A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Diérese, hemostasia e Síntase - resumo

Pré-visualização | Página 1 de 2

Liana Ribeiro 
 
Importante = Princípios de Halsted 
● Manipulação delicada e cuidadosa - evitar lesões; 
● Respeitar Inervação, irrigação e hidratação; 
● Integridade física tecidual; 
● Quanto mais íntegro o tecido ao final da cirurgia, mais rápida a recuperação; 
 
1. DIÉRESE: ​conjunto de manobras, manuais e instrumentais que visa dividir os tecidos, com 
finalidade terapêutica e diagnóstica; 
 
● Diérese incruenta​: sem perda sanguínea - uso de lasers, criocirurgia, eletrobisturi; 
● Diérese Cruenta:​ lesões maiores, com perda de sangue e maior traumas teciduais; 
○ Arrancamento: ​rompimento da túnica íntima desencadeando uma cascata de 
coagulação imensa, nervos e vasos, fixação coágulo - castração de bezerros e leitões 
(vasos menos calibrosos em animais jovens); 
○ Curetagem: ​eliminar tecidos superficiais neoformados e íntegro - ativa circulação, 
curetas, feridas (reativação da fase inflamatória da cicatrização); 
○ Desbridamento / Debridamento*: ​tecido desvitalizado, necrótico com falta de 
perfusão - feridas, com tesoura e bisturi; 
○ Divulsão / Deslocamento*: (​separação dos tecidos / ou remover) tesouras rombas 
(pontas arredondadas), dedos - cicatrização mais rápida e menos volumosa, menor 
hemorragia e melhorar cicatrização; 
○ Escarificação: ​superficial, raspado - coleta para exames; 
○ Esmagamento linear: ​compressão extrema tecidual, evitar hemorragias - 
emasculadores (alicate) e ligaduras elásticas; 
○ Exérese / Ressecção (e anastomose, em intestino) / Ablação: eliminação de 
determinada estrutura ou tecido - neoplasias, saco herniário; 
○ Punção: ​uso de objeto puntiforme para perfuração - agulha, trocater, bisturi; 
○ Incisão*: ​ato de cortar ou seccionar tecidos com objetos cortantes; 
 
Liana Ribeiro 
Princípios para INCISÃO: 
● Lâmina de bisturi perpendicular (90º) - incisão linear / lisa; 
● Evitar cortes biselados - anfractuosidade; 
● Plano a plano; 
● Uma vez só – ​magistral​ e única; 
● Bisturi – pele (menos lesão e menos tempo de cicatrização)...depois tesoura! 
 
● Simples: ​em um único sentido, manobra ou movimento; 
○ Retas ou curvas; 
● Combinadas ou compostas: 
○ Combinações (reta + curva); 
● Tecidos moles: ​bisturi e tesoura; 
○ Respeitar direção - fibras mm, vasos; 
● Tecidos duros: ​ossos e córneos; 
○ Instrumentos especiais - serras/osteótomos/cisalhas; 
 
2. HEMOSTASIA - contenção do sangramento 
● Fisiológica: ​trombos; 
● Cirúrgica: ​conjunto de procedimentos manuais, instrumentais ou medicamentosos que têm 
por objetivo deter ou prevenir uma hemorragia; 
● Finalidade da hemostasia cirúrgica: ​limpeza área operatória / evitar choque e hipóxia 
tecidual, evitar coágulos - meio de cultura, auxiliar mecanismos fisiológicos; 
 
Considerações importantes: 
● Campo cirúrgico limpo: ​técnica eficiente; 
● Hipotensão: ​impede detecção lesão vascular e impede uso de técnica hemostática adequada - 
em casos de hemorragias durante a cirurgia, abrir a fluido para manter volume; 
● Restauração da pressão sanguínea: ​causar hemorragia retardada pós - operatório; 
 
Conduta frente à hemorragia: 
● Manter calma; 
● Expor o local de sangramento; 
● Usar técnica hemostática compressiva; 
● Evitar lesão tecidual desnecessária; 
● Efetuar hemostasia permanente; 
 
 
Liana Ribeiro 
Quanto a localização: 
● Interna: ​massas musculares e cavidades corporais; 
● Externa: ​meio externo e luz de órgãos ocos; 
Quanto a profundidade: 
● Superficial: ​pele, subcutâneo, superfície visceral; 
● Profunda: ​massas musculares; 
Tempo de ocorrência: ​primária, intermediária ou retardada e secundária; 
Forma de sangramento: 
● Pontual: ​lesão vascular isolada; 
● Difusa ou vascular: ​lesões vasculares múltiplas - alteração da coagulação; 
Natureza do vaso e sangue: 
● Arterial: ​vermelho vivo, pulso forte, jorro, sincronia; 
● Venoso: ​vermelho escuro, jorro lento e contínuo; 
● Capilar: ​lençol, lenta e superficial; 
 
