A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
ALOPECIA AREATA

Pré-visualização | Página 1 de 1

Dermatologia Tayana Bastos – ATM23 
 
ALOPECIA AREATA 
 
Doença folicular autoimune 
 
Fisiopatologia: Agressão de linfócitos T às células foliculares. 
 
Clínica 
 
Descrição da lesão: placa(s) de alopecia lisa(s), não cicatricial, sem 
sinais inflamatórios, devido a uma perda aguda de pelos. 
A presença de pelos peládicos (em ponto de exclamação) sugerem o 
diagnóstico. 
Pode acometer qualquer região que contenha pelos: couro cabeludo, 
barba, púbis etc.). 
 
Tem várias classificações de acordo com a quantidade de placas e a 
localização, mas o tratamento é basicamente igual para todos. 
 
 
 
 
 
 
 Pelos peládicos 
(pequenos e em exclamação) 
 
 
 
 
 
 
Sinais e sintomas concomitantes: Em geral são 
assintomáticos, mas alguns pctes podem sentir 
tricodínea (sensação dolorosa inespecífica no couro 
cabeludo). Lesões ungueais podem estar associadas, 
principalmente as depressões cupuliformes. 
 
O que investigar: 
Fatores desencadeantes: estresse emocional ou físico, história familiar 
Doenças associadas: atopia, vitiligo, tireoidopatias, doença inflamatória intestinal, lúpus, diabetes. 
 
Diagnóstico 
 
Clínico. 
• O teste de tração positiva na periferia da placa sugere atividade de doença. 
 
Dermatoscopia: 
• Pontos amarelos 
• Pelos cadavéricos 
• Pelos peládicos 
• Pelos fraturados. 
 
 Se necessário, realizar a biópsia da área da periferia da placa da alopecia. 
Dermatologia Tayana Bastos – ATM23 
 
Diagnóstico Diferencial 
 
• Tinha do couro cabeludo 
• Tricotilomania 
• Alopecia da sífilis secundária 
• Alopecia triangular temporal 
 
Tratamento 
 
O objetivo é controlar a doença e estimular a repilação. 
 
Para doença inicial, até 2 ou 3 pequenas placas: 
• Clobetasol 0,05% pomada ou gel: aplicar nas placas de alopecia e massagear 2x/dia. 
• Minoxidil: 2 a 5% solução capilar: pingar 20 gotas no couro cabeludo seco 1x/dia (associado ao Clobetasol 
tópico, mas aplicados em horários diferentes). 
 
Para placas maiores, com sinais de atividade de doença: 
• Triancinolona: suspensão estéril 20 mg/mL diluído em Lidocaína Solução injetável 2%, SF 0,9% ou em água 
destilada estéril. Adquirir uma proporção de 2,5 mg/mL (para face) ou 10 mg/mL (para couro cabeludo): 
injetar pequenas alíquotas em diversas punturas distribuídas pela placa de alopecia. Aplicações a cada 3 a 6 
semanas, até obter resposta satisfatória. 
• Minoxidil 2 a 5% solução capilar: pingar 20 gotas no couro cabeludo seco 1x/dia (uso domiciliar). 
 
Para doença em progressão, várias áreas do corpo acometidas: 
• Prednisona: VO 0,5-1 mg/kg/dia, até o controle de atividade de doença. Depois iniciar o desmame gradual e 
lento. 
• Ciclosporina 3-6 mg/kg/dia VO de 12/12 horas; 
• Metotrexato 12,5-25 mg/semana VO. 
 
 Profilaxia de estrongiloidíase disseminada antes do início de corticoide oral. Opções: 
• Ivermectina (6 mg/cp) 200 microgramas/kg VO em dose única; 
• Albendazol (400 mg/cp) 400 mg/dia VO, por 3 dias. 
• Minoxidil 2 a 5% solução capilar: pingar 20 gotas no couro cabeludo seco 1x/dia (uso domiciliar contínuo).