A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Imunização - Resumo + Questões

Pré-visualização | Página 1 de 3

É atribuição do pediatra informar os responsáveis pela criança e adolescente a respeito dos benefícios da 
vacinação na prevenção de doenças, não somente do ponto de vista individual, como também para a proteção 
da população como um todo. 
O ato de vacinar é uma responsabilidade social de proteção coletiva, e sua negativa deve ser considerada 
como negligência. 
Os calendários de vacinação devem ser consultados constantemente, uma vez que sofrem com frequência 
modificações, seja em função da inclusão de novas vacinas ou em decorrência de alteração nos esquemas 
preconizados para vacinas já incorporadas a eles. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CALENDÁRIO VACINAÇÃO – MS (2021) 
 
NASCIMENTO • BCG 
• Hepatite B 
2 MESES • Pentavalente (DTP + Hib + Hepatite B) 
• Pneumocócica 10 valente 
• VORH 
• VIP 
3 MESES • Meningocócica C 
4 MESES • Pentavalente (DTP + Hib + Hepatite B) 
• Pneumocócica 10 valente 
• VORH 
• VIP 
5 MESES • Meningocócica C 
6 MESES • Pentavalente (DTP + Hib + Hepatite B) 
• VIP 
9 MESES • Febre Amarela 
12 MESES • Tríplice viral (sarampo + caxumba + rubéola) 
• Pneumocócica 10 valente 
• Meningocócica C 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Depois de visualizar esse panorama da vacinação preconizada pelo Ministério da Saúde no ano de 2021, vamos 
destrinchar um pouco de cada uma dessas vacinas. 
Vacina BCG 
• Cepas atenuadas do Mycobacterium bovis (única vacina de bactéria atenuada) 
• Prevenção das formas graves de tuberculose (TB miliar, TB disseminada, meningite tuberculosa) 
• Feita ao nascimento, se RN com peso ≥ 2000g, dose única. 
• É administrada por via intradérmica (ID) 
• O tempo de evolução da lesão é de 6 a 12 semanas, embora possa se prolongar por até 24 semanas. 
o Nódulo → pústula → crosta → úlcera 
 
➔ Diante de um paciente que não desenvolve a cicatriz, não devemos revacinar! 
Eventos adversos 
• Úlcera > 1cm 
• Abscesso frio 
• Linfadenite regional supurada 
 
• Abscesso quente → drenagem + ATB para germes de pele 
Contraindicações 
• Imunodeficiência (congênita ou adquirida) 
• Grávidas 
• RN com peso < 2000g 
• Lesões de pele extensas 
 
 
15 MESES • Tetra viral (tríplice viral + varicela) 
• DTP 
• VOP 
• Hepatite A 
4 ANOS • DTP 
• VOP 
• Febre Amarela 
• Varicela (4 a 6 anos) → ATUALIZAÇÃO 2018 
10-19 ANOS • dT (a cada 10 anos) 
• menACWY (11 a 12 anos) → 2020 
• HPV (2 doses: 0 – 6 meses) 
o Meninos = 11 a 14 anos 
o Meninas = 9 a 14 anos 
Tratamento com ISONIAZIDA (10mg/kg) diariamente 
durante o tempo necessário para reverter o processo. 
Nessas duas situações, após a resolução do “problema”, vacinamos a criança. 
 
Vacina Hepatite B 
• Antígeno de superfície do vírus da hepatite B (HbsAg), obtido por engenharia genética. 
• A primeira dose da vacina hepatite B deve ser aplicada nas primeiras 12 horas de vida. 
• Altamente eficaz 
• Administrada por via intramuscular (coxa/deltoide) 
• Esquema de dose (12 horas, 2, 4 e 6 meses - pentavalente) 
 
➔ Em casos de recém-nascidos filhos de mães portadoras do vírus da hepatite B, é necessária a utilização 
de imunoglobulina humana específica (IGHB — 0,5 mL) nas primeiras 12 horas de vida, além da 
vacina, para a prevenção da transmissão vertical. 
 
