A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
44 pág.
Diarreia

Pré-visualização | Página 11 de 15

de Ringer lactato ou solução salina, com potássio adicional e bicarbonato, conforme necessário. As soluções 
orais de reidratação, usadas extensivamente para substituir fluido diarreico e as perdas de eletrólitos, são 
eficazes por conterem sódio, açúcares e, muitas vezes, os aminoácidos que utilizam nutrientes dependentes 
de transportadores de captação de sódio. 
Em pacientes de alerta com desidratação leve a moderada, a solução de reidratação oral é tão eficaz como 
a hidratação endovenosa na reparação de líquidos e eletrólitos perdidos. Soluções de reidratação oral podem 
ser administradas a lactentes e crianças em volumes de 50 a 100 mL/kg durante 4 a 6 horas, os adultos 
necessitam ingerir 1.000 mL/h. A reduzida osmolaridade de soluções (Na++ 75 mmol/L, osmolaridade 245 
mmol/L vs. Na++ 90 mmol/L, osmolaridade 311 mmol/L em soluções-padrão) são mais bem tolerados e 
eficazes na diarreia não colérica, mas pode causar hiponatremia em pacientes com alto volume de diarreia, 
principalmente em crianças. As soluções contendo glicose, embora eficazes em reidratar o paciente, podem 
piorar a diarreia. 
Contrastando com as soluções contendo glicose, soluções de poliméricos à base de arroz diminuem a 
diarreia em vítimas da cólera; o arroz é digerido até chegar a inúmeros monômeros da glicose que auxiliam 
na absorção de secreções intestinais. Estas soluções não podem diminuir a produção de fezes na diarreia 
aguda, mas reidratarão o paciente apesar da continuidade da diarreia. Após a reidratação ser realizada, 
administram-se soluções orais de reidratação em velocidades equivalentes à soma das perdas fecais e perdas 
insensíveis, até que cesse a diarreia. 
• Tratamento medicamentoso (mecanismo de ação, indicação, contraindicação). 
→ Redução da Diarreia: Subsalicilato de bismuto (Pepto-Bismol, 525 mg por via oral a cada 30 minutos 
a 1 hora em cinco doses, podendo ser repetido no 2° dia, é seguro e eficaz nas diarreias por infecção 
bacteriana). Os opiáceos e anticolinérgicos não são recomendados para invasivas bacterianas de diarreias 
infecciosas, porque esses medicamentos podem paralisar a motilidade intestinal e predispor à colonização 
aumentada, invasão e excreção prolongada dos organismos infecciosos. 
Indicações: É um antiácido que proporciona alívio da má digestão (azia ou hiperacidez) e da náusea, 
recobrindo a mucosa gastrointestinal sem causar constipação. Controla também a diarréia, aliviando as 
cólicas abdominais associadas. 
Contraindicações: Não use este produto se você for alérgico ao ácido acetilsalicílico. Em casos de reações 
adversas, suspender o uso do produto. Se a diarréia for acompanhada por febre alta ou continuar por mais 
de 2 dias, consulte um médico. Crianças e adolescentes que tenham ou se recuperam de catapora ou gripe 
não devem usar este produto para tratar vômito. Nestes casos, consulte um médico, porque pode ser um 
sinal precoce de síndrome de Reye, uma rara, mas grave doença. Como qualquer outro medicamento, se 
você estiver grávida ou amamentando, procure um médico antes de usar este produto. 
Não tome esse produto se você for alérgico ao ácido acetilsalicílico e se a diarréia for acompanhada por 
febre alta e persistir por mais de 2 dias. Para crianças abaixo de 3 anos e em casos de gravidez e lactação, 
procure um médico. 
Mecanismo de ação no Estômago: Pepto-Bismol (Salicilato de Bismuto Monobásico) reveste a mucosa 
gástrica formando uma camada protetora. Isto significa proteção contra o contato de substâncias irritantes 
e agressivas. Sua ação também reforça a camada protetora natural do estômago, pois estimula a produção 
de protetores naturais. 
Mecanismo de ação na diarréia: Pepto-Bismol (Salicilato de Bismuto Monobásico) possui atividade 
contra as bactérias causadoras da diarréia (E.coli e espécies de salmonella, shigella e campylobacter). 
