A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Questões de introdução a anestesiologia

Pré-visualização | Página 1 de 1

Marque a alternativa em que a escolha dos exames foi feita de forma 
correta de acordo com a sintomatologia e características do indivíduo. 
Cadela, 13 anos, com tosse seca será submetida a mastectomia 
unilateral. Os exames que deveriam ter sido solicitados, levando em 
conta somente o risco anestésico, estão contidos na alternativa? 
 
( ) hemograma completo, ECG, raio x torax, TGP, TGO, Ureia, Creatinina e 
K+ 
( ) hemograma completo, ECG, TGP, TGO, Ureia, Creatinina e eletrólitos. 
( X ) hemograma completo, ECG, raio x torax, TGP, TGO, Ureia, 
Creatinina 
( ) hemograma completo, ECG, ecocardiograma, Ureia, Creatinina e K+ 
( ) hemograma completo, ECG, ecocardiograma, TGP, TGO, Ureia, 
Creatinina, eletrólitos, hemogasometria. 
 
EXPLICAÇÃO: Animais submetidos a mastectomia devem fazer raio x de tórax 
para avaliação de metástase pulmonar; a realização de ecocardiografia 
dependerá da avaliação do eletrocardiograma e a realização de 
hemogasometria não se justifica numa situação onde não há alteração de 
função pulmonar evidente! 
 
Um touro de uma tonelada (1.000kg) será submetido à amputação de 
terceira falange. Pretende-se sedar o animal com xilazina associada a 
anestesia local para realização do procedimento. O período de jejum 
hídrico e alimentar recomendado para se minimizar ao máximo o refluxo 
ruminal e a possibilidade de timpanismo é: 
 
( ) Não é necessário jejum, pois será usada apenas sedação sem anestesia 
geral. 
( X ) 24 a 48 horas de jejum alimentar e 24 horas de jejum hídrico. 
( ) 12 horas de jejum alimentar e 6 horas de jejum hídrico. 
( ) 24 horas de jejum alimentar e 12 horas de jejum hídrico 
( ) 12 horas de jejum alimentar e hídrico. 
 
Animais grandes, principalmente ruminantes, necessitam de longo tempo de 
jejum! 
 
Assinale a seguir a alternativa na qual todos os fatores apresentados 
precisam ser considerados quando da escolha do agente e técnica 
anestésica a ser empregada em um determinado caso clínico-cirúrgico: 
 
( ) Espécie animal, sexo do paciente, localização da intervenção. 
( ) Duração do procedimento, idade do paciente, altitude geográfica. 
( ) Extensão da área a ser anestesiada, equipamentos disponíveis, estado 
clínico do paciente. 
( ) Custo do procedimento, classificação de risco (ASA), estado sexual do 
paciente (castrado ou intacto). 
( X ) Custo da anestesia, sexo do paciente, espécie animal. 
 
Das alternativas apresentadas a seguir, assinale a que NÃO está entre 
os principais cuidados a serem tomados no período pré-anestésico. 
 
( ) Exame das grandes funções orgânicas. 
( ) Jejum. 
( ) Contenção. 
( ) Verificação dos fármacos e aparelhos anestésicos. 
( X ) Avaliação da evolução cirúrgica. 
 
O risco cirúrgico é determinado a partir do histórico e da investigação 
clínica nos momentos anteriores à anestesia. A Sociedade Americana de 
Anestesiologistas desenvolveu uma classificação em 5 níveis de 
gravidade (ASA I, II, III, IV e V) a qual deve ser aplicada a cada indivíduo 
de acordo com suas particularidades. MARQUE A ALTERNATIVA CUJA 
CLASSIFICAÇÃO FOI APLICADA DE FORMA CORRETA. 
 
( ) cão adulto jovem que veio para uma cirurgia eletiva, exames normais - 
ASA II 
( ) gato senil, obstruído (calculo) com alterações no hemograma e frequência 
cardíaca normal - ASA IV 
( X ) cavalo, adulto jovem, cirurgia de castração (orquiectomia) - ASA I 
 ( ) cadela gestante para cesariana eletiva, fetos viáveis - ASA III 
( ) cão cardiopata, com arritmia não tratada, desmaios (síncopes) cirurgia de 
urgência para retirada de corpo estranho - ASA III 
 Paciente adulto jovem com insuficiência cardíaca descompensada 
necessita ser submetido à cirurgia para correção de hérnia 
diafragmática. Classifique o estado físico do paciente, segundo os 
critérios da Sociedade Americana de Anestesiologia (ASA): 
 
( ) ASA II 
( ) ASA IIIE 
( ) ASA IV 
( X ) ASA IVE 
( ) ASA V 
EXPLICAÇÃO: O agrupamento das diversas variáveis que compõem o estado 
físico de um paciente e condicionam o risco e prognóstico do ato anestésico e 
cirúrgico, permite através de uma quantificação, uma linguagem comum aos 
anestesistas e um critério para examinar e prevenir a morbilidade e mortalidade 
devidas à anestesia. A Sociedade Americana de Anestesiologia (ASA) propôs 
uma classificação do estado físico que é composta por 5 itens. Quando um 
doente é avaliado para uma intervenção de emergência, a letra E deve ser 
adicionada ao número de classe ao mesmo atribuído.