PENTAVALENTE = DTP + Haemophilus influenzae b (Hib) + Hepatite B – administrada aos 2, 4 e 6 meses (IM) 
Vacina DTP 
• Toxoide diftérico 
o Crianças < 7 anos = D 
o Crianças > 7 anos = d 
• Toxoide tetânico 
• Bordetella inativada (vacina celular) → acelular (DTPa – menor reação) 
= Proteção - tétano, difteria e coqueluche 
➔ Nas grávidas, é importante sua administração para controle do tétano neonatal 
➔ Ferimentos de alto risco: reforço caso última dose tenha sido há mais de 5 anos 
➔ Esquema de dose: pentavalente (2, 4 e 6 meses) 
 reforço com DTP (15 meses e entre 4 a 6 anos) 
 reforço com dT (a cada 10 anos) 
Eventos adversos 
• Reações locais 
• Febre 
• Reações ao componente pertussis 
o Febre alta, irritabilidade 
o Choro inconsolável (≥ 3 horas) 
o Convulsões (em até 72 horas da vacina) 
o Síndrome hipotônica-hiporresponsiva (em até 48 horas) 
o Encefalopatia (em até 1 semana) 
▪ Convulsões + alteração comportamental/ de exame neurológico (dure mais de 24h) 
▪ Conduta: componente pertussis não será mais feito (DT ou dT) 
Vacina Haemophilus influenzae tipo b (Hib) 
• Protege contra epiglotite, pneumonia necrotizante e meningite 
• Recomendada em menores de 5 anos 
• Esquema de dose: 3 doses (pentavalente) 
o Reforço: em casos de imunodeficiência, asplenia, paciente com anemia falciforme 
• Em casos de crianças entre 1 e 5 anos que não foram vacinadas, é preconizada apenas uma dose da 
vacina, exceto nas crianças com anemia falciforme, as quais recebem 2 doses. 
Na próxima dose, usar antitérmico/analgésico 1 hora antes da vacina. 
Vacina acelular (dTPa) 
 
Vacina Poliomielite 
A poliomielite é uma doença que afeta os nervos, causando paralisia assimétrica (poliovírus 1, 2 e 3) 
• VIP 
o Vacina injetável de poliovírus inativados 
o Esquema básico: aos 2, 4 e 6 meses 
 
• VOP (protege contra os poliovírus 1 e 3) 
o Vacina oral de poliovírus vivos atenuados 
o A proteção contra o poliovírus 2 foi retirada, pois esse tipo tinha sido associado a casos de 
poliomielite vacinal 
o Imunização secundária de contactantes (eliminação fecal) – efeito rebanho 
Eventos adversos 
o Paralisia flácida 
 
➔ Obrigatoriamente as 3 primeiras doses (2, 4 e 6 meses) precisam ser realizadas com a VIP, já nos 
reforços (aos 15 meses e 4 anos) e nas campanhas vacinais (1 a 5 anos), podemos utilizar a VOP, 
desde que a criança já tenha recebido as 3 doses anteriores de VIP. 
➔ Caso a criança cuspa ou vomite logo após a administração da VOP, não repetimos a dose. 
Vacina Rotavírus (VORH) 
• O rotavírus é a principal cauda de diarreia aguda grave na criança (4-23 meses) 
• Elaborada com o vírus vivo atenuado (sorotipo G1), que faz reação cruzada com os outros sorotipos 
• Esquema de dose: 
o 1ª dose – 2 meses (até 3m 15 d) 
o 2ª dose – 4 meses (até 7m 29d) 
 
➔ Se a criança não tomar a 1ª dose até a data limite dos 3 meses e 15 dias, ela não poderá mais ser 
vacinada contra o rotavírus. 
➔ Caso a criança cuspa ou vomite logo após a VORH, não repetimos a dose. 
Contraindicações 
• Imunodeprimidos 
• História prévia de invaginação intestinal 
• Malformação no tubo intestinal 
Vacina Pneumocócica 
• Existem atualmente duas vacinas disponíveis: a vacina contra pneumococo conjugada 10-valente e a 
vacina conjugada 13-valente. A disponibilizada pelo MS é a pneumo 10 valente. 
• A vacina pneumocócica conjugada é indicada a todas as crianças até 5 anos de idade. 
• Recomenda-se 2 doses no 1º ano de vida (2, 4 meses) e uma dose de reforço entre 12 e 15 meses. 
Vacina Meningocócica 
• No primeiro ano de vida são recomendadas 2 doses da vacina meningocócica C aos 3 e 5 meses, 
sendo a dose de reforço entre 12 e 15 meses de idade. 
• A vacina disponibilizada pelo MS é a meningocócica C conjugada, mas – em 2020 – houve uma 
atualização, em que foi adicionado um reforço na adolescência (entre 11 e 12 anos) com a vacina 
meningocócica ACWY conjugada. 
ATENÇÃO! 
 
Vacina Tríplice Viral 
• Vacina de vírus vivos atenuados 
o Sarampo 
o Caxumba 
o Rubéola 
▪ Síndrome da rubéola congênita é caracterizada principalmente pela tríade: catarata + 
surdez + cardiopatia, em especial a persistência do canal arterial (PCA) ou estenose 
pulmonar 
• Esquema: 2 doses (12 e 15 meses) 
 
➔ Não fazer em grávidas! Após imunização, o ideal é esperar 1 mês para engravidar. 
Contraindicações 
• Uso de imunoglobulina ou hemocomponentes anterior ou nos 15 dias seguintes à aplicação da vacina, 
pois neutralizam o vírus vacinal. 
 
Vacina Varicela 
• Vacina de vírus vivos atenuados 
• Aos 15 meses, fazemos a 2ª dose da tríplice viral de forma associada à vacina da varicela,