Possui efeito antissecretor (reduz a secreção de água e eletrólitos); age como antiinflamatório na mucosa 
inflamada; e liga-se às toxinas que são produzidas pelas bactérias. 
A loperamida é segura na diarreia aguda ou do viajante, desde que não seja administrada em pacientes 
com disenteria (febre alta, com sangue ou pus nas fezes), e especialmente quando administrada de forma 
concomitante com antibióticos eficazes. 
Indicações: O cloridrato de Loperamida está indicado no tratamento sintomático de: 
- Diarreia aguda inespecífica, sem caráter infeccioso; 
- Diarreias crônicas espoliativas, associadas a doenças inflamatórias como Doença de Crohn e retocolite 
ulcerativa; 
- Nas ileostomias e colostomias com excessiva perda de água e eletrólitos. 
Contraindicações: Este medicamento é contraindicado em pacientes com hipersensibilidade conhecida ao 
cloridrato de Loperamida ou a qualquer um dos excipientes. 
O cloridrato de Loperamida não deve ser utilizado como tratamento de primeira escolha em pacientes: 
- Com disenteria aguda caracterizada por sangue nas fezes e febre alta; 
- Com colite ulcerativa aguda; 
- Com enterocolite bacteriana causada por agentes invasores incluindo Salmonella, Shigella e 
Campylobacter; 
- Com colite pseudomembranosa associada ao uso de antibióticos de amplo espectro. 
Em geral, cloridrato de Loperamida não deve ser utilizado quando a inibição do peristaltismo deve ser 
evitada devido ao risco potencial de sequelas significativas incluindo íleo, megacolo e megacolo tóxico. O 
cloridrato de Loperamida deve ser suspenso rapidamente quando ocorrer constipação, distensão abdominal 
ou íleo. 
O tratamento com cloridrato de Loperamida é apenas sintomático. Sempre que uma etiologia de base puder 
ser determinada, um tratamento específico deve ser instituído quando apropriado (ou quando indicado). 
Mecanismo de ação: É um antidiarreico sintético de uso oral. 
Os estudos in vitro e em animais mostram que o cloridrato de Loperamida atua diminuindo a motilidade 
intestinal propulsiva por ação direta sobre as camadas musculares circular e longitudinal da parede 
intestinal, inibindo a liberação de acetilcolina e prostaglandinas nos plexos mioentéricos. Além disso, o 
cloridrato de Loperamida atua também beneficamente sobre o transporte de água e eletrólitos pela mucosa 
intestinal. 
Nos seres humanos, ele prolonga o tempo de trânsito intestinal, reduz o volume fecal diário e diminui a 
perda de água e eletrólitos. Também aumenta o tônus do esfíncter anal, reduzindo a sensação de urgência 
e incontinência fecal. Em virtude de sua alta afinidade pela parede intestinal e intensa metabolização na 
primeira passagem pela circulação hepática, a quantidade do cloridrato de Loperamida que atinge a 
circulação sistêmica é muito limitada. Assim, a Loperamida é facilmente absorvida pelo intestino e é quase 
completamente metabolizado pelo fígado, onde é conjugada e excretada através da bile. 
Uma combinação de loperamida (2 mg por via oral, quatro vezes ao dia) com simeticona (125 mg por via 
oral, 4 vezes ao dia) pode reduzir as cólicas abdominais e a duração da diarreia dos viajantes. 
Indicações: A Simeticona é indicada para pacientes com excesso de gases no aparelho digestivo. O 
acúmulo de gases no estômago e no intestino chama-se flatulência, que causa desconforto abdominal, 
aumento do volume abdominal, dor ou cólicas no abdômen. A eliminação dos gases alivia estes sintomas. 
A Simeticona também pode ser usada como medicação auxiliar no preparo dos pacientes em exames 
médicos, tais como endoscopia digestiva (exame do interior do esôfago, estômago e intestino) e/ ou 
colonoscopia (exame do interior do intestino grosso). 
Contraindicações: Em caso de alergia ou sensibilidade a qualquer um dos componentes da fórmula. 
Não use Simeticona se você apresentar algum dos seguintes sintomas: 
 ·Distensão abdominal grave (grande aumento do volume abdominal); 
 ·Cólica grave (dor na barriga de forte intensidade); 
 ·Dor persistente (mais que 36 horas); 
 ·Massa palpável na região do abdômen. 
Não há contraindicação