A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
lesões superficiais na pratica cirúrgica ambulatorial

Pré-visualização | Página 1 de 2

LESÕES SUPERFICIAIS NA PRATICA CIRÚRGICA AMBULATORIAL 
Lia Ali 
Maicon P Cigolini 
Andressa S Eidt 
Daniel Weiss Vilhordo 
Ricardo Breigeiron 
UNITERMOS 
CIRURGIA AMBULATORIAL; CISTO EPIDÉRMICO; LIPOMA; ABSCESSO; CARCINOMA DE CÉLULAS 
ESCAMOSAS; NEVO; CARCINOMA BASOCELULAR; MELANOMA. 
KEYWORDS 
AMBULATORIAL SURGERY; EPIDERMAL CYST; LIPOMA; ABSCESS; CUTANEOUS SQUAMOUS CELL 
CARCINOMA; NEVUS; CARCINOMA; BASAL CELL; MELANOMA. 
SUMÁRIO 
Lesões superficiais são frequentes na prática clínica e geralmente não 
demandam ambientes hospitalares ou materiais cirúrgicos elaborados para sua 
resolução. O objetivo dos autores é apresentar a conduta nas principais lesões 
superficiais de interesse cirúrgico. 
SUMMARY 
Superficial lesions are common in clinical practice and its treatment 
generally does not require elaborate surgical material or hospital care. The 
central aim in this chapter is to present the management for the main superficial 
lesions in surgery concerning. 
CISTO SEBÁCEO OU EPIDERMÓIDE 
Ocorre quando o conduto de uma glândula sebácea é ocluído e gera 
acúmulo de secreção com consequente formação de cisto de retenção. É mais 
frequente no adulto nas regiões de couro cabeludo, orelha, pescoço e face. A 
apresentação habitual é de lesão subcutânea abaulada, pouco consistente, 
arredondada, de crescimento lento e tamanho variável. Frequentemente 
apresenta pequeno orifício, através do qual pode haver eliminação de material 
resultante da desintegração das células sebáceas.1 As lesões podem permanecer 
estáveis ou aumentar progressivamente. Infecção secundária pode ocorrer, 
inclusive com celulite adjacente, formação de abscesso e ruptura espontânea.2 
A indicação do tratamento baseia-se em aspectos estéticos, desconforto 
ou presença de infecção; e a conduta varia dependendo se há presença de 
infecção ou não: 
Cisto infectado (abscedido): caso a lesão não esteja “madura”, isto é, 
apresente-se ainda endurecida, idealmente deve-se indicar calor local e 
combinar revisão em 24 a 48 horas. No caso de lesões “maduras”, isto é, com 
sinais flogísticos e consistência amolecida, a opção é a drenagem no ponto de 
maior flutuação, sem exérese do cisto, pois o processo inflamatório torna difícil 
a remoção completa da lesão e aumenta a chance de recidiva. Além disso, a 
tentativa de retirada de toda a cápsula pode romper as barreiras defensivas da 
pele havendo propagação da infecção. Anestésicos locais têm seu efeito 
diminuído, porém podem ser utilizados em doses habituais. A pele sobre a lesão 
deve ser incisada, o material purulento drenado e a ferida mantida aberta. Em 
casos selecionados, o material pode ser enviado para análise microbiológica. A 
presença de celulite adjacente à lesão pode indicar necessidade de 
antibioticoterapia, que não é utilizada rotineiramente. O agente mais freqüente 
é o Staphylococcus aureus.1 Deve-se esperar de quatro a seis semanas para o 
tratamento definitivo do cisto (excisão)2 explicado a seguir. 
Cisto não infectado: está indicada a exérese. A técnica inclui anestesia 
local com bloqueio de campo ou infiltração entre a cápsula do cisto e os tecidos 
circunjacentes. Após, procede-se incisão linear da pele sobre a lesão e disseca-
se cuidadosamente o cisto separando-o dos tecidos adjacentes com o auxílio de 
afastadores ou ganchos, atentando para não romper a cápsula. A remoção 
completa do cisto íntegro (ou de qualquer vestígio de cápsula, no caso de lesões 
rotas) é necessária para evitar recidiva. Se houver extravasamento de material 
sebáceo, o tecido subcutâneo deve ser exaustivamente lavado. Tecidos devem 
ser aproximados, evitando espaço morto. 
