Escolha livre desde que não exponha ao ridículo; servidor pode se recusar a registrar nesses casos (art. 55 §único LRP);
· Prenome - identificação da pessoa, primeiro nome.
· Sobrenome - apelido de família; indica origem da pessoa (art. 16 CC);
· Agnome - Partícula diferenciadora que distingue pessoas que pertencem à mesma família e possuem o mesmo nome (Jr, filho, neto); 
· Hipocorístico - é uma alcunha (apelido) que serve para identificar alguém pessoal e profissionalmente.
Alteração (art. 55 a 60 lei 6.015/73) 
· O nome somente poderá ser modificado mediante justa causa (decisão judicial) ou nos casos previstos em lei.
a) Quando houver erro gráfico, mudança de sexo, casamento e divórcio (art. 1.565 CC), expuser seu portador ao ridículo, apelido público e notório, necessidade de proteger testemunhas de crimes, prenome de uso.
b) Em caso de homonímia; 
c) Em caso de tradução de nomes estrangeiros, de adoção, de reconhecimento de filho, de casamento e de dissolução de sociedade conjugal.
Direito a imagem 
· Imagem retrato: Características fisionômicas da pessoa. Diz respeito ao pôster da pessoa. 
· Imagem atributo: Diz respeito às características emocionais da pessoa. Exteriorização da personalidade do indivíduo. Essa imagem também é aplicável à Pessoa Jurídica. 
· Imagem voz: Timbre sonoro identificador.
Ausência (art. 22 ao 39 CC)
· Quando não há indicativos da morte ou risco de morte do indivíduo e sim do desaparecimento. 
Curadoria (art. 22 a 25 CC)
· A requerimento de qualquer interessado, ou do MP, o juiz declarará a ausência, e nomear-lhe-á curador (caso não haja cônjuge, pais ou descendentes), que durante 1 ou 3 anos levantará o inventario e entregará ao curador; publicará editais de 2 em 2 meses; cessa a curadoria com: o retorno do ausente; pela certeza da morte; ou pela sucessão provisória.
Sucessão provisória (art. 26 a 36 CC)
· Após passado 1 ano com curador, ou 3 anos caso haja representante ou procurados; os herdeiros irão cuidar provisoriamente durante 10 anos, dos bens (qualquer alteração nos patrimônios do desaparecido, deverá o herdeiro dar uma caução, por motivos de retorno do ausente); cessa com: o aparecimento do ausente; ou sucessão definitiva
· Bens móveis podem ser alienados sem qualquer restrição, já os imóveis, somente por desapropriação ou por ordem judicial, para evitar a ruína (art. 31 CC). 
Sucessão definitiva (art. 37 a 39 CC)
· Converte- se em sucessão definitiva: ao passar 10 anos em julgado a sentença de abertura da sucessão provisória (caso o ausente retorne, terá seus bens de volta os patrimônios que estivessem em seu nome de forma intacta), fase na qual o ausente é considerado morto.
· Como a curadoria do ausente fica restrita aos bens, não produzindo efeitos de ordem pessoal, o cônjuge do ausente não é considerado viúvo(a). 
· Para se casar, terá de promover o divórcio citando o ausente por edital (CC, art. 1.571, § 1º).
Pessoa jurídica (art. 40 a 69 CC)
· São entidades as quais a lei confere personalidade, capacitando-as a ser sujeitas de direitos e obrigações. Atuam na vida jurídica com personalidade diversa da dos indivíduos que as compõem.
· Constituída na forma da lei, por uma ou conjunto de pessoas naturais, ou conjunto de bens, com personalidades distinta da dos seus integrantes.
· Registro (art. 45 CC) - A personalidade jurídica é adquirida com o registro desse ato constitutivo (contrato social ou estatuto) no órgão competente. Se não há o registro, será uma sociedade de fato, irregular ou não personificada.
Requisitos para constituição da PJ
· Vontade humana - Surgem pela vontade humana (direito privado) ou pela lei (direito público); “affectio societates”.
· Licitude de seus objetos - objetivos ilícitos ou nocivos constituem causa de extinção da pessoa jurídica (art. 69, CC).
· Observações das condições legais - Deve ser levado a registro para que comece, então, a existência legal da pessoa jurídica de direito privado (art. 45 CC). Antes do registro, não passara de mera “sociedade de fato” ou “sociedade não personificada”.
Pessoas Jurídicas de Direito Público
· Externo – ONU, OTAN, OEA e os países. 
· Interno - Administração Direita e Indireta (art. 41 CC).
Pessoas Jurídicas de Direito Privado 
· Associações – entidades, agrupamento de pessoas que não tem fins lucrativos, mas morais, culturais, desportivos ou beneficentes; não há “affectio societates”; extinção da associação somente com trânsito em julgado (art. 53 a 61 CC, art. 5º XVIII, XIX, XX, XXI CF).
· Sociedades.
· Fundações.
· Organizações Religiosas - tem fins pastorais e evangélicos e tratam da complexa questão da fé, distinguindo-se das demais associações civis.
· Partidos Políticos - tem fins políticos, não se caracterizando pelo fim econômico ou não.
· Sindicatos - embora não mencionados no art. 44 do CC, tem a natureza de associação civil (art. 8º, CF; art. 511 e 512 CLT). 
· Empresas Individuais de Responsabilidade Limitada - foram incluídas no rol do art. 44 do CC pela lei. 12.441/2011.
Desconsideração da pessoa jurídica (art. 50 CC, art. 28 CDC, art. 133 CPC)
· Suspensão episódica dos efeitos dos atos constitutivos da pessoa jurídica.
· Desconsidera a pessoa jurídica em razão de possíveis fraudes dos sócios, que podem esconder seu patrimônio na sociedade, ou vice versa. O nosso ordenamento jurídico abre essa exceção para evitar tais fraudes.
· Previsto também no art. 34, lei 12.529/11, e art. 4º, lei 9.605/98.	Comment by Adilson: Art. 34. A personalidade jurídica