A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Questões de Direito Constitucional respondidas

Pré-visualização | Página 1 de 2

NOTA OBTIDA: 9,00
CURSO: DIREITO
	1ª AVALIAÇÃO PARCIAL (AP1) 
	Aluno (a): Bruno Mendes Vieira
	
	Disciplina: DIREITO CONSTITUCIONAL I 
	 
BOA SORTE !!!
QUESTÃO 1: (02 pontos)
Dois advogados, com grande experiência profissional e com a justa preocupação de se manterem atualizados, concluem que algumas ideias vêm influenciando mais profundamente a percepção dos operadores do direito a respeito da ordem jurídica. Um deles, o Dr. Rafael, lembra que a Constituição brasileira vem funcionando como verdadeira lei superior, de forma a influenciar todas as normas do ordenamento pátrio com os seus valores. O segundo, Dr. Glauco, concordando com o colega, adiciona, ainda, que o crescente reconhecimento da natureza normativo-jurídica dos princípios, reaproximou as concepções de direito e justiça e ampliou o poder de interpretação dos magistrados. As posições apresentadas pelos advogados mantêm relação com a concepção teórico-jurídica que vem sendo denominada de neoconstitucionalismo no âmbito da teoria constitucional. Você, como estudioso do tema, percebe que o Dr. Rafael e o Dr. Glauco estão se referindo a duas características marcantes do necoconstitucionalismo. Sobre quais características do neoconstitucionalismo estão se referindo os ilustres advogados? Explique, com suas palavras, cada uma delas.
R: Aqui observamos que os dois advogados estão se referindo as características de supremacia constitucional e à amplificação da hermenêutica. O Adv. Rafael fala da supremacia da constituição, essa característica deixa claro que a constituição é base para todas as leis em vigor no Brasil, ou seja, toda lei criada no Brasil deve obedecer a constituição, pois ela é o texto central e supremo que rege todos os outros. O Adv. Glauco fala sobre a amplificação da hermenêutica, essa característica dispõe princípios dentro da constituição onde dão aos juízes maior liberdade de interpretação do texto constitucional, resultando em eficácia na resolução de conflitos optando pelo princípio constitucional de maior valor no final. 
QUESTÃO 2: (02 pontos)
Parlamentares do Estado “X”, situado no âmbito da federação brasileira, propõem, com a assinatura de mais de 1/3 de seus membros, um projeto de emenda à constituição para aquele referido Estado a fim de alterar algumas regras no tocante ao exercício do mandato eletivo do chefe do Executivo local. Defendem os referidos parlamentares que haja mudança nas próximas eleições para que não seja mais admitido no Estado “X” a possibilidade de reeleição do governador local, ao contrário da estrutura consagrada pela atual Constituição Federal, que admite reeleição para um único período subsequente. Afirmam os parlamentares subscritores da proposta que a possibilidade de reeleição vem estimulando o uso do primeiro mandato como palanque eleitoral para o governante se perpetuar por muito tempo no poder e conquistar a reeleição com um segundo mandato. A medida teve significativa aceitação pelos integrantes daquela Assembleia Legislativa, razão pela qual o projeto de emenda à Constituição do Estado “X” passou a tramitar na consultoria jurídica legislativa para verificar a viabilidade jurídica da proposta. Você, integrante do órgão de consultoria, ao apreciar a emenda constitucional em nível estadual que se pretende implementar, emitiria parecer pela constitucionalidade do projeto? Explique, de forma fundamentada, as razões que resultaram na sua manifestação. 
 
