A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Questões de Direito Penal Respondidas (1)

Pré-visualização | Página 1 de 1

NOTA OBTIDA: 10,00
CURSO: DIREITO
	2ª AVALIAÇÃO PARCIAL (AP2)
	Aluno(a): Bruno Mendes Vieira
	
	Disciplina: DIREITO PENAL I 
ESTUDOS DE CASOS (PRÁTICOS E TEÓRICOS)
1.Ano: 2018 Banca: CESPE / CEBRASPE Órgão: Polícia Federal Prova: CESPE - 2018 - Polícia Federal - Papiloscopista Policial Federal
Texto associado (adaptada)
Nessa situação hipotética, se o policial ferido não falecer em decorrência do tiro disparado pelo traficante, estar-se-á diante de homicídio tentado, que, no caso, terá como elementos caracterizadores: a conduta dolosa do traficante; o ingresso do traficante nos atos preparatórios; e a impossibilidade de se chegar à consumação do crime por circunstâncias alheias à vontade do traficante.
( ) Certo
(X) Errado
Justifique. (2,0 pontos)
R: Para que haja crime tentado é necessário que se ingresse os “atos executórios” e não os “atos preparatórios” como diz na questão.
Isso fica ainda mais claro quando observamos o Art.14 inciso II do Código Penal: 
Art. 14. Diz-se o crime: (...)
Tentativa
II - tentado, quando, “iniciada a execução”, não se consuma por circunstâncias alheias à vontade do agente.
2. Suponha a seguinte situação hipotética: João, por volta das 19:00 horas, já de noite, armado com pistolas .40, deu vários tiros em Pedro, que supostamente estava dormindo em sua rede. Após ser realizada a necropsia, o laudo atestou que Pedro já havia falecido pela manhã, de infarto fulminante. Pergunta-se: pode-se afirmar que João cometeu o crime de tentativa de homicídio? Ele responderá por algum crime? Justifique. (2,0 pontos)
R: Aqui se trata de um Crime Impossível, há uma clara e absoluta impropriedade do objeto, pois Pedro já estava morto quando recebeu os tiros de João. Deixo ainda mais explícito com o Art. 17 do Código Penal: “Art. 17. Não se pune a tentativa quando, por ineficácia absoluta do meio ou por absoluta impropriedade do objeto, é impossível consumar-se o crime.” Portanto João não cometeu crime de tentativa de homicídio, pois há aqui a impossibilidade de consumar o crime. o crime que ele poderá responder é por porte ilegal de arma, caso ele não tenha a devida documentação necessária para manusear tal equipamento belicoso.
 
3. Explique a teoria objetiva, adotada como regra no Código Penal Brasileiro a respeito crime tentado. Justifique. (2,0 pontos)
R: O Brasil adota a teoria objetiva no crime tentado porque essa teoria se relaciona ao perigo exposto ao bem jurídico, ou seja, a punição para o crime tentado é igual à do crime consumado só que reduzida de um a dois terços porque em caráter objetivo a consumação do crime é mais danosa ao bem jurídico do que a tentativa do crime, vale também ressaltar que quanto maior a aproximação da consumação do crime, menor será a redução da pena. 
4. Suponha a seguinte situação hipotética: João, em um surto de ciúmes, deu um veneno para sua esposa. Logo após o fato, entrou em desespero, deu a ela um antídoto e a levou para o hospital, ocasião em que foi salva. Pergunta-se: pode-se afirmar que João cometeu o de tentativa de homicídio? Ele responderá por algum crime? Justifique. (2,0 pontos)
R: Aqui se trata de um caso de arrependimento eficaz, pois João logo após praticar um ato danoso se arrependeu e impediu que o resultado se produzisse. Podemos nos basear no Art. 15 do código penal: “Art. 15. O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na execução ou impede que o resultado se produza, só responde pelos atos já praticados.” Conclui-se que o arrependimento eficaz descaracteriza a tentativa de homicídio e faz com que João responda somente pelos atos já praticados, como o crime de lesão corporal.
5. Suponha a seguinte situação hipotética: Mévio, querendo matar Paulo, deu um tiro em Paulo, que tentava fugir correndo, no entanto, o tiro atingiu a perna da vítima e a mesma caiu. Mévio, então, aproximou-se de Paulo e ouviu suas súplicas para que não o matasse, pois era um pai de família. Assim, Mévio, de repente, colocou a arma (que ainda tinha cinco munições) na cintura e foi embora, deixando Paulo vivo. Pergunta-se: pode-se afirmar que Mévio cometeu o crime de tentativa de homicídio? Ele responderá por algum crime? Justifique. (2,0 pontos)
R: Aqui nós temos um caso de desistência voluntária, pois Mévio voluntariamente desistiu de prosseguir com a execução do ato, podemos aprofundar a explicação se baseando no Art. 15 do código penal: “Art. 15. O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na execução ou impede que o resultado se produza, só responde pelos atos já praticados.”, ou seja, a desistência descaracteriza a tentativa de homicídio, neste caso Mévio responderá por lesão corporal que se caracterizaria dentro dos crimes já praticados. 
Fontes: file:///D:/codigo_penal_1ed.pdf
Conteúdos Das Aulas.
“Assim seja para honra e glória do senhor meu Deus, que o Senhor da justiça e dos exércitos seja louvado por todo o universo e para todo sempre!”