A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Resumo - Fisiologia Cardiocirculatória

Pré-visualização | Página 1 de 3

MARÍLIA ARAÚJO – P2 
 
Fisiologia cardiocirculatória 
● Transporte de gases: CO2 e O2. Apesar do 
nitrogênio também ser transportado, não se 
sabe sua função fisiológica, então é 
desconsiderado. 
● Transporte de nutrientes: Macro (proteínas, 
lipídios e carboidratos) e micro (vitaminas e 
sais minerais), os quais são absorvidos pelo 
intestino. 
● Transporte de hormônios 
● Regulação da temperatura corporal: 
Quando a temperatura corporal está muito 
alta, há uma vasodilatação periférica, fazendo 
o sangue ficar mais próximo à pele e o calor 
ser liberado. Por isso a pessoa fica 
avermelhada. 
● Transporte de células de defesa: 
Leucócitos. 
● Transporte de enzimas 
● Equilíbrio ácido-base: Pelo mecanismo de 
tamponamento químico, respiração e renal. 
● Regulação da pressão: Por definição, 
pressão é a força que o sangue exerce na 
parede arterial. Quando, por exemplo, a 
pessoa tem uma perda sanguínea, há uma 
hipotensão, pois o volume de sangue é 
determinante para a pressão arterial. Ou, 
quando é prescrito um diurético, o objetivo é 
eliminar o excesso de líquido no sangue para 
evitar uma hipertensão. 
 
 
● Coração 
Estruturalmente temos quatro câmaras, as 
inferiores e as superiores são separadas por um 
septo fibroso. A pressão é diferente do lado direito 
e esquerdo, então, por vezes é mencionado como 
bomba direita e bomba esquerda. 
→ Átrio direito: Possui o músculo pectinado, uma 
porção lisa e outra rugosa. A região rugosa produz 
um hormônio hipotensor, o peptídeo natriurético 
atrial (PNA ou ANP), que é produzido, lançado na 
corrente sanguínea e atua nos túbulos distais dos 
rins provando natriurese (prova o aumento da 
diurese, o indivíduo perde sódio, água e diminui a 
volemia, decaindo a pressão arterial). O aumento 
da produção desse hormônio é um quadro de 
estresse do AD. Além disso, tem uma estrutura que 
provoca auto excitação para o coração, o nó 
sinusal ou nó sinoatrial, que se despolariza 
ritmicamente, para que o potencial chegue ao 
músculo cardíaco, provocando a contração dos 
átrios e dos ventrículos. Ele é o marcapasso 
cardíaco. Depois dele, o impulso segue pelos 
feixes internodais até o nó átrio ventricular. O 
sangue chega para o AD pelas veias cavas 
superior e inferior, e pelo ósteo do seio venoso, 
que drena todo o sangue que irrigou o músculo 
cardíaco de volta para o AD. Então, do AD passa 
para o VD, transpondo a valva atrioventricular 
direita, a valva tricúspide. 
 
 
→ Ventrículo direito: Tem as trabéculas cárneas 
(uma musculatura trabecular/irregular) e os 
músculos papilares (musculatura cônica que se 
projeta concentricamente). Na extremidade do 
músculo papilar existem as cordas tendíneas, que 
seguram as valvas. Quando o ventrículo contrai, 
tenta expulsar o sangue em todas as direções, 
inclusive de volta para o átrio. Porém, o sangue 
(que exerce muita pressão) não volta devido a 
MARÍLIA ARAÚJO – P2 
 