R: Texto de Importante Urgência destinado ao parlamento do estado X.
O Art.14. Parágrafo 5° da Constituição Federal deixa claro: 
Art.14. (...) § 5° O Presidente da República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver sucedido ou substituído no curso dos mandatos poderão ser reeleitos para um único período subsequente. 
Eu, Bruno M., como integrante do órgão de consultoria jurídica legislativa emito o seguinte parecer; “A vossas excelências, faço o devido esclarecimento; a proposta de emenda é inconstitucional, pois vai contra os direitos garantidos no parágrafo 5° do artigo 14. Da Constituição da República Federativa do Brasil, já explícito acima e na constituição para a observação de todos. Ressalto com respeitosa veemência que a atual Constituição Federal tem supremacia em todo ordenamento jurídico vigorante no nosso país, e nenhuma proposta de emenda (como a deste caso proposta por vossas excelências) repito, nenhuma proposta de emenda pode desrespeitar ou ir contra o texto constitucional federal. É válido também ressaltar que os estados membros têm autonomia, mas não soberania, portanto as constituições de cada estado obedecem a Supremacia da constituição Federal do Estado Soberano Brasileiro.
QUESTÃO 3: (02 pontos)
Em visita ao Tribunal Constitucional Federal da Alemanha, durante viagem oficial diplomática, José da Silva, respeitado agente político brasileiro, conseguiu extrair algumas informações do funcionamento daquele Tribunal Constitucional Alemão e de sua vasta área de atuação. Uma delas, todavia, chamou especialmente sua atenção: a referida Corte Constitucional reconhecia a possibilidade de alteração de normas da Constituição daquele País sem que fosse necessária qualquer mudança no seu texto formal. Surpreendido com essa possibilidade, ao regressar para o Brasil, José da Silva procura sua assessoria jurídica a fim de saber se o Supremo Tribunal Federal, no âmbito da ordem jurídica brasileira, faz uso também de técnica semelhante. Carlos Roberto, membro da assessoria jurídica de José da Silva, afirma que o Supremo Tribunal Federal brasileiro, ao contrário do Tribunal Constitucional alemão, só pode reconhecer alguma alteração no sentido de norma constitucional a partir de mudança formal do texto constitucional por meio de emenda à Constituição, não sendo possível alteração da Constituição sem mudança do texto. Você, como membro da mesma assessoria jurídica, concorda com a posição jurídica defendida por Carlos Roberto? Justifique a sua resposta.
R: Eu, Bruno M., na competência de membro desta assessoria, discordo do colega Carlos, pois no Brasil o “Poder Constituinte Difuso” é ativo possibilitando a mutação constitucional. Nas palavras do professor Pedro Lenza, p.226. “trata-se de processo informal de mudança da Constituição, alterando-se o seu sentido interpretativo, e não o seu texto, que permanece intacto e com a mesma literalidade”. Ou seja, o Poder Constituinte Difuso permite a mudança, dando um novo sentindo através da interpretação sem que altere o texto constitucional. Portanto o Supremo Tribunal Federal faz uso também de técnica semelhante, chamando assim também atenção da mesma forma que a corte alemã.
QUESTÃO 4: (02 pontos)
Por entender que a Constituição de 1988, mesmo considerada rígida, vem sofrendo frequentes alterações em seu texto por meio de inúmeras emendas constitucionais já impulsionadas, ultrapassando a marca centenária de emendas ao longo da existência da Constituição atual, o bloco de parlamentares que forma a maioria no Congresso Nacional resolve apresentar a PEC nº 101/2020, nova emenda à Constituição Federal, dessa vez buscando alterar os requisitos de admissibilidade para as futuras reformas constitucionais, incluindo regras ainda mais rígidas para a propositura de emenda à Constituição. Estabelece a proposta de emenda à Constituição que novas reformas no texto constitucional somente serão admissíveis se aprovado por, no mínimo, 4/5 dos votos em 3 turnos de votação em cada casa do Congresso Nacional. Defendem os subscritores que a democracia brasileira se tornou frágil com as modificações da Constituição, razão pela qual, pelo poder reformador, buscam agora alterar os critérios estabelecidos pelo constituinte originário. Sabendo que a proposta gerará polêmica, os parlamentares resolvem consultar advogado especialista na matéria. Na qualidade deste advogado, responda se há vício constitucional para a aprovação da proposta. Justifique.
R: Na qualidade de especialista, deixo explícito