A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
DESPESAS PROCESSUAIS

Pré-visualização | Página 1 de 2

Sd jurisadvogando – Sandra Mara Dobjenski 
 
DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO – DESPESAS PROCESSUAIS 
*À custa no processo do trabalho são pagas ao final pelo vencido (REGRA GERAL) 
*Se o vencido for recorrer ele agora deve efetuar o recolhimento e comprovar este 
no prazo do recurso. (Diferentemente da justiça comum, que para ajuizar a ação 
tem-se que pagar à custa) 
*Á custa incide na base de 2% - o mínimo que se paga é de R$10,64 e o máximo de 
04 vezes o valor do limite de regulamento geral de previdência social. 
*A custa incide 02% sobre o valor da condenação ou 2% sobre o valor do acordo. 
Ex.: Maria ajuizou uma ação em face da empresa Alfa – o valor da causa foi de R$ 
300.000,00 – saiu sentença e o juiz condenou a empresa Alfa a pagar R$ 23.000,00 
– a custa incidirá dois por cento em cima desse valor. 
Maria ajuizou ação contra Alfa – valor da causa R$ 500.000,00 – no meio do 
processo ocorreu um acordo no valor de R$ 17000,00 – a custa incide 2% sobre 
este valor. 
Existe a possibilidade da custa incidir sobre o valor da causa – hipóteses: 
1. Processo extinto sem resolução do mérito 
2. Se todos os pedidos forem julgados improcedentes 
3. Se houver procedência dos pedidos nas ações declaratórias ou constitutivas 
*Se o valor da condenação for um valor não calculado, um valor indeterminado – a 
custa incide sobre o valor que o juiz determinar. 
*Dissídios coletivos – custa sobre o valor determinado na decisão. 
Art. 789 CLT. Nos dissídios individuais e nos dissídios coletivos do trabalho, nas 
ações e procedimentos de competência da Justiça do Trabalho, bem como nas 
demandas propostas perante a Justiça Estadual, no exercício da jurisdição 
trabalhista, as custas relativas ao processo de conhecimento incidirão à base de 2% 
(dois por cento), observado o mínimo de R$ 10,64 (dez reais e sessenta e quatro 
centavos) e o máximo de quatro vezes o limite máximo dos benefícios do Regime 
Geral de Previdência Social, e serão calculadas: (Redação dada pela Lei nº 13.467, 
de 2017) 
I – quando houver acordo ou condenação, sobre o respectivo valor; (Redação dada 
pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002) 
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13467.htm#art1
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13467.htm#art1
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789
 
Sd jurisadvogando – Sandra Mara Dobjenski 
 
II – quando houver extinção do processo, sem julgamento do mérito, ou julgado 
totalmente improcedente o pedido, sobre o valor da causa; (Redação dada pela Lei 
nº 10.537, de 27.8.2002) 
III – no caso de procedência do pedido formulado em ação declaratória e em ação 
constitutiva, sobre o valor da causa; (Redação dada pela Lei nº 10.537, de 
27.8.2002) 
IV – quando o valor for indeterminado, sobre o que o juiz fixar. (Redação dada pela 
Lei nº 10.537, de 27.8.2002) 
§ 1o As custas serão pagas pelo vencido, após o trânsito em julgado da decisão. No 
caso de recurso, as custas serão pagas e comprovado o recolhimento dentro do 
prazo recursal. (Redação dada pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002) 
§ 2o Não sendo líquida a condenação, o juízo arbitrar-lhe-á o valor e fixará o 
montante das custas processuais. (Redação dada pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002) 
§ 3o Sempre que houver acordo, se de outra forma não for convencionado, o 
pagamento das custas caberá em partes iguais aos litigantes. (Redação dada pela 
Lei nº 10.537, de 27.8.2002) (quando houver um acordo é preciso verificar o que 
ficou convencionado nesse acordo) (sobre o acordo incidem custas) (se 
ninguém disser nada sobre as custas – nesse caso caberá em partes iguais 
aos litigantes) 
§ 4o Nos dissídios coletivos, as partes vencidas responderão solidariamente pelo 
pagamento das custas, calculadas sobre o valor arbitrado na decisão, ou pelo 
Presidente do Tribunal. (Redação dada pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002) 
Art. 789-A. No processo de execução são devidas custas, sempre de 
responsabilidade do executado e pagas ao final, de conformidade com a seguinte 
tabela: (Incluído pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002) (execução) (na fase de 
execução também incidem custas) (quem paga as custas na execução é o 
executado no final do processo) 
I – autos de arrematação, de adjudicação e de remição: 5% (cinco por cento) sobre 
o respectivo valor, até o máximo de R$ 1.915,38 (um mil, novecentos e quinze reais 
e trinta e oito centavos); (Incluído pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002) 
II – atos dos oficiais de justiça, por diligência certificada: (Incluído pela Lei nº 
10.537, de 27.8.2002) 
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789a
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789a
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789a
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789a
 
Sd jurisadvogando – Sandra Mara Dobjenski 
 
a. em zona urbana: R$ 11,06 (onze reais e seis centavos); (Incluído pela Lei nº 
10.537, de 27.8.2002) 
b. em zona rural: R$ 22,13 (vinte e dois reais e treze centavos); (Incluído pela Lei nº 
10.537, de 27.8.2002) 
III – agravo de instrumento: R$ 44,26 (quarenta e quatro reais e vinte e seis 
centavos); (Incluído pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002) 
IV – agravo de petição: R$ 44,26 (quarenta e quatro reais e vinte e seis 
centavos); (Incluído pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002) 
V – embargos à execução, embargos de terceiro e embargos à arrematação: R$ 
44,26 (quarenta e quatro reais e vinte e seis centavos); (Incluído pela Lei nº 10.537, 
de 27.8.2002) 
VI – recurso de revista: R$ 55,35 (cinquenta e cinco reais e trinta e cinco 
centavos); (Incluído pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002) 
VII – impugnação à sentença de liquidação: R$ 55,35 (cinquenta e cinco reais e 
trinta e cinco centavos); (Incluído pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002) 
VIII – despesa de armazenagem em depósito judicial – por dia: 0,1% (um décimo por 
cento) do valor da avaliação; (Incluído pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002) 
IX – cálculos de liquidação realizados pelo contador do juízo – sobre o valor 
liquidado: 0,5% (cinco décimos por cento) até o limite de R$ 638,46 (seiscentos e 
trinta e oito reais e quarenta e seis centavos).(Incluído pela Lei nº 10.537, de 
27.8.2002) 
*ISENTOS DO PAGAMENTO DAS CUSTAS 
1. Beneficiários de justiça gratuita 
2. União, Estados, DF e municípios, suas autarquias e fundações públicas federais, 
estaduais ou municipais que não explorem atividade econômica, 
3. Ministério Público do Trabalho 
 Art. 790-A. São isentos do pagamento de custas, além dos beneficiários de justiça 
gratuita: (Incluído pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002) 
I – a União, os Estados, o Distrito Federal, os Municípios e respectivas autarquias e 
fundações públicas federais, estaduais ou municipais que não explorem atividade 
econômica; (Incluído pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002) (se explorar atividade 
econômica não é isento) 
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789a
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789a
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789a
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10537.htm#art789a