A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
A2 - INTRODUÇÃO A TIPOGRAFIA - OPTATIVA

Pré-visualização | Página 1 de 2

· Pergunta 1
1 em 1 pontos
	
	
	
	O tipógrafo não existe para expressar suas próprias vontades estéticas ou seus designs favoritos, mas para promover uma conexão útil entre algo que precisa ser dito e alguém a quem precisa ser dito. Nesse contexto, diversas estéticas foram criadas e desenvolvidas no decorrer de vários séculos para fazer essa conexão entre o leitor e o impresso (TYPOGRAPHY, 2019).
 
TYPOGRAPHY, Aesthetic qualities of the typographic page. In: Encyclopædia Britannica, jun. 2019. Disponível em: <https://www.britannica.com/technology/typography/Aesthetic-qualities-of-the-typographic-page>. Acesso em: 3 jul. 2019.
 
Atualmente, existe uma infinidade de fontes disponíveis para uso, mas, na abordagem histórica, os tipos possuem uma classificação que compreende três grandes famílias. Marque a alternativa que apresenta corretamente o nome dessas famílias:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 
Gótica, romana e itálica.
	Resposta Correta:
	 
Gótica, romana e itálica.
	Comentário da resposta:
	Resposta correta. A gótica também é conhecida como black letter e, junto da romana e da itálica, faz parte das três grandes famílias. Pode-se levar em consideração que há diversos modos de classificar as fontes, em função de suas características ou períodos históricos. Todavia, essa é a forma de divisão mais reconhecida para os grandes períodos históricos da tipografia.
	
	
	
· Pergunta 2
1 em 1 pontos
	
	
	
	De acordo com Lupton (2018), as letras itálicas foram introduzidas no século XV e desenvolvidas com base em um estilo mais casual de escrita à mão. Segundo a autora, um publicitário veneziano, Aldus Manutius, utilizou de tipos itálicos em uma série de livros por ele impressos e distribuídos internacionalmente.
 
LUPTON, E. Pensar com tipos. São Paulo: GG Brasil, 2018.
 
Considerando o enunciado, analise as afirmativas a seguir:
 
I. Esse tipo de letra foi desenvolvido na Inglaterra.
II. A letra itálica eclodiu nas livrarias de baixo padrão da época porque podia ser escrita mais rapidamente que a letra humanista.
III. A letra itálica eclodiu nas livrarias mais famosas da época porque o modelo tombado e com curvas evocava a estética humanista que representava o alto padrão.
IV. Para os calígrafos ou escritores, a forma itálica era econômica, pois poupava tempo e, na impressão, economizava espaço.
V. Para os calígrafos ou escritores, a forma itálica era mais dispendiosa, por ser demorada para escrever e ocupar mais espaço na impressão.
 
Sobre as letras itálicas, está correto apenas o que se afirma em:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 
II e IV.
	Resposta Correta:
	 
II e IV.
	Comentário da resposta:
	Resposta correta. Apenas as afirmativas II e IV estão corretas. A letra itálica foi criada na Itália e era usada em livros de baixo padrão, pois era mais econômica, tanto em tempo de escrita quanto em espaço usado na impressão.
	
	
	
· Pergunta 3
1 em 1 pontos
	
	
	
	O advento da tipografia digital e o constante aperfeiçoamento dos softwares subsidiam permanentes mudanças nesse cenário temático. De acordo com Rocha (2002), os tipos deixaram de ser objetos com propriedades físicas, transformando-se em sequências de códigos binários.
 
ROCHA, C. Projeto tipográfico: análise e produção de fontes digitais. São Paulo: Rosari, 2002.
 
A figura a seguir demonstra um exemplo da digitalização de um tipo:
 
Fonte: Typography (2012). Disponível em: <https://www.flickr.com/photos/28629285@N02/7076453789/>.
 
Marque a alternativa que contém um software que pode ser utilizado na digitalização tipográfica:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 
Adobe Illustrator.
	Resposta Correta:
	 
Adobe Illustrator.
	Comentário da resposta:
	Resposta correta. O Adobe Illustrator é um software que pode ser utilizado na criação de tipos. Os softwares Sony Vegas Vector, Stellaruim Digital, Adobe Premiere Digitalization e Creative ArcGis não existem. 
	
