A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
Cavalos - EQUIDEOCULTURA 1

Você está vendo uma pré-visualização

Pre-visualização do material Cavalos - EQUIDEOCULTURA 1 - página 1
Pre-visualização do material Cavalos - EQUIDEOCULTURA 1 - página 2
Pre-visualização do material Cavalos - EQUIDEOCULTURA 1 - página 3

Cavalos - EQUIDEOCULTURA 1

tornando os andamentos irregulares e 
deselegantes. 
 
 
 
Raça 
 Conjunto de indivíduos que apresentam 
características de conformação e funcionalidade 
semelhantes, que se transmitem por hereditariedade. 
 Podemos reconhecer uma raça quando existe a 
fixação e a uniformização de características 
transmissíveis. 
Associação de raças  uniformização dos animais 
conforme o padrão racial. 
Distribuição de eqüídeos no Brasil por raça 
 
 
CAVALOS DE SELA 
 
Enquadrado em um quadrado perfeito  comprimento 
do corpo = altura 
 
QUARTO DE MILHA 
 
 
O cavalo mais popular do mundo, cavalo compacto com 
músculos fortes. Podem correr distâncias curtas mais 
rapidamente do que nenhuma outra raça. 
Extrema docilidade, adaptabilidade e versatilidade. 
Grande capacidade de mudar de direção, paradas 
bruscas e partidas rápidas e enorme habilidade de girar 
sobre si mesmo. Obedece aos comandos na rédea. 
Pelagens aceitas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Alasão tem uma crista branca na face, o preto não. 
Restrições para registro 
Animais com defeitos ou anomalias. Filhos de pais não 
registrados. 
Pampa, pintado, branco em todas as variedades: 
Filhos de pais com estas pelagens, mesmo com pelagem 
regulamentar, não são registrados. 
Filho(a) de pai e mãe alazão que não seja alazão. 
Tordilho que não tenha pelo menos um genitor tordilho. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CRIOULO 
 
 
Nativo da República Argentina 
- Chimarrões – cavalos que voltaram a ser selvagens. 
RS  1634 (jesuítas) 
Abandono ou fuga  aumento grande de animais 
Dispersão  rebanhos selvagens 
Mesteños  Mexico 
Mustangs  EUA 
Cimarrones  Ilhas e América Central 
 
 
 
Cabeça curta, ampla na base e fina na ponta. Fronte 
larga, bem desenvolvida, com chanfro curto e largo. 
Maxilares fortes, bem desenvolvidos. Garupa de 
mediano comprimento e largura, musculosa, forte, bem 
desenvolvida, levemente inclinada. Orelhas pequenas 
móveis bem afastadas na base. 
Silhueta harmônica e equilíbrio perfeito. Peso varia 
entre 400 e 450 quilos. Medidas: 
 
 
Pelagens: somente não serão aceitas as pelagens 
pintadas e albina total. 
Temperamento: vivo, ativo, inteligente, corajoso e 
bondoso. 
Características impeditivas de inscrição no Registro 
Definitivo: notável atipicidade racial (tamanho, etc), 
prognatismo (proeminência dos dentes em relação ao 
plano da face mandíbula, dificuldade na apanha de 
alimento e mastigação), criptorquidismo ou 
monorquidismo (sem 1 ou 2 testículos) 
 
CAVALO CAMPEIRO 
 
 
Pelagens principais: castanho, baio e tordilho, em todas 
as suas variações. É permitido qualquer pelagem, exceto 
pampa e albino. 
Aptidões: indicado para passeio e lazer em longos 
percursos. É próprio para as lidas do campo, apresenta 
bom desempenho em esportes rurais, principalmente 
em disputas de laço. Chama a atenção por sua 
inteligência, docilidade e destreza. 
 
CAMPOLINA 
 
 
Raça formada em Minas Gerais por Cassiano Campolina 
a partir do garanhão Monarca. Filho de uma égua 
cruzada com o garanhão Puro Sangue Lusitano. 
Infusão de sangue Marchador, Puro Sangue Inglês, 
Andaluz, Anglo Normando. 
Aparência ativa, com linhas finas e bem harmoniosas, 
não deixando de possuir constituição forte e vigorosa. 
Basicamente marchadores – andamento. Podem ser 
utilizados para sela, serviço e lazer. Muito utilizado em 
cavalgadas e provas de marcha. 
Pelagens: são admitidas todas as pelagens e 
particularidades. 
Medidas: Altura min 1,54m para machos (1,62 ideal) 
Altura mín 1,45 fêmeas (1,56 ideal) 
Peso médio de 500K 
 