Hemostasia preventiva 
● Abordagens cuidadosas; 
● Pinças hemostáticas; 
● Ligaduras; 
● Torniquetes; 
Hemostasia temporária 
● Desobstruir o campo operatório; 
● Identificação de estruturas; 
● Depois …. hemostasia definitiva; 
● Compressão manual; 
● Pinças; 
Hemostasia definitiva 
● Ligaduras - fios e grampos; 
 
Métodos de hemostasia - físicos 
1. Compressão circular: ​usado em membros / amputação - faixa de esmarch ou torniquete; 
2. Compressão digital: ​direta sobre o vaso; 
3. Compressão indireta: ​gaze - 5 minutos; 
4. Pinças hemostáticas: ​temporária, depende do tamanho do vaso - ligaduras posteriores; 
5. Clipes vasculares: ​permanentes, metal ou não - rápida aplicação, reações; 
6. Ligadura e transfixação: ​segurança - pedículos / vasos calibrosos; 
a. Transfixação: ​segurança (fica presa), risco em vasos calibrosos ou ARTÉRIA - fios 
absorvíveis ou não; 
7. Sutura ou ligadura em massa: ​antes de fazer a transfixação - quando não individualiza os 
vasos, engloba tecidos vizinhos e pedículos vasculares; 
8. Por torção / forcitorção: ​pinçar vaso e girar pinã até ruptura - ruptura da túnica média e 
interna e fixação do coágulo / subcutâneo e vasos pequenos; 
9. Dilaceramento: ​colapso do vaso por distensão - tracionar e raspar com lâmina de bisturi; 
a. Lento e pouca pressão; 
b. Ruptura - retração do vaso - hemostasia; 
10. Angiotripsia: ​esmagamento linear das túnicas vasculares - castrações - aplicação lenta; 
Liana Ribeiro 
a. Angiotribos e emasculadores; 
11. Eletrocoagulação: ​aplicação de corrente elétrica - eletrodo + pinça - vasos de baixo calibre - 
1,5 a 2 mm; 
12. Termocauterização: ​instrumento metálico aquecido - descorna; 
 
Métodos de hemostasia - químicos 
1. Tópicos - pouco usados: 
a. Percloreto de ferro; 
b. Água Oxigenada; 
c. Cloreto de Cálcio; 
d. Adesivo de cianocrilato - vetboond; 
2. Parenterais: 
a. Ácido aminocapróico – inibe plasmina; 
b. Sais de cálcio; 
c. Menadiona – sintético análogo a vit.K; 
d. Sulfato protamina – esperma salmão antagonista heparina; 
3. Biológicos: 
a. Gelatina – Gelfoam® - sangramento próximo em medula; 
b. Fibrina e fibrinogênio; 
c. Adrenalina – vasoconstrição / AL; 
d. Vit. K – essencial formação protrombina no fígado - aplicação em hepatopatas ou 
animais com problemas sistêmicos onde não produzem fatores de coagulação 
suficiente;; 
e. Vit. C – falta fragilidade e permeabilidade vascular; 
 
Uso de pinças 
Usar a menor possível ▫ Curvas X Retas ▫ Mão dominante 
 
Hemorragias superficiais: 
● Ponta pinça; 
● Côncava para baixo; 
 
 
Hemorragias profundas: 
● Grandes vasos e pedículos; 
● Pinça perpendicularmente; 
● Côncava para cima; 
● Todo ramo; 
 
 
 
 
 
Liana Ribeiro 
3. SÍNTESE 
 
 
● Conjunto de manobras manuais e instrumentais destinadas a restabelecer, por meio de fios ou 
outros materiais as estruturas anatômicas, em sua forma e função; 
● Quanto mais tempo deixar a sutura, maior o risco de reação; 
● Nos primeiros 7 dias, a cicatrização é totalmente dependente da sutura; 
● Tipo de material, manuseio e técnica sutura; 
 
Condições importantes 
● Assepsia correta; 
● Hemostasia perfeita; 
● Abolição dos espaços mortos; 
● Bordas de ferida limpas e sem anfractuosidades; 
● Ausência de CE; 
● Posição anatômica; 
● Tração moderada; 
Materiais 
● Fios de sutura; 
● Agulhas de sutura; 
● Porta agulhas; 
● Instrumentais auxiliares; 
● Escolha correta de instrumentais e materiais; 
● Materiais de sutura: ​fios, malhas ou telas, grampos e adesivos; 
 
Terminologia 
● Espaço morto anatômico; 
● Fios e reparo - órgãos ocos, manipulação sem pinças - diminuição de trauma por pinçamento; 
● Reparo de fio de sutura; 
● Sepultamento e nó - esconde o nó dentro da ferida cirúrgica; 
● Ligaduras; 
 
 
Tipos de cicatrização 
1ª intenção: ​menor tempo de cicatrização - união imediata das bordas; 
2ª intenção: ​falta de junção das bordas; 
Liana Ribeiro