A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
O Iluminismo e os Iluministas

Pré-visualização|Página 1 de 1

O Iluminismo e os Iluministas


O iluminismo foi um movimento que marcou o mundo com a quebra de várias correntes que prendiam o ser humano intelectualmente, levando o individuo a se perguntar como tudo acontece, como tudo funciona, como devemos agir e seguir para evoluir mais ainda. O incentivo às liberdades, comportamento e pensamento racional é a ponta da lança deste movimento cultural, aqui falaremos de quatro iluministas que com suas obras e pensamentos racionais nos ajudaram ao longo do tempo.

Charles Louis de Secondat, mais conhecido pelo nome Montesquieu, foi um iluminista francês defensor da democracia, crítico da autoridade católica e do modelo absolutista de poder. Podemos conhecer melhor a sua linha de pensamento através de uma de suas mais célebres obras, “O Espírito das Leis” onde ele entrega análises dos fatos humanos a partir da observação do meio social, político e histórico. A partir dessas análises ele caracteriza três tipos de governo: a monarquia com o poder controlado por um, garantido por leis positivas e o seu princípio é a honra; a república o poder controlado por muitos que no caso é a democracia ou a aristocracia e o seu princípio é a virtude; o despotismo o poder controlado por um, garantido pela vontade dele e o seu princípio é o medo. “O Espírito das Leis” assim como várias outras de suas obras é referência mundial para o Meio jurídico e várias outras áreas.

Jean Jacques Rousseau, mais conhecido só por Rousseau foi um iluminista suíço, um dos mais conhecidos e radicais do movimento, ele critica os meios educacionais tradicionais afirmando que corrompem e tiram a liberdade do individuo e o melhor meio para se ter uma boa educação é indo de acordo com a natureza e aos poucos desenvolvendo os sentidos e pensamento racional. A principal obra desse filósofo foi o “Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens” onde ele explica que o instinto do homem é individualista e para que ele viva no meio social ele precisa da razão, pois ela possibilita o convívio no meio social.

Adam Smith foi um iluminista escocês, provavelmente um dos mais brilhantes e importantes aqui citados, titulado merecidamente como o pai da economia moderna, ele se dedicou a diversas questões como a educação, a evolução social, livre competição de mercado, o crescimento econômico e varias outras questões importantes e fundamentais para a sociedade. A sua principal obra foi “Uma investigação sobre a natureza e a causa da riqueza das nações” onde ele mostra que o individuo incentivado pelo seu próprio interesse é levado pela famosa “mão invisível” a fazer algo que não era do seu interesse, resultando no bem-estar social e também na satisfação de interesse exclusivo de outros. Aqui percebemos que a individualidade e a liberdade andam de mãos dadas e é perfeitamente integrada no meio social.

Denis Diderot foi um iluminista francês precursor do anarquismo, ateu materialista, ele acredita que a filosofia deve ter a razão como alicerce, só assim pode se construir um vasto e concreto conhecimento para alcançar a verdade, Diderot acredita que as diferenças sociais devem ser resolvidas e eliminadas pela política e assim como os outros iluministas era contra o absolutismo. Por ser um grande escritor, a principal obra e contribuição de sua vida ao iluminismo foi a organização da primeira enciclopédia.

“O iluminismo revolucionou o modo como o mundo via o mundo”.