A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Sistema Digestório

Pré-visualização | Página 1 de 2

Sistema Digestório 
 
O sistema digestório, também chamado de digestivo ou gastrointestinal (SGI) é um dos 
principais sistemas do corpo humano e é responsável pelo processamento dos alimentos e 
absorção de nutrientes, permitindo o bom funcionamento do organismo. Esse sistema é 
constituído por diversos órgãos, que atuam em conjunto com o objetivo de desempenhar 
as seguintes principais funções: 
• Promover a digestão de proteínas, carboidratos e lipídios dos alimentos e bebidas 
consumidos; 
• Absorver fluidos e micronutrientes; 
• Fornecer uma barreira física e imunológica para microrganismos, corpos 
estranhos e antígenos consumidos com o alimento. 
Dessa forma, o SGI é responsável por regular o metabolismo e o sistema imunológico, de 
modo a manter o bom funcionamento do organismo. 
 
Órgãos do sistema digestivo 
O sistema digestório é constituído por órgãos que permitem a condução do alimento ou 
bebida ingeridos e, ao longo do trajeto, absorção de nutrientes essenciais para o bom 
funcionamento do organismo. Esse sistema se estende da boca ao ânus, sendo seus 
órgãos constituintes: 
1. Boca: responsável por receber o alimento e diminuir o tamanho das partículas 
para que possa ser digerida e absorvida mais facilmente, além de misturá-lo 
com saliva; 
2. Esôfago: responsável por transportar alimentos e líquidos da cavidade oral para 
o estômago; 
3. Estômago: desempenha papel fundamental no armazenamento temporário e 
digestão dos alimentos ingeridos; 
4. Intestino delgado: responsável pela maior parte da digestão e absorção dos 
alimentos e recebe as secreções do pâncreas e do fígado, que auxiliam esse 
processo; 
5. Intestino grosso: é onde ocorre a absorção de água e eletrólitos. Esse órgão 
também é responsável por armazenar temporariamente produtos finais da 
digestão que servem como meio para síntese bacteriana de algumas vitaminas; 
6. Reto e ânus: são responsáveis pelo controle da defecação. 
Além dos órgãos, o sistema digestivo é constituído por diversas enzimas que garantem a 
digestão correta dos alimentos, sendo as principais: 
• Amilase salivar, ou ptialina, que está presente na boca e é responsável pela 
digestão inicial do amido; 
• Pepsina, que é a principal enzima do estômago e é responsável pela 
degradação de proteínas; 
• Lipase, que também está presente no estômago e promove a digestão inicial 
de lipídeos. Essa enzima também é secretada pelo pâncreas e desempenha a 
mesma função; 
• Tripsina, que é encontrada no intestino delgado e conduz à degradação de 
ácidos graxos e glicerol. 
Boa parte dos nutrientes não consegue ser absorvido em sua forma natural devido ao 
seu tamanho ou ao fato de não ser solúvel. Assim, o sistema digestivo é responsável por 
transformar essas grandes partículas em partículas menores e solúveis capazes de serem 
absorvidas rapidamente, o que acontece principalmente devido à produção de diversas 
enzimas digestivas. 
Como acontece a digestão 
O processo digestório tem início na ingestão do alimento ou bebida e fim na liberação das 
fezes. A digestão dos carboidratos tem início já na boca, apesar da digestão ser mínima, 
enquanto que a digestão das proteínas e dos lipídeos tem início no estômago. A maior 
parte da digestão de carboidratos, proteínas e gorduras acontece na porção inicial do 
intestino delgado. 
O tempo de digestão dos alimentos varia de acordo com o volume total e das 
características do alimento consumido, podendo durar até 12 horas para cada refeição, por 
exemplo. 
1. Digestão na cavidade orofaríngea 
Na boca, os dentes trituram e esmagam os alimentos ingeridos em partículas menores e 
o bolo alimentar formado é umedecido pela saliva. Além disso, há liberação de uma 
enzima digestiva, a amilase salivar ou ptialina, que inicia a digestão do amido constituinte 
dos carboidratos. A digestão do amido na boca pela ação da amilase é mínima e sua 
atividade é inibida no estômago devido a presença de substâncias ácidas. 
