A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
109 pág.
apostila

Pré-visualização | Página 1 de 19

Cosmetologia Aplicada à Estética I 
 
Camila Panzetti Alonso 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Aula 01 
Introdução à Cosmetologia.................................... 
 
Aula 02 
Componentes básicos de cosméticos.................. 
 
Aula 03 
Higienização ......................................................... 
 
Aula 04 
Tonificação ............................................................ 
 
Aula 05 
Hidratação ............................................................. 
 
Aula 06 
Máscaras ............................................................. 
 
Aula 07 
Esfoliação ........................................................ 
 
Aula 08 
Fotoproteção .................................................... 
 
Referências ..................................................................................... 
 
 
 
 
 
 
 
S
u
m
á
ri
o
 
AULA 01 
 
Introdução à Cosmetologia 
 
Olá! 
 
Nesta primeira aula iremos aprender alguns conceitos iniciais que serão utilizados no 
estudo da Cosmetologia. 
Você já parou para ler aquelas letrinhas que estão no verso dos rótulos de 
cosméticos? Por que são escritas daquela maneira? 
E o que é um produto cosmético? E os dermocosméticos, são diferentes? 
Esta e outras indagações serão esclarecidas no decorrer desta aula. 
 
 
Objetivos de aprendizagem 
 
Ao término desta aula, vocês serão capazes de: 
 
• Conhecer alguns termos importantes. 
• Compreender a legislação cosmética. 
• Conhecer a nomenclatura cosmética. 
 
Para melhor compreensão, a aula foi dividida em seções de estudo: 
 
Seção 1 – Termos importantes utilizados em Cosmetologia. 
 
 Seção 2 – Legislação cosmética. 
 
Seção 3 – Nomenclatura de produtos cosméticos. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Os cosméticos são preparações constituídas por substâncias naturais ou sintéticas, 
de uso externo nas diversas partes do corpo humano, pele, sistema capilar, unhas lábios, 
órgãos genitais externos, dentes e membranas mucosas da cavidade oral, com o objetivo 
exclusivo ou principal de limpá-los, perfumá-los, alterar sua aparência e/ou corrigir odores 
corporais e/ou protegê-los ou mantê-los em bom estado (ANVISA, 2006). 
 
A definição de cosméticos no Brasil é ampla, e as substâncias que fazem parte 
desses produtos têm como proposta atuar na pele e cabelos, exercendo diversas funções, 
que vão desde a higienização até o retardamento do envelhecimento. 
A Cosmetologia moderna avançou em pesquisas e, atualmente, podemos contar 
com produtos que são verdadeiros agentes de tratamento, que são capazes de modificar 
a estrutura e atividade da pele, os chamados cosmecêuticos. Apesar da importância 
deste termo, a legislação do Brasil considera todas as substâncias como cosméticas. 
 
SEÇÃO 1 – Termos importantes utilizados em 
Cosmetologia: 
 
Alguns conceitos são importantes para nosso estudo, entre eles: 
 
• ANVISA: Agência Nacional de Vigilância Sanitária. É o órgão regulamentador, vinculado 
ao Ministério da Saúde. Responsável pela elaboração de Leis, Normas, Regulamentos, 
Resoluções, que vão regulamentar a atividade magistral, produção de cosméticos, 
indústria de medicamentos, alimentos, entre outros. 
• Matéria prima ou princípio ativo (ativos): substância ativa ou inativa que se emprega 
na fabricação de medicamentos e demais produtos. 
• Veículos ou bases cosméticas: é o componente de maior parte do produto, onde são 
incorporados os ativos. São os géis, a água, o xampu base, as emulsões, etc. 
• Cosméticos: são definidos como um produto para uso externo, destinado à proteção ou 
embelezamento de diversas partes do corpo. Pode ser usado por meses ou anos (é 
incorporado aos costumes do usuário) sem interagir com as funções principais da pele, 
sem irritar, nem sensibilizar. 
• Medicamentos de uso tópico: são produtos utilizados em concentração terapêutica com 
a finalidade de tratar uma doença, sendo aplicado na pele ou couro cabeludo. São 
produtos vendidos exclusivamente em farmácias ou drogarias. Em sua composição 
encontramos antibacterianos, corticóides, antiparasitários, entre outros. Estes produtos 
podem ser de prescrição médica ou de venda livre (sem prescrição). Como exemplo, 
podemos citar a ureia, um hidratante vendido em farmácias, sem necessidade de 
prescrição médica. 
• Cosmecêuticos: termo criado na década de 60 para designar uma nova categoria de 
produtos de uso tópico, que se encontram entre os cosméticos e os medicamentos, com 
uma ação diferenciada, capaz de modificar a estrutura da pele. Este termo é bastante 
comum, no entanto, não existe em nossa legislação nenhuma definição para ele, assim 
como nos EUA o FDA também não reconhece esta palavra. 
• Dermocosméticos: é um termo utilizado para produtos cosméticos contendo substâncias 
cosmecêuticas, ou para produtos com maior valor de mercador e que fazem parte de 
cosméticos também prescritos por médicos, apesar de não necessitarem de prescrição. 
Este termo também não pertence à legislação brasileira. 
 
