A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Peptídeos - Aula 1

Pré-visualização | Página 1 de 1

Júlia Corrêa - 2026.1 
 Bioquímica 
 Peptídeos de importância médica 
 
1. Vasopressina ou ADH 
• Possui 9 AAS 
• A ligação do ADH a receptores específicos estimula a contração de 
células musculares lisas na parede dos vasos sanguíneos. O ADH se liga a 
outros tipos de receptores (V2) que se ligam a Adenilatociclase 
dependente que ativam aquaporinas (proteínas que aumentam a 
permeabilidade da membrana a água.) aumentando a reabsorção de água 
pelos túbulos distais. 
• Principal função: controlar a osmolalidade e o volume dos líquidos 
corporais 
• Produzido no hipotálamo e secretado pela neuro-hipófise 
• Efeito: esse hormônio atua com um potente efeito vasoconstritor, fazendo 
com que a retenção de água aumente, atuando como hormônio 
antidiurético. 
• Estímulo para a secreção: a secreção é regulada por osmorreceptores e 
barorreceptores ultra sensíveis a variação da osmolalidade plasmática, 
além da volemia e PA. 
• Valor normal no sangue: 0,5-2,0 pg/ml 
• Metabolizado no fígado e nos rins. 
• Peptídeos Natridiuréticos: 
 - ANP: Atrial, secretados pela musculatura atrial direita. Quando a 
volemia aumenta atua nos rins aumentando a diurese. 
 - BNP : Cerebral e ventricular, atua principalmente no pos infarto e 
insuficiência cardíaca. 
*A sede funciona como importante fator regulador da osmolaridade 
plasmática. 
*Diabetes insipidus 
 - Central: pode ser resultante da falta de secreção de ADH ou por 
ausência de receptores renais para o ADH. 
 
 
 
 
 - Nefrogênico: resistência renal da ação do ADH. 
 - Gestacional: Outro tipo raro dessa diabetes tem sido descrita durante a 
gestação e é causada por uma excessiva degradação do ADH por uma 
enzima sintetizada na placenta. 
 - Polidipsia psicogênica: Normalmente encontrado em pacientes com 
transtornos psiquiátricos. Ocorre pela ingestão excessiva de água e por 
consequência o bloqueio da secreção de ADH. 
 
2.Ocitocina 
• “ Hormônio do amor” 
• Produção: núcleo paraventricular do hipotálamo 
• Composição: 9 AAS 
• Estímulo; iniciado nos receptores do mamilo via feixes espinotalâmicos 
que alcançam os núcleos hipotalâmicos 
• Moduladores: estrogênio eleva os níveis e catecolaminas bloqueiam a 
liberação. 
• Ação principal: atua na contração das células mioepiteliais das glândula 
mamárias (ejeção do leite), além de atuar nas contrações uterinas para o 
nascimento do bebê. 
*A mulher no pós parto deve tomar injeção de ocitocina. 
3. ACTH ou ADRENOCORTICOTRÓFICO 
• Composição; 39 AAS 
• Produção: 
• Liberação: 
• Principal Função: estimular a síntese e secreção de cortisol ou 
corticosterona pelo córtex da adrenal. 
• Mecanismo de ação: a ação desse hormônio é mediado pela interação 
com receptores específicos, ativando o sistema adenilciclase e a vida do 
fosfatilinosil. A ligação do ACTH ao receptor pode definir tanto a 
secreção de glicocorticóides quanto de esteróides sexuais. 
*Em altas concentrações pode promover lipólise, estimular a captação de 
glicose e aminoácidos pelo tecido muscular 
4. Angiotensinogênio 
 
 
 
