A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Farmacocinética

Pré-visualização | Página 3 de 5

biotransformação na 
parede intestinal ou no fígado. 
(2) Interação com substâncias no TGI: alimentos, outros fármacos. 
(3) Características do paciente: motilidade gastrointestinal, velocidade 
de esvaziamento gástrico, fluxo sanguíneo, superfície de absorção e 
permeabilidade capilar. 
 
Depois que o fármaco é absorvido, ele é distribuído, isto é, transportado 
pelo sangue e outros fluidos a todos os tecidos do organismo. Para 
fármacos administrados por via IV, onde não existe absorção, a fase 
inicial representa a fase de distribuição, na qual o fármaco rapidamente 
sai da circulação e entra nos tecidos. A distribuição depende de: 
 
Fluxo sanguíneo 
A taxa de fluxo de sangue para os capilares dos tecidos varia 
amplamente. Por exemplo, o fluxo de sangue para os órgãos ricos em 
vasos (cérebro, fígado e rins) é maior do que para os músculos 
esqueléticos. 
 
Permeabilidade capilar 
A permeabilidade capilar é determinada pela estrutura capilar e pela 
natureza química do fármaco. A estrutura do capilar pode variar 
(contínuo, fenestrado, sinusoide). No cérebro, a estrutura capilar é 
contínua, por isso para entrar no cérebro, o fármaco precisa passar 
 
 
através das células endoteliais dos capilares do SNC ou ser 
transportado ativamente. Os fármacos lipossolúveis entram facilmente 
no SNC, pois se dissolvem na membrana das células endoteliais. 
Fármacos ionizados ou polares em geral fracassam tentando entrar no 
SNC, pois não conseguem passar através das células endoteliais, as 
quais não apresentam junção com frestas. Essas células intimamente 
justapostas formam junções estreitadas que constituem a barreira 
hematoencefálica 
 
Ligação de fármacos a proteínas plasmáticas e dos tecidos 
A ligação reversível às proteínas plasmáticas fixa os fármacos de forma 
não difusível e retarda sua transferência para fora do compartimento 
vascular. 
 
 A albumina é a principal proteína ligadora. À medida que a concentração 
do fármaco livre diminui, devido à eliminação, o fármaco ligado se 
dissocia da proteína. Isso mantém a concentração de fármaco livre 
como uma fração constante do fármaco total no plasma. 
 
A quantidade um fármaco que se liga a proteínas vai depender de: (1) 
Afinidade dos fármacos pelo sítio de ligação e (2) Concentração de 
proteínas. A ligação é saturável, pode resultar no retardo na eliminação 
e os fármacos podem competir entre si por sítios de ligação nas 
proteínas. 
Além disso, vários fármacos se acumulam nos tecidos, levando a 
concentrações mais elevadas no tecido do que no líquido extracelular e 
no sangue. Os fármacos podem acumular como resultado da ligação a 
lipídeos, proteínas ou ácidos nucleicos e podem também ser 
transportados ativamente aos tecidos. Isso pode prolongar sua ação ou 
causar toxicidade. 
 
Lipofilicidade 
Fármacos lipofílicos passam mais facilmente através das membranas 
biológicas. Esses fármacos se dissolvem nas membranas lipídicas e 
permeiam toda a superfície celular. 
 
Outros fatores que podem influenciar na distrinuição são: coeficiente de 
partição oléo:água ( relação das concentrações da substância em um 
solvente orgânico e em água), grau de ionização no pH fisiológico e o 
tamanho da molécula. 
 
Volume de distribuição 
 
O volume de distribuição aparente (Vd) é o volume de líquido necessário 
para conter todo o fármaco do organismo na mesma concentração 
presente no plasma. O Vd é calculado dividindo-se a dose que alcança a 
circulação sistêmica pela concentração no plasma no tempo zero (C0): 
 
Vd = quantidade de fármaco no organismo 
C0 
 
O Vd pode ser útil para comparar a distribuição de um fármaco com os 
volumes dos compartimentos de água no organismo: 
 