válvula tricúspide, que é empurrada para cima e se 
fecha. Quando o músculo ventricular contrai, toda 
a musculatura ventricular contrai inclusive o 
músculo papilar e as cordas tendíneas, a tendência 
é abrir a valva, mas não ocorre. O ventrículo 
contrai, tenta ejetar o sangue de volta para o átrio, 
a valva se fecha e deveria se everter para o lado do 
átrio, mas não acontece, pois, o músculo papilar 
fica contraindo a valva e a puxando para baixo. O 
músculo papilar puxa a valva para baixo e o sangue 
empurra a valva para cima, esse é o equilíbrio 
dinâmico que mantem a valva tricúspide sempre 
ocluída. 
OBS: Se o paciente tiver com infarto agudo do 
miocárdio nessa face diafragmática e pegar o músculo 
papilar posterior, o espaço (a valva) vai prolapsar, esse 
paciente na hora que o ventrículo contrair ele expulsa o 
sangue e o sangue vai ficar refluindo para o átrio, pois 
não tem mais uma das lâminas sendo sustentada pelo 
musculo papilar, ela fica evertendo. Quando tem uma 
contração do ventrículo se a valva tiver prolapsada, 
durante a sístole terá um refluxo para o átrio, é o 
ventrículo contraindo mandando sangue pela artéria e 
parte dele fica no átrio por que está prolapsada, então 
ausculta um sopro, neste exemplo é um sopro 
sistólico. Tem que entender onde o sopro está 
localizado, se é sistólico ou diastólico. 
No ventrículo direito o sangue sai por um tronco, se 
bifurca nas artérias pulmonares e vai para os pulmões, 
volta oxigenado pelas veias pulmonares e entram no 
átrio esquerdo, passa pela valva bicúspide ou mitral 
e ganha o ventrículo esquerdo. O ventrículo esquerdo 
é mais espesso que o direito (pois a pressão exercida 
por ele é maior), o sague sai pela aorta e vai para todo 
o corpo. Na raiz do tronco pulmonar e da aorta tem 
valvas semilunares, cujos folhetos têm a forma de 
meia lua. A valva pulmonar fica na raiz do tronco 
pulmonar e na aorta tem a valva aórtica, a função é 
impedir o refluxo. 
OBS: Se o nó atrioventricular entrar em falência o 
indivíduo não morre, pois os feixes de his assumem a 
despolarização ventricular, porém numa frequência 
bem mais baixa (20 a 40 batimentos por minuto). O 
paciente precisará de marcapasso. 
 
● De dentro para fora temos as seguintes 
camadas: 
1) Endocárdio: porção de revestimento 
histologicamente individualizada das outras 
2) Miocárdio: músculo cardíaco 
3) Epicárdio: camada mais externa, se funde com 
a pleura 
 
OBS: Caso → paciente com sinusite infectada, 
purulenta, faz raio x, prescreve antibiótico e manda 
para casa. Esse paciente também está fazendo 
tratamento ortodôntico paralelamente e o ortodontista 
explicou que ele tinha que tirar o terceiro molar. Vai ao 
dentista, não fala o que está acontecendo e faz 
exodontia, e ocorre que fica com uma porta de entrada 
gotejando pus e as bactérias seguem pelo sangue e 
vão até o endocárdio e fazem uma endocardite 
infecciosa. Outra situação é uma idosa que chega com 
falta de ar, pernas inchadas, vê um radiograma de tórax 
com coração grande, está diante de uma 
cardiomegalia chagásica, essa paciente tem infecção 
especialmente no miocárdio, pois o Trypanosoma cruzi 
o afeta, ou então tem um paciente vítima de lesão 
perfuro cortante na cavidade pleural, tratou, mas teve 
infecção no mediastino e aquela infecção chega na 
bolsa pericárdica e consegue chegar e afeta o 
epicárdio, vai ter uma inflamação ou edema na 
cavidade pericárdica, afetando o epicárdio, mas o 
endocárdio e o miocárdio estão íntegros. 
→ O coração é envolvido por uma bolsa 
(pericárdio) que possui algumas camadas: 
 
● Pericárdio seroso que é mais interno. Ele se 
divide em duas lâminas: uma lâmina colada na 
víscera, ao coração chamada de visceral e outra 
colada ao fibroso (parede externa) chamada de 
parietal (epicárdio). A lâmina visceral e a parietal 
deslizam entre si, permitindo os movimentos 
cardíacos e possuem uma pequena quantidade 
de liquido dentro que é o liquido pericárdico. 
 
● Pericárdio fibroso que é mais externo. 
 
MARÍLIA ARAÚJO – P2 
 
Possuímos vasos sanguíneos e vasos linfáticos. Os 
sanguíneos se dividem em artérias, veias e capilares
 
● Artérias: 
- Retiram o sangue do coração para os tecidos 
- Estão submetidas a várias pressões 
- Transportam sangue arterial (com exceção das 
artérias pulmonares) 
- São pulsáteis 
- Lúmen mais estreito 
- Camada muscular lisa espessa 
- Possuem fibras elásticas: as fibras elásticas se 
dividem em membrana limitante elástica interna e 
membrana limitante elástica externa. Elas 
individualizam as camadas (túnica externa, túnica 
média e túnica interna) 
Já que o ventrículo contrai e relaxa, por que o sangue 
não circula em blocos, e sim de forma contínua pelo 
corpo? Isso se deve a característica pulsátil das 
artérias, uma hora o ventrículo está propelindo o 
sangue, e quando ele relaxa, quem propele o sangue é 
a força de contração das artérias. 
- Espessura da parede é grande: Isso acontece 
devido à grande