A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Resumo - Anatomia do Ombro

Pré-visualização | Página 1 de 1

a
i
m
o
t
a
n
A
Complexo do ombro
Complexo do ombro
Ombro: segmento proximal do membro que se superpõe a partes do tronco (tórax e dorso) e à região lateral inferior do pescoço. Inclui as regiões peitoral, escapular e deltóidea do membro superior, e a parte lateral (fossa supraclavicular maior) da região cervical lateral. Recobre metade do cíngulo do membro superior. O cíngulo do membro superior é um anel ósseo, incompleto posteriormente, formado pelas escápulas e clavículas e completado anteriormente pelo manúbrio do esterno (parte do esqueleto axial). 
- Clavícula: une o membro superior ao tronco (esqueleto axial). As suas curvaturas aumentam a sua resiliência. Sua principal função compreende: atuar como um suporte rígido e móvel, pois ao passo que a mantem afastada do tronco permite que haja uma liberdade e movimento sobre a articulação escapulotorácica; forma um dos limites ósseos do canal cervicoaxilar (passagem entre o pescoço e o braço), protegendo o feixe neurovascular que supre o membro superior; transmite choques (impactos traumáticos) do membro superior para o esqueleto axial.
- Escápula: A escápula é um osso plano triangular situado na face posterolateral do tórax, superposta às 2a a 7a costelas. Uma crista proeminente, chamada de espinha da escapula, corre diagonalmente pela face posterior da escapula (Figura 8.3b). A extremidade lateral da espinha projeta-se como um processo expandido achatado, chamado de acrômio, facilmente perceptível como o ponto mais alto do ombro. Os alfaiates medem o comprimento do membro superior a partir do acrômio. Como observado anteriormente, o acrômio se articula com a extremidade acromial da clavícula para formar a articulação acromioclavicular. Abaixo do acrômio encontra-se uma depressão superficial, a cavidade glenoidal, que recebe a cabeça do úmero (osso do braço) para formar a articulação do ombro
-Úmero: O úmero, ou osso do braco, e o maior e mais longo osso do membro superior (Figura 8.5). Proximalmente, articula-se com a escapula, e, distalmente, no cotovelo, com dois ossos, a ulna e o radio. A extremidade proximal do úmero apresenta uma cabeça arredondada que se articula com a cavidade glenoidal da escapula para formar a articulacao glenoumeral (do ombro). Distalmente a cabeça encontra-se o colo anatômico, que é visível como um sulco obliquo. O tubérculo maior e uma projeção lateral, distai ao colo anatômico, sendo o acidente osseo mais lateralmente palpável na região do ombro. O tubérculo menor se projeta anteriormente. Entre os dois tubérculos ha um sulco denominado sulco intertubercular. O colo cirúrgico e uma constrição no úmero, imediatamente distai aos tubérculos, na qual a cabeça toma-se afilada em direção ao corpo do úmero; e assim denominado em razão das fraturas que ocorrem frequentemente no local.
ARTICULAÇÃO- articulação glenoumeral, acromioclavicular e esternocostoclavicular (verd)
A articulação do ombro é uma articulação esferoidea, formada pela cabeça do úmero e pela cavidade glenoidal da escapula. Também e conhecida como articulação glenoumeral
Componentes articulares:
 1. Capsula articular. Saco frouxo e fino que envolve completamente a articulação e se estende da cavidade glenoidal até o colo anatômico do úmero. A parte inferior da capsula e sua área mais fraca
2. Ligamento coracoumeral. Ligamento largo e forte que reforça a parte superior da capsula articular e estende-se do processo coracoide da escapula até o tubérculo maior do úmero O ligamento fortalece a parte superior e reforça a face posterior da capsula articular.
3. Ligamentos glenoumerais. Três espessamentos da capsula articular sobre a face anterior da articulação que se estendem da cavidade glenoidal até o tubérculo menor e o colo anatômico do úmero. Estes ligamentos são muitas vezes indistintos ou ausentes e proporcionam apenas resistência mínima. Exercem uma função na estabilização da articulação quando o úmero se aproxima ou excede seus limites de movimento.
4. Ligamento transverso do úmero. Lamina estreita estendendo-se do tubérculo maior até o tubérculo menor do úmero. O ligamento funciona como um retinaculo para segurar a cabeça longa do musculo bíceps braquial.
5. Lábio glenoidal. Margem estreita de fibrocartilagem em tomo da margem da cavidade glenoidal que aprofunda e alarga levemente esta cavidade 
6. Bolsas. Quatro bolsas (veja anteriormente) estao associadas com a articulacao do ombro. São a bolsa subtendinea subescapular, a bolsa subdeltoidea, a bolsa subacromial e a bolsa do musculo coracobraquial.
Movimentos 
A articulação do ombro permite flexão, extensão, abdução, adução, rotação mediai, rotação lateral e circunducao do braco. Possui mais liberdade de movimento do que qualquer outra articulação no corpo. Essa liberdade resulta da frouxidão da capsula articular e da pouca profundidade da cavidade glenoidal, em relação ao grande tamanho da cabeça do úmero. Embora os ligamentos da articulação do ombro confiram, até certo ponto, resistência a articulação, grande parte da resistência resulta dos músculos que envolvem a articulação, especialmente os músculos do manguito rotador. Estes músculos (o supra espinal, o infra espinal, o redondo menor e o subescapular) unem a escapula ao úmero. Os tendões dos músculos do manguito rotador circundam a articulação (exceto a parte inferior) e se fundem com a capsula articular. Os músculos do manguito rotador trabalham em conjunto para manter a cabeça do úmero na cavidade glenoidal.
Flexão: peitoral maior, coracobraquial, deltoide anterior. 
Extensão: deltoide posterior, latíssimo do dorso, redondo maior.
Abdução: deltoides, supraespinhal , infraespinhal, peitoral maior 
Adução: peitoral maior, coracobraquial, subescapular, latíssimo, redondo maior.
Rotação medial: peitoral maior, subescapular, deltoide anterior, latíssimo. 
Rotação lateral: redondo menor e infraespinhal 
Referencias: Moore e Tortora