	
	
· Pergunta 4
1 em 1 pontos
	
	
	
	Filho de tecelão, Adrian Frutiger era apaixonado por escultura. Seu pai era contra sua inserção no mundo das artes, e, como ato de rebeldia, Frutiger criava tipos de letras diferentes, indo contra a escrita tradicional europeia daquele tempo. Suíço e nascido em 1928, foi incentivado por seus professores a estudar artes gráficas devido ao seu grande talento.
Considerando a breve descrição do autor, atente-se às famílias tipográficas a seguir:
 
I. Serifa.
II. Arial.
III. Didot.
IV. Helvetica.
 
Sobre as tipografias que foram criadas por Adrian Frutiger, está correto o que se afirma em:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 
I e III, apenas.
	Resposta Correta:
	 
I e III, apenas.
	Comentário da resposta:
	Resposta correta. As fontes criadas por Adrian Frutiger aqui apresentadas são as fontes Serifa e Didot. Ambas são serifadas e de um modelo de transição. As fontes citadas nas afirmativas II e IV foram criadas por outros autores: Robin Nicholas e Patricia Saunders criaram a fonte Arial, em 1982, e os designers Max Miedinger e Eduard Hoffmann desenvolveram, em 1957, a fonte Helvetica.
	
	
	
· Pergunta 5
1 em 1 pontos
	
	
	
	Os tipos são variados, especialmente na era contemporânea. Eles evoluem acompanhando os movimentos artísticos da época e a tecnologia. Apesar dessa diversidade, é possível classificá-los em grandes famílias, que podem ser diferenciadas pelos detalhes de cada uma. As figuras a seguir são de quatro famílias distintas altamente conhecidas.
 
 
 
Figura 1
Fonte: James Arboghast, English Wikipedia / Wikimedia Commons.
Figura 2
Fonte: Adrian Pingstone / Wikimedia Commons.
Figura 3
Fonte: Giovannantonio Tagliente, Getty Collection / Wikimedia Commons.
Figura 4
Fonte: Wikimedia Commons contributors / Wikimedia Commons.
 
Assinale a alternativa que apresenta a sequência das fontes apresentadas nas imagens exibidas:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 
1. Romana; 2. Gótica; 3. Itálica; 4. Bauhaus.
	Resposta Correta:
	 
1. Romana; 2. Gótica; 3. Itálica; 4. Bauhaus.
	Comentário da resposta:
	Resposta correta. As fontes ordinalmente são: romana, gótica, itálica e bauhaus. As fontes apresentadas são estruturadas e categorizadas de acordo com aspectos históricos, sendo cada uma um exemplar de um estilo famoso entre as mais variadas categorizações.
	
	
	
· Pergunta 6
1 em 1 pontos
	
	
	
	Considere a seguinte afirmação de Lupton (2018):
“Em comparação com os designs predecessores da época, esta fonte, criada em 1750, aumenta o contraste entre os traços grossos e finos, fazendo as serifas mais afiadas e cônicas. Além disso, desloca o eixo de letras arredondadas para uma posição mais vertical. Esta fonte leva o nome do próprio criador, mestre em caligrafia. Este se tornou famoso nos anos 1750 ao abandonar o rígido teor humanista e optar pelo uso da pena metálica flexível e da pena de ave com ponta fina, resultando em linhas fluidas e ondulantes [...]”.
LUPTON, E. Pensar com tipos. São Paulo: GG Brasil, 2018. p.11.
 
Marque a alternativa que apresenta corretamente o nome do autor abordado:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 
John Baskerville.
	Resposta Correta:
	 
John Baskerville.
	Comentário da resposta:
	Resposta correta. A alternativa está correta, John Baskerville foi o criador da fonte Baskerville. Esta era famosa na época pelos traços finos e de grande contraste.
	
	
	
· Pergunta 7
1 em 1 pontos
	
	
	
	Leia o seguinte trecho, extraído do livro “Tipografia & Design Gráfico: Design e Produção de Impressos e Livros”, do autor Joaquim da Fonseca:
 
“Nas máquinas [...], as matrizes das fontes estavam em fitas, discos ou chapas, dependendo do sistema, trazendo os caracteres em negativos que eram projetados em papel ou filme sensibilizado, processado fotograficamente, podendo ser ampliados para vários tamanhos de corpo de letra. Efeitos podiam ser criados, como a condensação, expansão e italização dos tipos. Durante a digitalização da composição, o texto era mostrado em um monitor, registrado em fitas perfuradas e, a seguir, transferido para papel fotossensibilizado e revelado quimicamente.”