LIPOMA 
Lipomas são tumores benignos de células adiposas maduras e 
representam a neoplasia benigna do tecido subcutâneo mais comum, localizada 
no subcutâneo.3 Ocorrem principalmente nas regiões do pescoço, dorso, 
nádegas e porção proximal das extremidades.1,4 Usualmente podem ser 
removidos à nível ambulatorial. Excluindo prejuízo estético, raramente causam 
sintomas. Entretanto, se presentes, pode haver dor leve, hipersensibilidade, 
desconforto ou compressão de estruturas adjacentes.1 Apresenta-se como 
nódulo subcutâneo de crescimento lento, único ou múltiplo, arredondado ou 
multilobulado1 e de tamanho muito variado, consistência amolecida, plano de 
clivagem bem definido em relação ao tecido adjacente,5 Usualmente, é ligado à 
pele que o recobre por feixes de tecido fibroso e que, quando pressionado, dá à 
pele um aspecto característico de casca de laranja.1 Excepcionalmente, exames 
de imagem podem ser necessários, como em massas suspeitas, acima de 5 cm, 
irregulares ou manifestações miofasciais.5 
Após degermação e colocação e campos estéreis, anestesia local é 
realizada para iniciar o procedimento. É indicado marcar o perímetro da lesão 
previamente à cirurgia, pois a infiltração poderá distorcer as margens brandas 
do tecido.4 Deve-se incisar sobre o lipoma, respeitando as linhas de força da 
pele. A incisão deve ser suficiente para a remoção completa da lesão.5 Após a 
abertura da pele com o bisturi, utiliza-se pinça hemostática ( ) ou tesoura para 
separar o tumor do tecido adjacente. O plano de clivagem, via de regra, é 
encontrado facilmente. O dedo do cirurgião pode facilitar a dissecção. 
Geralmente, o sangramento é discreto, com exceção da região profunda do 
lipoma, por onde entram os vasos que o nutrem. Vasos maiores devem ser 
ligados. Após a remoção do lipoma, espaço subcutâneo residual deve ser 
fechado com pontos em “U” invertido de fio absorvível 3-0 ou 4-0. A pele é 
suturada com fio monofilamentar.1 
Lipoma versus lipossarcoma bem diferenciado: a análise histopatológica 
evita que lesão maligna (lipossarcoma), embora rara, passe despercebida e sem 
tratamento adequado. Lipossarcoma bem diferenciado (“lipoma-like” 
lipossarcoma) pode ser confundido com lipoma, e habitualmente o 
comportamento biológico é de recidivas sucessivas. 
ABSCESSO CUTÂNEO 
Abscesso é coleção de tecido inflamatório purulento causado pela 
supuração dentro de tecido ou órgão. Das bactérias piogênicas infectante mais 
comum é Staphylococcus.6 
Na clínica, deve-se procurar história de quebra de barreira (picada por 
inseto, mordedura, trauma, etc) e, no exame físico, lesão com sinais flogísticos. 
Abscessos maduros apresentam-se macios e flutuantes, e os não maduros, 
eritematosos e endurecidos. Drenagem espontânea eventualmente pode ser 
identificada. Aspiração com agulha na suspeita de abscesso pode facilitar o 
diagnóstico quando o exame físico é duvidoso.7 Entretanto, hematomas 
decorrentes de trauma não devem ser liberalmente explorados ou puncionados 
na ausência de alta suspeita ou clara definição de infecção. 
Abscessos maiores e profundos devem ser manipulados no centro 
cirúrgico.8 Abscessos cervicais devem ser cuidadosamente avaliados pelo risco 
de mediastinite descendente. Em áreas do corpo onde há preocupação estética 
(face, mamas, pescoço) ou áreas como palma das mãos, planta dos pés e dobra 
nasolabial, avaliação de cirurgião plástico é apropriada.9 Sinais de gravidade 
incluem extensa área de celulite adjacente, febre e presença de múltiplos 
abscessos. 
Na maior parte dos casos, incisão e drenagem sob anestesia local é o 
tratamento de escolha. Em lesões extensas ou pacientes graves, o 
procedimento deve ocorrer no bloco cirúrgico. 
Para o abscesso sem flutuação, calor local reduz a dor e promove 
vasodilatação, acelerando a maturação. Repouso, elevação do segmento 
atingido e proteção do local são recomendáveis.4 Abscesso com flutuação deve 
ser drenado prontamente. Abscessos perianais e anorretais fogem a esta regra 
devendo ser imediatamente drenados, mesmo sem flutuação, pelo risco de 
evolução para infecção perineal extensa. Ao utilizar anestésico local, deve-se 
considerar que, no baixo pH tecidual do abscesso, o efeito é menos satisfatório. 
Antibioticoterapia empírica é reservada para imunocomprometidos ou 
pacientes com extensa área de celulite, toxemia