A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Exercício - AGRAVO INTERNO - PREQUESTIONAMENTO

Pré-visualização | Página 1 de 2

PEÇA PROCESSUAL 
 
ANDERSON DE OLIVEIRA foi citado por edital para responder a uma ação de execução de 
título executivo extrajudicial, consistente na cobrança de dívidas condominiais, que, segundo a inicial, 
perfazem o valor total de R$ 15.000,00 (quinze mil reais). 
A citação por edital ocorreu após duas tentativas frustradas por parte do oficial de justiça em 
localizar o devedor. A única providência ulterior tomada pelo Juízo consistiu em pesquisa no sistema 
do Detran, que resultou no mesmo endereço diligenciado pelo oficial de justiça. Assim, o magistrado 
entendeu ser suficiente a busca realizada e, diante da não localização de ANDERSON, determinou a 
citação por edital e nomeou o​ NAJ-UniCEUB como curador especial. 
O Núcleo apresentou embargos à execução e suscitou a nulidade da citação editalícia, 
realizada sem o esgotamento das possibilidades legais de localização do devedor. 
Na sentença, o juiz de 1º grau acolheu integralmente a pretensão deduzida pelo condomínio e 
determinou que ANDERSON efetuasse o pagamento da dívida. 
Inconformado com a sentença, o Núcleo interpôs apelação, requerendo a cassação da 
sentença por manifesta nulidade da citação por edital. Entretanto, o TJDFT manteve a sentença por 
seus próprios fundamentos e negou provimento à apelação. Eis a ementa do julgamento: 
 
APELAÇÃO CÍVEL. EMBARGOS À EXECUÇÃO. CITAÇÃO POR EDITAL. VALIDADE. 
RECURSO CONHECIDO E NÃO PROVIDO. 
1. O recorrente suscita preliminar de nulidade da citação por edital, por entender não terem 
sido esgotadas as diligências para localização e citação pessoal. 
2. A regra da citação pessoal não é absoluta, podendo ser relativizada quando comprovado 
nos autos que o Juízo efetuou diligências para tentar localizar o devedor. 
3. No caso, após duas tentativas de localização por oficial de justiça, o magistrado diligenciou 
junto ao Detran e encontrou o mesmo endereço do devedor já conhecido nos autos. 
Suficiência das medidas adotadas. 
4. Sentença mantida por seus próprios fundamentos. Apelação não provida. 
 
Diante do acórdão do TJDFT, foi interposto recurso especial fundado na violação aos artigos 
252 e 256, §3º, ambos do CPC. Na origem, o recurso foi inadmitido por aplicação do enunciado de 
súmula n. 7 do STJ, razão pela qual foi interposto agravo em recurso especial, que seguiu para 
análise perante o STJ. 
O Ministro Presidente do Superior Tribunal de Justiça, em decisão monocrática, não 
conheceu do recurso por entender estar ausente o requisito de prequestionamento da matéria 
de lei federal ventilada pelo recorrente​. 
O Núcleo de Prática Jurídica do UniCEUB, em 19 de outubro de 2020 (segunda-feira), foi 
eletronicamente intimado para a apresentação da peça processual cabível. 
Com base nas informações acima expostas e naquelas que podem ser inferidas do caso 
concreto, redija a peça cabível, excluída a possibilidade de ​habeas corpus​, sustentando todas as 
teses jurídicas pertinentes e datando-a ​no último dia do prazo legal​. 
 
 
QUESTÃO 1 
 
O enunciado de súmula n. 7 incide sobre pretensão de reexame ou de revaloração? Justifique, 
diferenciando o reexame da revaloração. 
 
O enunciado da Súmula 7/STJ diz respeito à vedação da análise de REsp caso o mérito 
consista em rever fatos e provas em si mesmo, ou seja, recai sobre o reexame. Não é cabível que se 
revisite matéria de fato ou provas, devido ao REsp servir para discussão de matéria de direito 
infraconstitucional. Difere da revaloração, eis que nesta existe a análise do acórdão do tribunal a quo, 
em especial o conjunto fático-probatório ali contido e, possivelmente, a reforma da decisão obtida 
pelo juízo de origem através de um novo olhar jurídico sobre a controvérsia. 
 
