A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Questões de Psicologia Jurídica respondidas (1)

Pré-visualização | Página 1 de 1

NOTA OBTIDA: 10,00
CURSO: DIREITO
	1ª AVALIAÇÃO PARCIAL (AP1) 
	Aluno (a): Bruno Mendes Vieira
	
	Disciplina: Psicologia Jurídica 
1° Questão (Valor 2 ponto)
Quantas vezes, no nosso dia a dia, ouvimos o termo psicologia?
Qualquer um entende um pouco dela. Usamos o termo psicologia, no nosso cotidiano, com vários sentidos. Por exemplo, quando falamos do poder de persuasão do vendedor, dizemos que ele usa de “psicologia” para vender seu produto; quando nos referimos à jovem estudante que usa seu poder de sedução para atrair o rapaz, falamos que ela usa de “psicologia”; e quando procuramos aquele amigo, que está sempre disposto a ouvir nossos problemas, dizemos que ele tem “psicologia” para entender as pessoas. Mas será que essa é a psicologia usada pelos psicólogos? (Book, 1999)
O texto “A Psicologia ou as Psicologias” de Book (1999) disserta um pouco sobre como o senso comum age na psicologia. Com base nessas ideias, apresente as diferenças entre o conhecimento do senso comum e o conhecimento científico.
R- O conhecimento do senso comum é fundamentado nas experiências vividas, passadas de geração em geração, ele não deixa de ser importante porque esse conhecimento popular possibilitou que a humanidade caminhasse até os tempos atuais acumulando experiências e identificando o que é ruim e o que é bom para o indivíduo, porém o conhecimento comum também é regado com algumas crenças e superstições que muitas vezes se distanciam da real explicação das coisas, isso não o inutiliza, mas em determinadas situações deixa a desejar. Para preencher essa lacuna vem o conhecimento científico, com rigor na metodologia da investigação, com o objetivo de dá a real explicação das coisas existentes no mundo e fora dele, deixando assim teorias fundamentadas na razão para que possamos entender o que é e como é, levando sempre o questionamento como espada para a luta da descoberta! É válido ressaltar que os dois conhecimentos, comum e científico tem extrema importância, pois fazem parte da identidade humana ao longo das eras. 
2° Questão (Valor 2 ponto)
De acordo com o texto “Um breve histórico da Psicologia jurídica no Brasil e seus campos de atuação” de Lago et al (2009), disserte sobre a construção da Psicologia Jurídica no Brasil, e cite três campos de atuação dessa área. 
R- A construção do trabalho da psicologia jurídica no Brasil começou na informalidade, os primeiros passos para os desafios que essa área enfrentaria começaram no estado de São Paulo. Os trabalhos voluntários, e a necessidade do entendimento da psicologia na área criminal tiveram grande influência e contribuíram fortemente na sua inserção no meio jurídico em meados de 1979.
Alguns campos de atuação da psicologia no jurídico são: vitimologia, psicologia do testemunho, direito da criança e do adolescente.
A vitimologia ampara as vítimas de situações causadas pelo indivíduo criminoso e ao mesmo tenta entender porque ele foi impulsionado a cometer tal crime.
A psicologia do testemunho, que analisa a consistência e veracidade de depoimentos dados por suspeitos e testemunhas, onde é visível a simbiose o operador jurídico e o psicólogo.
 O direito da criança e do adolescente onde abrange o amparo de menores infratores, destituição do poder familiar, separação e adoção.
 
 3° Questão (Valor 2 ponto)
As medidas socioeducativas são medidas sancionatórias de responsabilização,
aplicáveis sempre que um adolescente em virtude de conduta ilícita vier a infringir a lei. A partir do texto “Sistema Socioeducativo direcionado à responsabilização e promoção social de adolescente autor de ato infracional” de Santos e Junior (2012) defina os tipos de medidas socioeducativas descritas no ECA.
R- A partir do texto podemos definir as medidas socioeducativas expostas no artigo 112º; da lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990 que dispõe sobre o estatuto da criança e do adolescente.
Art. 112º (fornecida pelo estatuto). Verificada a prática de ato infracional, a autoridade competente poderá aplicar ao adolescente as seguintes medidas:
I - advertência; - alerta verbal sobre a má conduta do menor, aplicado por autoridade.
II - obrigação de reparar o dano; - podendo ser aplicado quando há dano ao patrimônio 
III - prestação de serviços à comunidade; - tem o intuito de ensinar e mostrar o valor do compromisso social e a importância do conviver dentro da sociedade. 
IV - liberdade assistida; - acompanhamento de assistência social e outros profissionais que atuam na área, dando orientações e suporte a família do menor assistido e ao menor assistido. 
V - inserção em regime de semi-liberdade; priva o menor infrator de parte de sua liberdade e conduz com obrigatoriedade a frequência regular nos estudos, garantindo também a entrada do mesmo no mercado de trabalho
VI - internação em estabelecimento educacional; tem a característica de privar o menor infrator de liberdade em sua totalidade.
4° Questão (Valor 2 ponto)
Analise o caso a seguir:
“Luana tem 38 anos e foi diagnosticada com esquizofrenia (CID 10 – F.20) desde os seus 25 anos de idade. Há mais de 15 dias Luana estava sem uma de suas principais medicações por falta do remédio no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). Em um determinado dia Luana se envolveu em um conflito e acabou agredindo fisicamente Roberta, sua cunhada, de modo que a mesma teve que ficar hospitalizada.”
A partir do texto “Psicopatologia e Implicações Forenses” de Serafim e
Saffi (2014) analise de que forma a Psicopatologia Forense poderia contribuir na avaliação desse caso com relação à responsabilização penal
de Luana.
R- A psicopatologia forense contribuiria com a análise e partiria do fato que Luana já teria problemas psicológicos e estaria afastada de sua medicação há mais de 15 dias, ou seja ela estaria fora de suas capacidades e faculdades mentais em sua totalidade, e tornado explícito a inimputabilidade de Luana de acordo com o Art. 26 do Código Penal que assegura a isenção de pena por deficiência mental.
Art. 26 (fornecido do código penal). É isento de pena o agente que, por doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento. 
5° Questão (Valor 2 ponto)
De acordo com o texto “Sistema socioeducativo direcionado à responsabilização e promoção social de adolescente autor de ato infracional” de Santos e Silva (2012), disserte sobre as diferenças entre a Doutrina da Situação Irregular e a Doutrina da Proteção Integral. 
R- Nos anos 70 tinha-se em mente o menor infrator como uma patologia social e repreensivamente consideravam indesejáveis aos padrões da época, e com isso, desrespeitos aos direitos desses menores não eram vistos de forma intoleráveis. Essa é a característica principal da doutrina de situação irregular. Mas com a mudança dos tempos, chega o entendimento da doutrina da proteção integral que deixa explícito que todo menor infrator não deixa de ser uma criança ou adolescente que podem ser ensinados e possuem direitos e garantias que devem respeitados e são positivados pelas leis, percebe-se que esse menor pode se reencontrar na sociedade, e seguir no caminho de um cidadão que respeita a sociedade em que vive.
“ Assim seja para honra e glória do senhor meu Deus, que o Senhor da justiça e dos exércitos seja louvado por todo o universo e para todo sempre! ”