MANGALARGA MARCHADOR 
 
 
Surgiu há 200 anos na Comarca do Rio das Mortes (MG) 
Cruzamento de Alter com cavalos da região mineira. 
Desenvolvido para o trabalho com o gado e para 
caçadas. 
Origem do nome: Cavalos da Fazenda Mangalarga (SP), 
Marchador foi acrescentado devido a sua andadura. 
Características comportamentais: temperamento ativo e 
dócil, resistência, inteligência, rusticidade. 
Características morfológicas: Estrutura leve, mas sem 
deixar de ser forte e musculoso. Cabeça leve e 
triangular, pescoço piramidal. Tronco forte. 
Altura mín 1,47m e Max 1,57m (1,52m ideal) 
 
NORDESTINO 
 
 
Originado diretamente do Berbere. A primeira 
introdução desta raça em nosso país é em 1549. 
Desenvolvida para enfrentar condições difíceis de 
sobrevivência – escassez de água e alimentos de 
qualidade, terrenos quentes e pedregosos. 
Finalidade: animais, resistentes, rústicos, bem 
conformados. Ideais para a lida no campo, esporte, 
cavalgadas e carga leve. Muito usado para a produção 
de muares. 
Aparência geral: 
Pelagem: qualquer pelagem exceto a albina. 
Altura: máx1,50m para ambos os sexos 
Mín 1,35 para machos e 1,30 para fêmeas. 
Temperamento: demonstrando vivacidade com 
expressão ativa e dócil. 
 
PANTANEIRO 
 
 
Região do Pantanal  MS. Semelhante ao Crioulo do 
Sul. Altura mín de 1,40m para machos, mín 1,35m para 
fêmeas. 
Membros relativamente altos. Cascos duros e 
resistentes à umidade. 
 
ÁRABE 
 
 
Adaptado ao deserto. Selecionados e desenvolvidos 
pelos baduínos. Grande raçador (superioridade 
hereditárias, nobreza). Resistência nos esportes, 
cosmopolita. 
Adaptações ao deserto: olhos grandes e salientes 
(excelente visão), Narinas que se dilatam ao correr 
(maior captação de ar), Normalmente cemi-cerradas 
(reduzir a poeira). Tamanho e grande separação entre os 
maxilares (espaço para a passagem de ar). 
Carregamento de cabeça: muito mais alto do que outra 
raça. Facilita a passagem do aro, abrindo as flexíveis 
narinas e alongando a traquéia. 
 
 
Maior número de células vermelhas: captação de 
oxigênio de ar. 
Focinho pequeno e cônico, lábio finos e ágeis. 
Crina: pelos finos e longos. Topete longo na testa – 
reflexo a poeira. 
Pele: negra por debaixo dos pelos – proteção. Fina – 
transpiração. Pescoço de cisne. 
Irrigação sanguínea: saltam à flor da pele após grande 
esforço físico. 
Estrutura óssea: Cinco vértebras lombares – pequeno 
lombo. Grande habilidade em carregar grandes pesos. 
Carregamento da cauda: menor número de vértebras. 
Primeira vértebra da cauda inclinada para cima. 
 
ANDALUZ 
 
Puro Sangue Espanhol, Puro Sangue Português, Puro 
sangue lusitano. Não é veloz, possui agilidade, destreza 
e força. Perfil acarneirado, crina e cauda abundantes e 
longas. Utilizado para touradas na Espanha, devido a sua 
extrema inteligência. Pelagem cinzenta ou alazã. 
 
PURO SANGUE LUSITANO 
 
PSL – Portugal 
Pura Raça Espanhola – Espanha 
Mais antigo cavalo de sela da civilização ocidental. 
Potência digestiva: se mantém em condições precárias 
de alimentação. 
 
PAINT HORSE 
Originado do Quarto de Milha, mesmas conformações e 
habilidades. Pelagens admitidas: overo, tobiano, tovero. 
Altura média 1,50m e peso médio 500Kg. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Tovero manchas na parte ventral do corpo, tobiano 
manchas maiores por todo corpo, overo manchas 
menores por todo corpo 
 
APPALOOSA 
 
 
 
 
 
 
 
 
Pelagem mosqueada, terceiro registro mais numeroso 
do mundo. Mais troncudo do que longilíneo, 
apresentando sólida ossatura. Reprodutor animal de 
competição (corrida e salto), notável pela resistência, 
vigor e boa índole (fácil trato). Dócil, ágil e vigoroso, 
excelente de lida (trabalho). 
 
CAVALOS DE ESPORTE 
 
Enquadrado num retângulo, com base maior que a 
altura e altura menor que o comprimento. 
 
PURO SANGUE INGLÊS 
 
 
O cavalo mais rápido e valioso do mundo. Cavalo forte, 
resistente e de traços grosseiros, empregado para 
montaria, carga, tração, agricultura. Cruzamento com 
normandos e árabes proporcionou leveza e agilidade 
para o esporte. Destreza e vigor, perfeição física e 
grande precocidade (atinge suas caract. Rápido) 
melhorador de raças, Temperamento nervos –