A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Resumo- Compreendendo as experiências emocionais

Pré-visualização | Página 1 de 1

Compreendendo as experiências emocionais 
Capítulo 8 (modulo 26) – Introdução a Psicologia – Robert S. Feldman 
 
• Emoções são sentimento que tem elementos (fisiológicos e cognitivos) 
• Podem influenciam o comportamento 
• Tendo pouco ou nenhum pensamento consciente. 
 
As funções das emoções 
• Preparam-nos para a ação → ligação entre os eventos em nosso 
ambiente e nossas respostas. 
• Moldam nosso comportamento futuro → aprendizado que ajudara a 
ter respostas apropriadas no futuro. 
• Ajuda-nos a intereragir mais efetivamente com os outros → 
comportamentos verbais e não verbais → emoções óbvias para os 
observadores. 
 
Determinando a variação das emoções 
• Os teóricos debateram e montaram diferentes listas para conceituar 
as emoções. 
• Outros teóricos argumentam que as emoções devem ser examinadas 
em termos de uma hierarquia. 
• A maioria dos pesquisadores defende que uma lista de emoções 
básicas incluiria, no mínimo, felicidade, raiva, medo, tristeza e 
descontentamento. Outras listas são mais amplas. 
• Enquadrar determinada emoção em uma categoria linguística para 
descrevê-la pode tornar mais fácil discutir, considerar e talvez 
experimentar. 
 
As raízes das emoções 
• Definir o papel específico que essas respostas fisiológicas 
desempenham na experiência das emoções provou ser um grande 
enigma para os psicólogos. 
 
A teoria de James-Lange 
• Ativação de mudanças corporais viscerais → O cérebro interpreta as 
mudanças viscerais como uma experiência emocional. 
• Existem alguns fatos que contradiz a teoria. 
 
A teoria de Cannon-Bard 
• Uma visão alternativa a outra teoria. Rejeitando a ideia de que a 
excitação fisiológica isolada leva à percepção da emoção 
• Ativação do tálamo → Ativação de mudanças corporais em resposta 
ao cérebro → também transmite uma mensagem para o córtex 
referente à experiência emocional. 
 
A teoria de Schachter-Singer 
• Uma explicação mais centrada no papel da cognição. 
• Ativação da excitação fisiológica geral 
• Observação de sinais do ambiente → Determinação do rótulo a ser 
colocado na excitação, identificando a experiência emocional. 
• Pesquisas posteriores descobriram que a excitação é mais específica 
do que Schachter e Singer acreditavam. 
• Eles estavam certos em presumir que, quando a fonte da excitação 
fisiológica não está clara, podemos olhar para nosso entorno. 
 
Perspectivas contemporâneas sobre a neurociência das emoções 
• Tiveram alguns avanços na medição do sistema nervoso e de outras 
partes do corpo. 
• Os pesquisadores examinaram mais detalhadamente as respostas 
biológicas envolvidas na emoção. 
• Houve uma revisão das visões anteriores. 
• São crescentes as evidências de que padrões específicos de 
excitação biológica estão associados a emoções individuais. 
• Pesquisadores constaram que: 
o Emoções específicas produzem a ativação de porções muito 
diferentes do cérebro. 
• A amígdala, situada no lobo temporal do cérebro, é importante para a 
experiência das emoções. 
• As emoções podem ser processadas e respondidas quase 
instantaneamente. 
 
Entendendo as diversas perspectivas sobre a emoção 
• As emoções são fenômenos tão complexos, abrangendo aspectos 
biológicos e cognitivos. 
• Nenhuma teoria isolada foi capaz de explicar completamente todas 
as facetas da experiência emocional. 
• A emoção, juntamente com a psicologia, é uma ciência em evolução 
e desenvolvimento 
 
- As pessoas em todas as culturas expressam emoção de forma semelhante? - 
• A expressão das emoções básicas parece universal. 
• Programa de influência facial → Ativação de um conjunto de impulsos 
nervosos que faz o rosto exibir a expressão apropriada. 
• Cada emoção primária produz um conjunto único de movimentos 
musculares. 
• A importância das expressões faciais: 
o Hipótese do feedback facial → As expressões faciais não só 
refletem a experiência emocional. 
→Também ajudam a determinar como as pessoas experimentam 
e rotulam as emoções. 
• O apoio para essa hipótese do feedback facial provém de um 
experimento clássico realizado pelo psicólogo Paul Ekman e 
colaboradores 
• As expressões faciais que representam as emoções primárias 
produziram efeitos fisiológicos similares aos que acompanham as 
emoções genuínas em outras circunstâncias.