A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Tributário - Considerações iniciais e Competência

Pré-visualização | Página 1 de 1

Características do Sistema Tributário Nacional
- Altamente constitucionalizado
- Concentrado na tributação sobre o consumo
- Muito denso em relação à legislação infraconstitucional
- Concentração na União de maior número de tributos
- Competência tributária dos Municípios ocasionando um sistema poroso
Conceito
Direito Público
Relação entre fisco e contribuinte
● Receita Pública: dinheiro do Estado por arrecadação
- originária - o Estado assume o risco, explora a atividade econômica e seu
patrimônio. Se origina do próprio Estado, ele que busca a própria receita.
- derivado - Estado tira da iniciativa privada, através da arrecadação de
tributos.
Fontes
Fontes Primárias: criam a relação tributária. Fontes de produção normativa:
CF
EC
CTN
87/96
123/06
116/03
LO/MP/Leis
Delegadas/Dec
Legislativas/Resoluções
Fontes Secundárias: Poder executivo botando em prática as normas primárias sem
modificá-las.
Decretos regulamentares - Poder Executivo.
Normas complementares - art. 110 CTN
Art. 100. São normas complementares das leis, dos tratados e das convenções
internacionais e dos decretos:
I - os atos normativos expedidos pelas autoridades administrativas;
II - as decisões dos órgãos singulares ou coletivos de jurisdição
administrativa, a que a lei atribua eficácia normativa;
III - as práticas reiteradamente observadas pelas autoridades
administrativas;
IV - os convênios que entre si celebrem a União, os Estados, o Distrito
Federal e os Municípios.
Parágrafo único. A observância das normas referidas neste artigo exclui a
imposição de penalidades, a cobrança de juros de mora e a atualização do valor
monetário da base de cálculo do tributo.
OBS: Se alguma delas violar as fontes primárias, cabe aos contribuintes arguir.
Tributo
Art. 3 CTN “Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo
valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída
em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada.”
- Afasta a prestação in labore e in natura (mercadorias)
- Tributo pode ser extinto por dação em pagamento de bens imóveis.
EXCEÇÃO.
Prestação Compulsória: é uma imposição, não pode decorrer da vontade das
partes. É unilateral, não há contratualidade.
Que não constitua sanção por ato ilícito: não é multa. Fato gerador advém de
comportamento lícito, circunstâncias que ocasionam sua ocorrência
OBS: “Pecunia non olet”, rendimentos de qualquer natureza (IR)
Prestação instituída em lei: é atividade administrativa que cobra, plenamente
vinculada
Classificação dos Tributos
Quanto às funções:
Fiscal: IR
Instrumento de arrecadação - Estado Fiscalista
Tributação realizada para a manutenção (status quo) do Estado em sua estrutura
Extrafiscal: II, IE, IPI, IOF, ITR, IPTU, CIDE
Intervencionista: Estado interventor - Propulsor do Bem-Estar comum (Welfare
state)
Estímulo
Desestímulo
Parafiscal: Contribuições de interesse profissional (CRM/CRC/CRO ou interesse
econômico, contribuições sindicais)
Entidades Parafiscais - Delegação de interesses de grupos específicos.
Espécies tributárias
Impostos - IPTU, IPVA, ITR, ISS, IPI,...
Taxas - taxa de vigilância sanitária, coleta de lixo…
Contribuição de melhoria
Empréstimo compulsório
Contribuições especiais - sociais, CIDE, interesse de categoria, CIP (iluminação
pública)
Competência tributária
Art 6 CTN “Art. 6º A atribuição constitucional de competência tributária compreende
a competência legislativa plena, ressalvadas as limitações contidas na Constituição
Federal, nas Constituições dos Estados e nas Leis Orgânicas do Distrito Federal e
dos Municípios, e observado o disposto nesta Lei.
Parágrafo único. Os tributos cuja receita seja distribuída, no todo ou em
parte, a outras pessoas jurídicas de direito público pertencerá à competência
legislativa daquela a que tenham sido atribuídos.”
Características:
- indelegável
- irrenunciável
- imprescritível
- facultativa
Competência privativa - impostos. Todas as entidades políticas (U/E/DF/M) podem
instituir impostos. Mas a CF confere a cada um deles as bases econômicas
Da União - II, IE, IPI, IR, IOF, IGF e ITR
Estados e DF - IPVA, ICMS e ITCMD
Municípios e DF (comp. cumulativa do DF): IPTU, ITBI, ISS
Não podem criar outros
Competência comum - taxas e contribuições de melhorias. Os entes podem
instituir esses tributos pelas mesmas motivações (fatos geradores)
Competência exclusiva da União - empréstimos compulsórios, CIDES,
contribuições sociais, contribuições sociais, contribuições parafiscais.
Competência residual da União - possibilidade da União criar novos impostos e
novas fontes de custeio de contribuições sociais
Competência extraordinária da União - em caso de guerra externa ou sua
iminência
Competência Suigeneris - Municípios e DF, contribuições de iluminação pública
Formas de percepção
Direto - o custo do tributo é suportado pelo próprio contribuinte sem haver repasse
por ausência de etapa posterior. Ex: IPTU, IPVA, ITR.
Quem paga é quem experimenta o custo econômico ao mesmo tempo.
Indireto - paga mas precifica para outra etapa. Custo do tributo é juridicamente
repassado ao terceiro. Nesse caso há o contribuinte de direito que é aquele que
formalmente recolhe o tributo e o contribuinte de fato, que é aquele que suporta, do
ponto de vista econômico, o custo do produto. Ex: ICMS, IPI e ISS.
Art. 166 do CTN “Art. 166. A restituição de tributos que comportem, por sua
natureza, transferência do respectivo encargo financeiro somente será feita a quem
prove haver assumido o referido encargo, ou, no caso de tê-lo transferido a terceiro,
estar por este expressamente autorizado a recebê-la.”
Em razão da essencialidade dos produtos - tributação mais elevada para produtos
supérfluos (cigarros) e menos onerosas para os essenciais. Ex: IPI (obrigatório) e o
ICMS (facultativo)
Ao contrário da competência, a capacidade tributária é:
- delegável - Pessoa Jurídica de Direito Público capaz de arrecadar, cobrar e
fiscalizar. NÃO CRIA!
- pode ser revogada a qualquer momento e de forma unilateral
- transmite os privilégios processuais
- PJ de direito privado tem o cometimento da função de arrecadar