1. Compartimento plasmático: Se um fármaco tem massa molecular 
muito alta ou liga-se extensamente às proteínas, ele é muito grande para 
atravessar as fendas dos capilares e acaba ficando aprisionado dentro 
@waleska112 
MED IX - UFOB 
 
do compartimento plasmático (vascular). Como resultado, ele tem um Vd 
baixo que se aproxima do volume de plasma, ou cerca de 4 L em um 
indivíduo com 70 kg. 
2. Líquido extracelular: Se um fármaco apresenta baixa massa 
molecular, mas é hidrofílico, ele passa pelas fendas endoteliais dos 
capilares para o líquido intersticial, mas não podem se passar pelas 
membranas celulares lipídicas. Por isso, esses fármacos se distribuem 
em um volume que é a soma do volume de plasma com a água intersticial 
(14 L em uma pessoa com 70 kg). 
3. Água corporal total: Se um fármaco apresenta baixa massa 
molecular e é lipofílico, ele pode se mover para o interstício através das 
fendas e também passar através das membranas celulares para o 
líquido intracelular. Esses fármacos se distribuem em um volume de 
cerca de 60% da massa corporal, ou cerca de 42 L em uma pessoa com 
70 kg 
 
Fármaco Vd (L) Compartimento 
Azul de Evans 3 Água plasmática 
Manitol 12 Água extracelular 
Barbital 41 Água corporal total 
Propofol 4000 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
O Vd tem influência importante na meia-vida do fármaco. A oferta de 
fármaco aos órgãos de eliminação depende não só do fluxo sanguíneo, 
como também da fração de fármaco no plasma. Se o fármaco tem um Vd 
elevado, a maior parte do fármaco está no espaço extraplasmático e 
indisponível para os órgãos excretores. Portanto, qualquer fator que 
aumente o Vd pode aumentar a meia-vida e prolongar a duração de ação 
do fármaco. 
 
Como já falamos sobre a dificuldade que alguns fármacos possuem de 
atravessar a barreira hematoencefálica devido às junções estreitadas 
entre as células, é importante lembrar que alguns fármacos podem 
atravessar a barreira placentária. São fármacos lipossolúveis, com 
baixo peso molecular, como AIE, sedativos-hipnóticos, opióides. Alguns 
podem ter toxicidade sobre o feto: 
- Talidomida: membros deformados 
- Anticoagulante: hemorragia fetal e neonatal 
- Tetraciclinas: dentição anormal 
Diante disso, os fármacos são classificados em categorias: 
 
 
 
Categoria Interpretação 
A Estudos controlados mostram risco ausente em grávidas 
B Nenhum risco para humanos, pode ter ou não para animais 
C Risco não pode ser excluido 
D Evidência de risco, mas os benefícios podem sobrepujar 
X Contraindicado na gravidez 
 
Reservatórios de fármacos 
São locais onde os fármacos se encontram em maior concentração que 
no plasma, devido alguns mecanismos: diferença de pH, ligação a 
proteínas, tecido adiposo ou transporte ativo da células. Na 
redistribuição, fármacos que então concentrados em determinados 
tecidos são removidos dos seus reservatórios e voltam para a 
circulação sanguínea. 
 
“Os processos pelos quais os fármacos são alterados por reações 
bioquímicas do corpo”. 
Os inúmeros agentes terapêuticos lipofílicos não entram facilmente no 
ambiente aquoso da urina. O metabolismo dos fármacos e de outros 
compostos xenobióticos em metabólitos mais hidrofílicos é essencial à 
sua eliminação do organismo, bem como à cessação das suas atividades 
biológica e farmacológica. Em geral, as reações metabólicas dos 
fármacos produzem metabólitos inativos mais polares, que são 
prontamente excretados do corpo. Entretanto, em alguns casos, o 
organismo produz metabólitos com atividade biológica potente ou 
propriedades tóxicas. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A biotransformação dos fármacos ocorre principalmente no fígado e 
envolve reações da fase 1 (oxidação, redução ou reações hidrolíticas e 
atividades das CYP) e reações da fase 2 (conjugação do produto da fase 1 
com uma segunda molécula) e algumas outras reações. Outros órgãos 
com capacidade metabólica significativa para os fármacos são rins, 
pulmões, intestino (salbutamol) e plasma (anestésico local). 
 
Cinética da biotransformação 
 
Cinética de primeira ordem 
A maioria das reações obedece à cinética de Michaelis-Menten: 
 
v = velocidade de biotransformação do fármaco = Vmáx [C] 
Km + [C] 
Na maioria das situações clínicas,