A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Manejo do parto de leitões

Pré-visualização | Página 1 de 1

Baia exclusiva para os leitões, 
ao lado da mãe (importante 
porque os leitões nascem com o 
sistema termorregulador 
incompleto) - tem cama de 
maravalha e luz incandescente, é 
o lugar onde pega os leitões para 
fazer o manejo. É feito a troca da 
cama 3 vezes por dia. 
 
 
 
 
Observar os sinais: 
− edema vulvar: 4 dias antes do 
parto (1 a 7 dias) 
− complexo mamário ingurgitado: 
48 24h antes do parto 
− secreção serosa: 48 a 24h antes 
do parto (protege o ducto do teto 
contra gestações) 
− secreção leitosa em gotas: 12 
horas 
− secreção leitosa em jatos: 6 horas 
 
 
 
Preparos: 
− lavagem e desinfecção da porca e 
da baia 
− preparo do escamoteador e cela 
parideira 
− fazer a indução do parto no dia 113 
a tarde, para ocorrer dia 114 de 
manhã 
 
 
− Contrações uterinas em forma de 
onda, intervalo de 2 a 4min e cada 
contração dura 5 a 10s 
− Acompanhar o parto sempre - as 
porcas tem útero longo, os leitões 
podem se enforcar no cordão 
umbilical 
− maior tempo - aumenta a taxa 
de natimortos 
− Intervenção: quando o intervalo de 
nascimento entre leitões é superior 
a 50min, a fêmea tem contração e 
não expulsa leitão 
− lavar o posterior da porca com 
água e iodo 
− enluvar as mãos e lubrificar 
− introduzir a mão e retirar os 
leitões 
− Duração: 2 a 6h (média de 3 a 4h) 
− motivos para parto distócico: 
estresse (calor/frio, barulho), 
higiene, manejo 
− Final do parto: liberação total da 
placenta/livramento 
− 1h após o último feto 
 
 
 
− secagem dos leitões (para evitar 
perda de calor): 
− limpar a cabeça, removendo 
líquidos fetais e restos de 
membrana (evitando obstruir 
a narina/boca), limpar o resto 
do corpo, fazendo massagem 
no dorso e na região 
pulmonar (ativa circulação e 
estimula respiração) 
− corte e desinfecção do umbigo: 
cicatrização de 3 a 5 dias, usar 
barbante (limpo com álcool 
iodado) e limpeza com iodo a 5 a 
7% 
− Conforto térmico: 
− aquecimento de 32ºC, pelo 
menos até o 14º dia 
− se tiver temperatura baixa, o 
leitão gasta energia para se 
manter quente e crescer; nas 
primeiras horas após o parto 
os leitões ficam hipotérmicos, 
ficando mais suscetíveis a 
doenças intestinais 
 
 
− Formas de identificação: 
− brinco 
− colar 
− tatuagem 
− mossagem: cortes em locais 
pré determinados na orelha 
 
 
− Corte dos dentes: 
− nascem com 4 caninos e 4 pré 
molares 
− cortam os 4 caninos (são 
pontiagudos) 
− são dentes de leite - feito no 
primeiro dia de vida 
 
 
 
− Corte da cauda: 
− preventivo contra o 
canibalismo - hábito e/ou risco 
de morder a cauda do outro 
− feito no 1º dia de vida 
− ideal fazer anestesia local 
− corta na 2ª vértebra 
 
 
 
− Medicação preventiva contra 
anemia ferropriva 
− necessidade diária de ferro: 5-
10mg/dia (média 7mg/dia) 
− o leite materno supre somente 
10 a 20% das necessidades 
reais dos leitões 
− aplicar 2ml de medicamentos 
a base de ferro IM na base da 
orelha/musculatura do 
pescoço 
− Castração: entre o 5º e 7º dia 
− vantagens: facilita operação, 
cicatrização é rara, baixo risco 
de infecção (pela limpeza 
constante do escamoteador), 
pouca ocorrência de 
hemorragia, menos estresse 
por estar junto com a mãe e 
os irmãos, não tem o odor do 
feromônio na carne 
− observar: não castrar os 
doentes (diarreia) pelo risco 
de infecção, não castrar 
leitões quando existir porcas 
em trabalho de parto (quando 
não existir salas de 
maternidade), examinar os 
leitões quanto a presença de 
hérnia escrotal e 
criptorquidismo, utilizar 
materiais estéreis, fazer a 
antissepsia no animal, castrar 
sem mexer dentro da incisão 
para exteriorizar os testículos 
− Enxertia (transferência de 
leitões): 
− para igualar o número de 
leitões por porca 
(especialmente em casos de 
mais leitões que tetos) - a 
literatura indica 10 leitões por 
porca 
− levar em consideração o 
tamanho dos mesmos e 
tempo de vida 
− adaptabilidade dos leitões a 
porca: 
▪ tamanho dos tetos em 
relação ao tamanho 
dos leitões 
▪ número de tetos 
funcionais tem que 
ser compatíveis com 
o número de leitões 
(torácicos e inguinais 
produzem menos) 
▪ distância entre as 
cadeias mamárias 
▪ qualidade e 
quantidade do leite 
produzido