 
• Produção: Globulina produzida no Fígado, que na presença de renina 
converte o angiotensinogênio em angiotensina I. 
*A enzima conversora de angiotensina é encontrada nos pulmões,rins, nas 
células epiteliais e no plasma, atua removendo 2 AAS carboxiterminais 
formando a ANGIOTENSINA II capaz de aumentar a PA por ser um 
importante vasoconstrictor. 
• Principais funções: 
 - Ação vasoativa potente 
 - Vasoconstricção da arteríola aferente. 
 - Inibe a liberação de Renina das células justaglomerulares. 
5. Glutation 
• Composto pelos AAS Ac glutâmico, cisteína e glicina. 
• Sintetizado no fígado 
• Funções: 
 - Metabolismo do ácido ascórbico, de H2O2 e outros peróxidos. 
 - “Ação detox”. Atua na desintoxicação de antidrepressivos ou 
benzodiazepídicos. 
6.TSH - Hormônio liberador de Tireotrofina 
• Composição: 3 AAS 
• Produção: Hipotálamo 
• Principal função; estimula a adenohipófise a produzir o TSH. O TSH por 
sua vez, atua na glândula tireoidea estimulando a produção, síntese e 
liberação de T3 e T4. 
7. Bradicininas 
• Composição: 9 AAS 
• Liberação ocorre através de proteínas plasmáticas por proteólise 
• Principal função; atua nas respostas inflamatórias da dor, vasodilatação e 
aumento da permeabilidade vascular. 
8. MSH – Hormônio melanotrófico 
• Composição: 18 AAS. 
• Produção: Glândula pineal. 
 
 
 
 
• Principal Função: Hormônio estimulante dos melanócitos, responsável 
pela pigmentação da pele em algumas espécies. 
• Atua como antioxidante nas células expostas a luz UV. 
9. Encefalinas 
• Composição; 5 AAS. 
• Produção: SNC (sob a forma de pró-encefalina) 
• Principais funções: Aliviam a dor e levam a sensação de euforia, por ser 
parecido com a morfina, ligam-se a receptores opióides do cérebro. 
10. GH ou Hormônio do crescimento 
• Composição: 191 AAS. 
• Produzido e secretado pela adeno-hipófise 
• Possui uma estrutura de 4 hélices que são necessárias para interagir com o 
receptor de GH. 
• Estímulo para liberação: GHRh (produzido no núcleo arqueado e pela 
grelina (hormônio da fome). 
*é liberado em picos várias vezes ao dia, sendo o exercício físico e o sono 
estímulos para a liberação de GH. 
• Funções: 
 - Aumenta a síntese proteica 
 - No fígado estimula a produção de IGH-1 (fator de crescimento 
semelhante a insulina) que leva ao desenvolvimento da musculatura e reduz 
a gordura corporal. 
11. GLP – 1 e 2 
• Similares ao glucagon 
• São sintetizados nas células L-intestinais. 
• O GLP-1 promove a redução dos níveis de glicose por estimular a 
secreção de insulina pela célula beta-pancreática. Ele também inibe a 
apoptose de celulas beta. 
• O GLP-1 tem ação direta causando o aumento da saciedade e redução do 
apetite. Também reduz a produção hepática de glicose. 
• O GLP-2 não tem ação sobre a insulina. 
12. Insulina - Peptídeo C 
• Composição: 51 AAS. 
• Ações : 
 
 
 
 
 - Aumento da permeabilidade celular a glicose. 
 - Aumento da síntese de glicogênio no fígado e músculos. 
 - Inibição da glicogenólise. 
 
 
 - Aumento da síntese de AGL. 
 - Redução da lipólise e proteólise. 
→ Proteínas transportadoras de glicose 
• Proteínas co-transportadoras: fazem transporte ativo de Na e glicose (ex; 
rins e instestino) 
• Proteínas carreadoras: transportam glicose sem gastar energia. São elas: 
 - GLUT 1: presente em todos os tecidos, princ. Endotélio e 
hemácias. 
 - GLUT 2: maior transportador de glicose nas células beta-
pancreáticas e do fígado. 
 - GLUT 3: encontrada no tec. Muscular fetal. 
 - GLUT 4: encontrada principalmente nos músculos e tec. Adiposo. 
 - GLUT 5: encontrada nas células do intestino delgado.