QUESTÃO 2 
 
Considere uma decisão de não conhecimento do agravo em recurso especial proferida pelo Ministro 
Presidente do STJ, motivada pela aplicação do enunciado de súmula n. 182/STJ. Em face de tal 
decisão, o NAJ-STJ interpôs embargos de declaração, embora ausentes os vícios previstos no artigo 
1.022 do CPC. Segundo a jurisprudência consolidada do STJ, caberia a aplicação do princípio da 
fungibilidade recursal? Justifique a resposta. 
 
Sim. O princípio da fungibilidade consiste na possibilidade de admissão de um recurso 
inadequado interposto no lugar de outro, em substituição. Busca respeitar a primazia da análise do 
mérito. Entretanto, não é absoluto, podendo ser limitado por erro grosseiro ou má-fé da parte que 
interpôs o recurso impróprio. No caso concreto, cabe a aplicação de embargos de declaração em 
substituição ao agravo interno, de acordo com a jurisprudência do STJ e com o art. 1024, § 3º do 
CPC. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE HUMBERTO MARTINS, 
DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA 
 
 
Número do processo:... 
Relator: Ministro Presidente Humberto Martins 
Agravante: Anderson de Oliveira 
Agravada:... 
 
 
ANDERSON DE OLIVEIRA, já devidamente qualificado nos autos do processo 
em epígrafe, vem, por meio dos advogados e estagiários do Núcleo de Prática Jurídica do 
UNICEUB, com fulcro no art. 1021 do Código de Processo Civil e art. 259 do Regimento 
Interno do STJ, interpor 
 
AGRAVO INTERNO 
 
em face de decisão monocrática do Em. Ministro Presidente que não conheceu do 
Agravo em Recurso Especial, a fim de se requerer o recebimento para retratação da decisão 
proferida, de acordo com o art. 259, § 6º do RISTJ ou, subsidiariamente que seja o presente 
recurso levado a julgamento perante esta Egrégia Corte para apreciação do colegiado. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A) REQUISITOS DE ADMISSIBILIDADE 
 
1) TEMPESTIVIDADE 
 
A decisão ora agravada foi publicada e o ora agravante foi intimado 
eletronicamente na data de 19/10/2020. 
De acordo com os art. 186, § 1º e art. 1003, § 3º, ambos do Código de Processo 
Civil, o prazo para interposição de Agravo Interno é de 15 dias úteis. Ressalta-se, ainda, que o 
Núcleo de Prática Jurídica goza da prerrogativa do prazo em dobro, nos termos do art. 186, § 
3º do CPC. 
Assim, tendo em vista o feriado na data de 02/11/2020, razão que enseja a 
exclusão na contagem, o termo final para interposição do presente recurso é 01/12/2020. 
Portanto, restou tempestiva a interposição do Agravo Interno nesta data. 
 
2) CABIMENTO 
 
De acordo com os art. 1021 do CPC e art. 259 do Regimento Interno do STJ, 
caberá Agravo Interno contra decisão monocrática de Ministro desta Corte Superior, com o 
propósito de se requerer a retratação do Relator, bem como a apresentação do feito em mesa 
para apreciação do colegiado. 
No caso, tendo em vista o teor da decisão monocrática que não conheceu do 
Agravo em Recurso Especial anteriormente interposto, resta cabível a irresignação desta parte 
manifestada através de Agravo Interno. 
 
3) INTERESSE E LEGITIMIDADE 
 
Não obstante a presença dos requisitos anteriores, faz saber que esta parte tem 
interesse e legitimidade para interpor o Agravo Interno, eis que sua pretensão lhe foi negada 
na decisão monocrática que não conheceu do AREsp pelo Eminente Ministro Presidente 
entender estar ausente o prequestionamento da matéria recorrida.