A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Sepses

Pré-visualização | Página 2 de 2

e mortalidade, assim como 
sua queda indica um melhor prognóstico. Agora, a meta e normalizar os valores de lactato em 6 
horas. 
• Proteína C reativa ou procalcitonina. 
• Exames de imagem: podem ser uteis na identificação do local da infecção (identificação de 
coleções abdominais, colecistite, colangite, entre outras). 
LMF- MÓDULO14- KATARINA ALMEIDA 
 
 5 
 
 
TRATAMENTO 
• Acesso venoso, suplementação de O2 e monitorização: reposição volêmica inicial com 30mL/Kg 
de pesa de solução cristaloide (preferência para ringer lactato), nas primeiras 03 horas, 
administrada em bolus, em infusão rápida. 
• Antibioticoterapia de amplo espectro (metronidazol ou ceftriaxone), na primeira hora de 
admissão, preferencialmente após a coletas das culturas; direcionar a antibioticoterapia depois 
de isolar o agente etiológico e reavaliar diariamente. 
• Manutenção da pressão arterial média (PAM) ≥ 65mmHg, se necessário, utilizar drogas 
vasopressoras: noradrenalina 0,05 -2 µg/Kg/min diluída. 
• Corticoterapia em casos de choque refratário: Hidrocortisona, 200mg/dia, durante 07 dias. 
LMF- MÓDULO14- KATARINA ALMEIDA 
 
 6 
• Transfusões de hemácias: pacientes com nível de hemoglobina ≤ 7g/dL. 
• Manter glicemia sérica < 180mg/dL, se houver necessidade, utilizar insulina de ação rápida de 
acordo com a necessidade do paciente e evitar a hipoglicemia. 
• Profilaxia de úlcera de estresse em pacientes em ventilação mecânica > 48 horas, coagulopatia 
ou choque: ranitidina 50 mg EV 8/8 horas ou omeprazol 40 mg EV 1 vez ao dia. 
• Profilaxia de trombose venosa profunda (TVP): enoxaparina 40 mg SC 1 x/dia ou heparina 5.000 
U SC 3 x/dia.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.