SEÇÃO 2 – Legislação cosmética 
 
Os cosméticos são definidos como uma substância ou preparação que entra em 
contato com as partes externas do corpo com a função de limpar, proteger, além de 
mudar a aparência da pele. 
A ANVISA estabeleceu a definição para produtos de higiene pessoal, cosméticos e 
perfumes na Resolução RDC n°211. Segundo esta Resolução, estes produtos: 
 “Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes, são preparações 
constituídas por substâncias naturais ou sintéticas, de uso externo nas diversas partes do 
corpo humano, pele, sistema capilar, unhas lábios, órgãos genitais externos, dentes e 
membranas mucosas da cavidade oral, com o objetivo exclusivo ou principal de limpá-los, 
perfumá-los, alterar sua aparência e/ou corrigir odores corporais e/ou protegê-los ou 
mantê-los em bom estado”. (BRASIL, 2005). 
De acordo com sua classe, os produtos cosméticos são classificados como: 
• Produtos de Higiene Pessoal 
• Perfumes 
• Cosméticos 
• Produtos Infantis 
Além dessa classificação, a ANVISA cria normas específicas para todo o setor de 
cosméticos. Estas normas são conhecidas como Resoluções de Diretoria Colegiada (as 
RDC) ou as Portarias, sendo as mais importantes: 
• RDC 48/06: lista as substâncias proibidas em formulações cosméticas como: 
lidocaína, peróxido de benzoíla, ácido retinóico, entre outras. 
• RDC 47/06: relação de filtros solares permitidas em formulações cosméticas. 
• RDC 215/05: traz a lista de produtos que podem estar presentes em cosméticos, 
porém cuja concentração deve estar limitada. Por exemplo, o ácido salicílico para acne 
não deve ultrapassar 2%, enquanto para caspa não deve ultrapassar 3%. 
• Portaria 485/04: institui a Câmara Técnica de Cosméticos (CATEC), que presta 
consultoria e assessoramento, além de emitir parecer técnico para os produtos de 
higiene pessoal, cosméticos e perfumes. 
 
RDC 211, de 14 de julho de 2005. 
 
Entre as RDC, a mais importante é a RDC 211/05, cujos itens mais importantes são: 
• Definição de produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes. 
• Classificação dos produtos em Grau 1 e 2. 
• Lista dos produtos de Grau 1 e Grau 2 (cópia abaixo). 
• Define Rotulagem obrigatória: que é aquela que todo produto deve apresentar: 
nome, marca do produto, número do lote, data de validade, conteúdo, descrição 
dos componentes da formulação, etc. 
• Define Rotulagem Específica: informações extras, importantes para o uso correto 
do produto. Por exemplo, os produtos para alisar e ondular os cabelos deve conter, 
além da rotulagem obrigatória: “não aplicar se o couro cabeludo estiver irritado ou 
lesionado”, “manter fora do alcance das crianças”. 
Os critérios para a classificação dos produtos em Graus 1 e 2 foram definidos em 
função da finalidade de uso do produto, áreas do corpo abrangidas, modo de usar e 
cuidados a