O bolo alimentar atravessa a faringe, sob controle voluntário, e esôfago, sob controle 
involuntário, chegando ao estômago, onde é misturado a secreções gástricas. 
2. Digestão no estômago 
No estômago, as secreções produzidas são ricas em ácido clorídrico e enzimas e são 
misturadas ao alimento. Na presença do alimento no estômago, a pepsina, que é uma das 
enzimas presentes no estômago, é secretada em sua forma inativa (pepsinogênio) e 
convertida em pepsina pela ação do ácido clorídrico. Essa enzima desempenha papel 
fundamental no processo de digestão das proteínas, alterando sua forma e tamanho. Além 
da produção de pepsina, há também a produção, em menor quantidade, de lipase, que é 
uma enzima responsável pela degradação inicial de lipídeos. 
As secreções gástricas também são importantes para aumentar a disponibilidade e 
absorção intestinal de vitamina B12, cálcio, ferro e zinco. 
Após processamento do alimento pelo estômago, o bolo alimentar é liberado em 
pequenas quantidades no intestino delgado de acordo com as contrações do estômago. 
No caso de refeições líquidas, o esvaziamento gástrico dura em torno de 1 a 2 horas, 
enquanto que para refeições sólidas dura cerca de 2 a 3 horas e varia de acordo com o 
volume total e das características do alimento ingerido. 
3. Digestão no intestino delgado 
O intestino delgado é o principal órgão de digestão e absorção dos alimentos e nutrientes 
e é dividido em três porções: duodeno, jejuno e íleo. Na parte inicial do intestino delgado, 
ocorre a digestão e absorção da maior parte dos alimentos ingeridos devido ao estímulo 
da produção de enzimas pelo próprio intestino delgado, pâncreas e vesícula biliar. 
A bile é secretada pelo fígado e pela vesícula biliar e facilita a digestão e a absorção de 
lipídeos, colesterol e vitaminas lipossolúveis. O pâncreas é responsável por secretar 
enzimas que são capazes de digerir todos os principais nutrientes. As enzimas produzidas 
pelo intestino delgado reduzem os carboidratos de menor peso molecular e peptídeos de 
tamanho médio e grande, além dos triglicerídeos que são degradados em ácidos graxos 
livre e monogliceróis. 
A maior parte do processo digestivo é completada no duodeno e na parte superior do 
jejuno, e a absorção da maioria dos nutrientes está quase toda completa no momento 
em que o material chega ao meio do jejuno. A entrada de alimentos parcialmente 
digeridos estimula a liberação de vários hormônios e, consequentemente, de enzimas e 
líquidos que interferem na motilidade gastrointestinal e na saciedade. 
Ao longo do intestino delgado quase todos os macronutrientes, vitaminas, minerais, 
oligoelementos e líquidos são absorvidos antes de chegar ao cólon. O cólon e o reto 
absorvem a maior parte do fluido restante vindo do intestino delgado. O cólon absorve 
eletrólitos e uma pequena quantidade de nutrientes restantes. 
As fibras remanescentes, amidos resistentes, açúcar e aminoácidos são fermentados pela 
borda em escova do cólon, resultando em ácidos graxos de cadeia curta e gás. Os ácidos 
graxos de cadeia curta ajudam a manter a função normal da mucosa, liberam uma 
pequena quantidade de energia de alguns dos carboidratos e aminoácidos residuais e 
facilitam a absorção do sal e da água. 
O conteúdo intestinal demora de 3 a 8 horas para chegar até a válvula ileocecal, que 
serve para limitar a quantidade de material intestinal que passa do intestino delgado para o 
cólon e impede seu retorno. 
O que pode interferir na digestão 
Vários são os fatores que podem fazer com que a digestão não seja realizada da forma 
correta, resultando em consequências para a saúde da pessoa. Alguns dos fatores que 
podem afetar a digestão são: 
• Quantidade e composição do alimento ingerido, isso porque dependendo da 
característica do alimento o processo de digestão pode ser mais rápido ou mais 
lento, o que pode influenciar na sensação de saciedade, por exemplo. 
• Fatores psicológicos, como aparência, cheiro e sabor do alimento. Isso porque 
essas sensações aumentam a produção de saliva e das secreções

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.